A+ / A-

Histórico. Salvador Sobral vence festival da Eurovisão

13 mai, 2017 - 23:35 • Marta Grosso , Inês Rocha

Salvador amou por um país inteiro e deu a Portugal a primeira vitória na Eurovisão.
A+ / A-
Salvador trouxe o caneco da Eurovisão. E fez história
Salvador trouxe o caneco da Eurovisão. E fez história

Veja também:


Fez-se história. Com a canção "Amar pelos Dois", Salvador Sobral arrebatou o júri e o público europeu e conquistou o primeiro lugar no festival da Eurovisão, na Ucrânia. Esta foi a 49ª participação portuguesa no festival. A 50ª deverá ser disputada em Lisboa.

O melhor resultado até agora tinha sido o sexto lugar, alcançado por Lúcia Moniz, em 1996, com a canção “O meu coração não tem cor”.

A canção portuguesa venceu a votação do júri, tendo recebido a pontuação máxima do júri de vários países: Suécia, San Marino, Letónia, Israel, Espanha, França, Arménia, Islândia, Geórgia, Lituânia, Sérvia, Suíça, Hungria, Holanda, República Checa e Reino Unido.

No fim das votações, Salvador reagiu à vitória: "Vivemos num mundo de música "fast-food". Esta pode ser uma vitória para a música", afirmou no fim da cerimónia em Kiev.

Pouco consensual sobretudo dentro de portas, mas favorito nas apostas internacionais, Salvador Sobral voltou a pôr o Festival da Canção na boca do portugueses.

“Amar pelos dois” é uma composição de Luísa Sobral, irmã do cantor. Recorde a actuação do português na final:

A actuação de Salvador também convenceu um dos gigantes da música brasileira. Num vídeo publicado no Facebook, Caetano Veloso disse: "Eu quero que o Salvador Sobral ganhe a Eurovisão. Ele é bom demais". Veja o vídeo:

“Completamente diferente e original”

Polémico na maneira como se apresenta e na interpretação, que adorna com alguns trejeitos, Salvador tornou-se num fenómeno de sucesso dentro e fora das fronteiras nacionais.

Sem página pessoal nas redes sociais, a página oficial do cantor subiu para mais de 76 mil “Gostos” e, no YouTube, o vídeo da actuação no Festival da Canção já vai em mais de um milhão e 500 mil visualizações. A actuação intimista na semifinal ucraniana também foi vista mais de um milhão de vezes.

No Spotify, “Amar pelos dois” está no top 10 das mais ouvidas em Portugal e é a 15ª mais ouvida em Espanha, onde o cantor reúne imensos apoiantes.

Nas redes sociais, pessoas de todo o mundo comentaram a canção portuguesa, havendo mesmo quem tivesse desejado que “Amar pelos Dois” fosse tocada na primeira dança do seu casamento (William Stanley, Austrália).

Nas redes sociais, o hashtag #salvadorable foi "trending topic" no Twitter em Portugal várias vezes.

Com inspirações de jazz, a canção composta por Luísa Sobral não agrada a todos, mas quem gosta gosta muito.

“Proporciona atmosfera desde a primeira nota e, assim que ouvimos a parte instrumental, percebemos que é completamente diferente e original”, descreve um dos apresentadores do “WWW blogs”, canal do YouTube subscrito por mais 36.700 pessoas e onde três jovens aprofundam informação sobre os concorrentes à Eurovisão.

Na opinião dos intervenientes, a canção portuguesa faz lembrar “um jazz dos anos 1920” sem deixar de ser actual. E Salvador “é emotivo sem gritar e dramático sem exagerar”.

Na opinião de outra “youtuber”, responsável por um canal com mais de 1.400 subscritores, a participação portuguesa deste ano “é uma reentrada impressionante na Eurovisão. Toda a interpretação está em consonância com o poema e há imenso ênfase na história. Só posso descrever a canção como cinematográfica”, refere.

Após a primeira semifinal, Salvador Sobral reforçou a preferência entre os votantes no site eurovisionworld.com, que faz uma média de várias casas de apostas, e, na sexta-feira, véspera da final, passou para primeiro lugar do ranking, destronando a Itália.

Filho de peixe…

Filho de pai músico, Salvador Sobral cedo se habituou às notas e aos tons musicais. As viagens de carro em família eram feitas a cantar, em conjunto com a irmã, Luísa Sobral, e o pai. “O três a fazer vozes”, recorda a Luísa Vilar, mãe dos irmãos Sobral.

Na sala dos pais, é uma bateria que assume todo o protagonismo, conta ainda a mãe, numa entrevista à Renascença.

É ainda em criança que aparece junto do público, em concursos de talentos, no “Bravo Bravíssimo” da SIC. Já adolescente, concorre à terceira edição de “Ídolos” (2009), tendo chegado à fase das galas em directo. A irmã, Luísa Sobral, também concorreu ao “Ídolos”, mas em 2003 e ficou em terceiro lugar.



Os estudos levaram-no até Espanha, onde estudou Psicologia e começou a tocar em bares. Mais tarde, decide inscrever-se na escola de música Taller de Musics, em Barcelona.

É nessa altura que colabora com a banda de pop-indie Noko Woi e grava um vídeo na rua, do “cover” de “After you gone”, que canta com o venezuelano Leo Aldrey.

Em 2016, Salvador Sobral edita o seu primeiro disco, intitulado “Excuse me”.

Aos 27 anos, Salvador atinge um dos melhores momentos da sua carreira com a actuação no Festival Eurovisão da canção, em Kiev.

O melhor resultado em 61 anos de Portugal na Eurovisão

O Festival Eurovisão da Canção existe desde 1956. Portugal participa desde 1964 e conseguiu, este ano, o melhor resultado de sempre (sendo que esteve ausente do concurso cinco vezes: em 1970, 2000, 2002, 2013 e 2016).

Na primeira vez que participou, Portugal não conseguiu um único voto. A canção escolhida foi “Oração”, interpretada por António Calvário. Portugal só voltou a obter zero votos em 1997, com “Antes do Adeus”, interpretada por Célia Lawson.

Mais tarde, em 1969, a “Desfolhada Portuguesa” de Simone de Oliveira conseguiu apenas quatro pontos, tendo ficado em penúltimo lugar (15º).

Só em 1971 é que Portugal conseguiu ficar entre os 10 mais pontuados. Tonicha cantou “Menina do alto da serra” e conseguiu o nono lugar (83 pontos).

No ano seguinte, Carlos Mendes conseguiu ainda melhor com “A festa da vida”: o sétimo lugar e 90 pontos.

Em 1973, Portugal conseguiu manter-se no Top 10, com a “Tourada” de Fernando Tordo, mas voltou a cair para o último lugar em 1974, com "E Depois do Adeus", de Paulo de Carvalho.

No total, das 45 participações que Portugal teve no festival europeu, apenas nove deram origem a lugares dentro das 10 mais votadas.

Em 1979, "Sobe, Sobe, Balão Sobe", cantada por Manuela Bravo, voltou a pôr o país dentro do top com o nono lugar e, no ano seguinte, José Cid leva "Um Grande, Grande Amor" até à sétima posição do festival.

Em 1993, Anabela levou “A cidade até ser dia” até à barreira dos dez melhores classificados. Mas foi Lúcia Moniz que, em 1996, conseguiu a classificação mais alta até hoje para Portugal: o sexto lugar, com a música “O meu coração não tem cor”.

Recorde as canções que Portugal levou à Eurovisão desde 1964.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mara
    30 mai, 2017 Portugal 15:37
    Grande Salvador Sobral, que Nossa Senhora lhe dê muita, muita saúde e força para continuar por muitos e muitos anos a engrandecer Portugal, através das suas lindas canções
  • Manuel
    14 mai, 2017 Lisboa 21:37
    Este dia 13 foi um verdadeiro hino ao grande estadista Salazar. Estamos todos felizes com o triplo F, Fatima Futebol Fado.
  • Rui
    14 mai, 2017 Lisboa 19:36
    3 eventos que não interessam nem ao menino jesus, enfim...
  • Piedade
    14 mai, 2017 A 17:51
    Tenho de me retratar, em relação a um comentário que fiz há dias sobre o festival. Há vários anos que não assistia à final, Portugal não estava lá, não interessava, pelo que não sabia que tinham alterado a forma de votação, pensei que era só voto popular, e aí, os vizinhos contam, como se viu nos votos que demos a Espanha. Continuo a achar que a canção merecia um intérprete com mais voz, mas se lhe deram o prémio de interpretação, quem sou eu para discordar? A verdade, é que este foi um verdadeiro festival de canções, sem as palhaçadas que vimos noutras ocasiões, realçando as ditas, ao invés das grandes encenações, onde a música ficava para segundo plano. Parabéns ao vencedor, assim como à autora e ao orquestrador, não esquecendo a RTP, que se empenhou a fundo (finalmente) no festival. A partir de agora, a responsabilidade é maior, não voltem a aceitar "homens da luta" e quejandos, nem música "pimba". Foi a canção certa, na altura certa. Já lá levámos outras grandes canções, como "Senhora do mar", só que não era ainda a nossa vez.
  • rosinda
    14 mai, 2017 palmela 12:10
    A vitoria de salvador sobral na eurovisao para mim foi mais surpreendente doque a vitoria do benfica! Depois de tantos anos de festival da eurovisao e nunca termos ganho um segundo ou terceiro lugar penso que ninguem estava preparado para este desfeecho ! E caso para dizer quando a"esmola e grande o santo desconfia"
  • Samuel dos Santos
    13 mai, 2017 23:57
    O dia 13 de Maio de 2017, foi um dia em cheio para Portugal: - O Papa Francisco, visitou Portugal (Fátima); O Benfica sagrou-se campeão Nacional pela 3ª.vez consecutiva; O Salvador Sobral, ganhou o Festival da Canção em Kiev, Ucrânia! Agora é esperar por outros motivos de interesse, estou em crer que será possível.