O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Portugal está sentado no "top 5" da obesidade infantil. Como sair daqui?

17 mai, 2017 - 12:38

O abandono da dieta mediterrânica e o sedentarismo são os principais culpados.
A+ / A-

O combate à obesidade na infância e adolescência não está a resultar e é preciso encontrar novas estratégias, diz o coordenador do Programa de Promoção de Alimentação Saudável, da Direcção-Geral da Saúde, Pedro Graça. Em Portugal, um em cada dez rapazes de 11 anos é obeso, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Portugal está no “top 5” da obesidade infantil, logo a seguir aos mediterrânicos Grécia, Itália, Espanha e Malta. A diminuição do consumo de frutas e legumes e o sedentarismo ajudam a explicar.

Pedro Graça diz que a adolescência é a faixa etária mais preocupante, uma vez que são mais independentes e procuram alimentação nem sempre saudável. Por isso, o papel da família é essencial.

“Em primeiro lugar é um apoio que passa pelas famílias. Durante muito tempo discutimos o papel da escola, mas o adolescente precisa dos valores da família, pois muito do consumo alimentar continua a ser feito em casa. Com este trabalho dos adolescentes é preciso sublinhar o papel da família no sentido de estimular diariamente e, não apenas ao fim-de-semana, a actividade física e o consumo dos alimentos saudáveis”, explica à Renascença.

O abandono da dieta mediterrânica, associado à crise económica nos países do sul, ajuda a explicar a tendência.

“O impacto da crise que vivemos está a afectar toda uma geração, na medida em que as famílias tiveram que poupar. Não prescindiram dos seus encargos (pagar carro, casa, água, etc.) e o único sector mais elástico era a comida, no qual se prescindiu de alimentos mais caros, mais frescos e se aumentou o consumo de produtos pré-processados, com quantidades de sal, gorduras e açúcar mais elevados. Isto tem impacto que não é a meses, é a muitos anos”, conclui.

A prevalência da obesidade nos rapazes é de 10% em quatro países (Croácia, Grécia, Portugal e Macedónia). Apenas dois (Grécia e Itália) têm uma prevalência superior a 5% nas raparigas.

A OMS sublinha, em nota à imprensa, que “a obesidade infantil é considerada um dos mais sérios desafios de saúde pública do século XXI”.

“As crianças obesas têm maior risco de contrair diabetes de tipo 2, asma, dificuldades em dormir, problemas musculo-esqueléticos e doenças cardíacas, além de dificuldades na escola, problemas psicológicos e isolamento social.

O relatório, que analisou 27 países, é apresentado esta quarta-feira no Porto, no âmbito do Congresso Europeu de Obesidade.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    23 mai, 2017 évora 12:38
    Só prova que estes estudos estão de acordo com as luvas que os médicos e todos lá ligados mamam dos laboratórios de medicamentos , vejamos : Nos anos 80 brincava-se nas ruas até às tantas da noite ... agora brinca-se nos sofás com os dedos e unhas . O que os jovens hoje comem que dizem ser em excesso , nesse tempo nem por metade chegava , comia-se o dobro em sopas e enchidos e doces e andava-se mirrado ! O que querem hoje é manterem a juventude nos sofás ligados à net e a comeram somente duas colheres de sopa de alface por dia , para depois os médicos encherem as crianças com suplementos alimentares tipo vitaminas e minerais , pois ficam completamente desnutridas , ainda que magras de tanto teclarem e comerem pouco . É triste ver -se estas campanhas parvas e estúpidas de gente inculta !
  • Trocaopasso..!!
    19 mai, 2017 Aveiro 11:30
    Nao da para perceber como um sitio do terceiro mundo com tanta miseria dao-se ao luxo de ter o " ranking" dos gordos naps estatisticas europeias.?? Ha neese lixo numeros dos que passam fome,ou vao dormir sem comer.?? Sao dados baseados naqueles lambareiros que comem a custa dos outros,e tesos,devendo a tudo e a todos ,vivendo em gaiolas propicias para comer e dormir..!!
  • Plataforma tok
    18 mai, 2017 Porto 07:25
    A plataforma tok foi uma podepoderia ser a ferramenta perfeita para resolver isso esse poblema infelismente estamos a desenvolver a mesma com fundos proprios em empresa privadas .foi nos indicado pelo governo algumas Universidades para desenvolver o lançamento poderia resolver esse como outros poblemas e por Portugal no topo do mundo em prevenção e na educação de abitos saudaveis. ...
  • rosinda
    17 mai, 2017 palmela 20:47
    Os velhos tambem disseram nas conversas a quinta que portugal tinha evoluido na educao ! Os politicos sao muito manhosos fingem que dao educacao aos pobres para depois a troco de ordenados de miseria os pobres pactuarem com eles! A educacao e a saude sao duas coisas que saltam a vista das pessoas e entao os politicos tentaram tapar os olhos aos pobres nessas duas areas! O povo nao quer ser burro nem quer morrer!
  • rosinda
    17 mai, 2017 palmela 20:25
    Senhor bastos nas conversas a quinta foi dito que portugal evoluiu na area da saude mas nao explicaram o resto porque ninguem tem coragem de dizer que essa evolucao nao se deu a pensarnos pobres foi a pensar nos medicos cirurgioes! Nao suposto dizermos que um pais evoluiu na area da saude quando os hospitais nao tem camas e se transformaram em talhos! O jaime gama e o jaime nogueira pinto quando vao levar o carro a oficina o carro so lhes e entregue depois pronto !
  • No país da diversão
    17 mai, 2017 Lisboa 13:09
    No país da diversão vale quase tudo para desviar a atenção do essencial e manipular as pessoas. Penso que as pessoas são "maiores e vacinadas" como se costuma dizer, por isso devem saber o que fazem. Talvez o problema seja terem pouco que fazer. Depois este país tem problemas graves em alguns poderes, como censura na imprensa, mas nisso não falam.
  • rosinda
    17 mai, 2017 palmela 13:05
    sem estomago com proteses no joelhos e depressoes ninguem pode dar rendimento no trabalho!