|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Papa lembra cristãos perseguidos e diz que Egipto deve reforçar paz no Médio Oriente

28 abr, 2017 - 17:15 • Aura Miguel , no Egipto, e Filipe d'Avillez

Num discurso ao Presidente do Egipto, Francisco sublinhou o papel histórico do Egipto para a estabilidade da região do Médio Oriente e disse que “das grandes nações, não se pode esperar pouco”.

A+ / A-
Papa lembra cristãos perseguidos e diz que Egipto deve reforçar paz no Médio Oriente
Papa lembra cristãos perseguidos e diz que Egipto deve reforçar paz no Médio Oriente

O Papa Francisco referiu-se várias vezes aos cristãos nativos e à necessidade de implementar e salvaguardar a liberdade religiosa durante o seu discurso ao Presidente Abdul Sisi, do Egipto. O país, disse Francisco, tem uma “tarefa singular: reforçar e consolidar” a paz no Médio Oriente.

Logo no começo do seu discurso, elogiando a história e o passado “prestigioso” da nação egípcia, realçou que este é simultaneamente “faraónico, copta e muçulmano”. Os cristãos coptas, que representam cerca de 10% da população, são, na verdade, o povo indígena daquela região.

O Papa sublinhou também a importância do Egipto em termos bíblicos, referido tantas vezes no texto sagrado, nomeadamente como o local onde os descendentes de Abraão encontraram refúgio quando a fome assolou o Médio Oriente.

“Também hoje encontram aqui hospitalidade milhões de refugiados provenientes de vários países, entre os quais se conta o Sudão, a Eritreia, a Síria e o Iraque – refugiados esses que se procura, com um louvável esforço, integrar na sociedade egípcia”, elogiou o Papa.

O Egipto, disse Francisco, desempenha, por isso, um papel importante e único no Médio Oriente. “O Egipto tem uma tarefa singular: reforçar e consolidar também a paz regional, apesar de se ver, em seu próprio território, ferido por violências cegas. Tais violências fazem sofrer injustamente tantas famílias – algumas das quais aqui presentes – que choram os seus filhos e filhas.”

Neste discurso, o segundo no Egipto, onde aterrou esta sexta-feira para uma visita de 27 horas, o Papa denunciou o terrorismo, voltando a referir-se especificamente aos cristãos.

“Penso de modo particular em todas as pessoas que, nos últimos anos, deram a vida para salvaguardar a sua pátria: os jovens, os membros das forças armadas e da polícia, os cidadãos coptas e todos os desconhecidos que tombaram por causa de várias acções terroristas. Penso também nos assassinatos e nas ameaças que levaram a um êxodo de cristãos do Sinai setentrional. Expresso viva gratidão às autoridades civis e religiosas e a quantos deram hospitalidade e assistência a estas pessoas tão provadas. Penso igualmente naqueles que foram atingidos nos atentados contra as igrejas coptas, quer em Dezembro passado quer mais recentemente em Tanta e Alexandria. Aos seus familiares e a todo o Egipto, as minhas sentidas condolências com a certeza da minha oração ao Senhor pela rápida recuperação dos feridos.”

Deus “não precisa de ser protegido pelos homens”

Ecoando o discurso que fez cerca de uma hora e meia antes, na Universidade Al-Azhar, no qual disse que a “religião não é o problema”, mas “parte da solução”, o Papa enfatizou o dever de contrariar o extremismo e dissociar a violência e a religião.

Papa chega ao Egipto
Papa chega ao Egipto

“Todos temos o dever de ensinar às novas gerações que Deus, o Criador do céu e da terra, não precisa de ser protegido pelos homens; antes, é Ele que protege os homens. Ele nunca quer a morte dos seus filhos, mas a sua vida e felicidade. Ele não pode solicitar nem justificar a violência; antes, detesta-a e rejeita-a. O verdadeiro Deus chama ao amor incondicional, ao perdão gratuito, à misericórdia, ao respeito absoluto por cada vida, à fraternidade entre os seus filhos, crentes e não-crentes.”

“Temos o dever de afirmar, juntos, que a história não perdoa a quantos proclamam a justiça e praticam a injustiça; não perdoa a quantos falam da igualdade e descartam os que são diferentes. Temos o dever de desmascarar os vendedores de ilusões acerca do Além, que pregam o ódio para roubar aos simples a sua vida presente e o seu direito de viver com dignidade, transformando-os em lenha para queimar e privando-os da capacidade de escolher com liberdade e acreditar com responsabilidade. Temos o dever de desmantelar os planos homicidas e as ideologias extremistas, afirmando a incompatibilidade entre a verdadeira fé e a violência, entre Deus e os actos de morte”, realçou o Papa.

Francisco voltou, então, a citar o Egipto como um exemplo nesta tarefa. “Das grandes nações, não se pode esperar pouco”, reforçou.

O Papa terminou o seu discurso dirigindo-se novamente aos cristãos do país, de todas as diferentes confissões. “Saúdo os filhos e os irmãos cristãos que vivem neste país: os coptas ortodoxos, os greco-bizantinos, os arménios ortodoxos, os protestantes e os católicos”, disse. “A vossa presença nesta pátria não é nova nem casual, mas histórica e inseparável da história do Egipto. Sois parte integrante deste país, tendo desenvolvido ao longo dos séculos uma espécie de relação única, uma simbiose particular, que pode ser tomada como exemplo por outras nações.”

Depois deste encontro com o Presidente do Egipto, Francisco tem encontro marcado com Tawadros II, o líder da Igreja Copta Ortodoxa, que representa a esmagadora maioria dos cristãos egípcios.

A Renascença acompanha toda a visita com transmissões ao vivo no site dos principais momentos públicos, comentário e reportagem em antena e análise dos principais eventos e discursos. A vaticanista Aura Miguel está também no Egipto.


A Renascença com o Papa Francisco no Egipto. Apoio: Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.