O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Economia. Conselho de Finanças Públicas elogia resultados mas deixa avisos

16 mai, 2017 - 12:10 • Sandra Afonso

Organismo presidido por Teodora Cardoso diz que Governo tem de provar que os resultados são credíveis.
A+ / A-

O Conselho das Finanças Públicas elogia a consolidação orçamental proposta pelo Governo para os próximos anos, sobretudo a redução da dívida pública, mas sublinha que não são apresentadas medidas de política económica e orçamental indispensáveis à sua credibilização.

Portugal tem de reduzir o saldo orçamental, tal como previsto do Pacto de Crescimento e Estabilidade, e isso depende de medidas políticas que ainda não foram apresentadas.

O alerta consta da Análise ao Programa de Estabilidade 2017/2021, publicado esta terça-feira de manhã.

Excluindo 2017, em que a melhoria do saldo estrutural fica aquém do que exige o Pacto de Estabilidade e Crescimento, o relatório do organismo presidido por Teodora Cardoso dá nota positiva ao Programa de Estabilidade do Governo.

Merece elogios, por exemplo, a redução de 21 pontos percentuais na dívida pública, em quatro anos. Ainda assim, Portugal tem de cumprir os requisitos mínimos de redução da dívida aplicados ao país.

O saldo orçamental deverá melhorar 3,3 pontos percentuais até 2021, mas esta meta está dependente de medidas não especificadas, a maioria do lado da despesa e que representam um quarto da melhoria do saldo orçamental. Não sendo enumeradas, não podem ser verificadas.

Ainda segundo o Conselho das Finanças, o próximo ano é o que está mais dependente das decisões do Governo. Depois, até 2021, o cumprimento do saldo orçamental vai assentar sobretudo na evolução da economia.

O Programa de Estabilidade assenta na redução da despesa, através do congelamento da despesa com pessoal, menos prestações sociais, diminuição de juros e consumos intermédios.

Está também previsto o desagravamento da carga fiscal até 2021, acompanhado, no entanto, do aumento das contribuições sociais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jorge
    17 mai, 2017 Sintra 23:38
    Estou de acordo com RM! E, com esta maioria(PS-PCP-BE), não sei como é que a direita vai chegar ao poder a curto e médio prazo! É uma maioria sociológica ( que governa a pensar nas pessoas, ao contrário do governo anterior, que as queria empobrecer ainda mais), impensável até há pouco tempo, que veio baralhar as contas ao PSD/CDS. Portas percebeu. A. Costa teve muito mérito, nesta viragem histórica da vida política portuguesa. Nada será como dantes, para bem do fortalecimento da democracia de Portugal e dos portugueses em especial dos mais desfavorecidos. O PSD/CDS eram "fortes com os mais fracos e fracos, com os mais fortes". Era assim! O que nós passámos! " Oh tempo não voltes para trás"...
  • RM
    17 mai, 2017 16:33
    Minha senhora, pode desdenhar o que quiser, mas meta isto na cabecinha:   este é o melhor governo desde 25 de Abril de 1974.
  • ao costa demagogo
    17 mai, 2017 lx 11:40
    o que é isso do BCE andar a lançar dinheiro na economia? Debita o que percebes e não aquilo que emprenhas de ouvido! Já agora, és precário no Largo do Caldas ou já tens contrato irrevogável?
  • Jorge
    16 mai, 2017 Sintra 21:44
    Tantos jovens desempregados!
  • JS
    16 mai, 2017 V N Gaia 20:47
    Esta senhora já não devia estar na reforma? Ou anda a ganhar por dois lados? Assim vai o pais e eu a ganhar 590€ e trabalhar 8 horas diárias Pais de oportunistas
  • COSTA DEMAGOGO
    16 mai, 2017 Lx 15:14
    A credibilidade deste organismo é intocável.O resto são manobras de propaganda das esquerdas que são os encantadores de serpentes e pantomineiros habituais.Também em 2010 havia taxas de crescimento de 2,8 e foi o que se viu a seguir: Troyka e programa de ajustamento pago por nós pela incompetência e manobras dos socialistas de então que são, infelizmente, os mesmos de hoje e que usam a mesma receita. Grave é os empréstimos ao consumo provado estarem a aumentar....Acho que não aprendemos nada com os passado recente e, nesse sentido, a dívida pública e privada continua no seu ritmo ascensional brutal até o BCE deixar de andar a lançar dinheiro na economia. Mas a propaganda saloia, populista de esquerda continua e os tugas gostam de viver à conta dos empréstimos e das dívidas impagáveis e os nosso kamaradas são especialistas na arte de gastar à tripa forra embora agora até dizem que vão pagar mas sempre empurrando com a barriga para a frente como é seu costume...
  • Luis
    16 mai, 2017 Lisboa 14:48
    Coitada, está mesmo taralhoca. Engana-se sempre em todos os avisos e previsões que faz mas mesmo assim insiste. Será promessa?
  • porque não?
    16 mai, 2017 port 14:20
    convidam esta para ministra das finanças? Assim mostrava-nos do que era capaz!
  • os e as
    16 mai, 2017 lx 14:18
    arautos da desgraça continuam na senda da eterna dúvida!...não se conformam com os resultados e como sempre lançam a confusão na opinião publica! O excesso de pessimismo é o atributo que faz parte do ADN desta gente e juntam-se ao coro daquele que no exterior nos pretendem menorizar! São cansativos!
  • é a maior!
    16 mai, 2017 lis 14:12
    ...avisadora! Para que servem os avisos desta sra se ela não acerta uma que seja? Qual é a credibilidade disto?