O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Deputado socialista contra tolerância de ponto na visita do Papa

26 abr, 2017 - 22:41

Tiago Barbosa Ribeiro fala num “erro especialmente disparatado” do Governo de António Costa e defende que o país precisa “de outra maturidade democrática”.
A+ / A-

O deputado socialista Tiago Barbosa Ribeiro critica a tolerância de ponto concedida pelo Governo aos funcionários públicos no dia 12 de Maio, durante a visita do Papa Francisco a Fátima.

“Causa-me enorme estranheza e estupefacção que o Governo da República Portuguesa se prepare para conceder tolerância de ponto a propósito da viagem do Papa a Fátima”, começa por referir o parlamentar numa mensagem publicada na rede social Facebook.

Tiago Barbosa Ribeiro desconhece as razões que serão invocadas para a tolerância, mas desde já antecipa “que sejam facilmente rebatíveis”.

“Não pode fundamentar-se na viagem de um chefe de Estado estrangeiro e ainda menos na viagem de um líder confessional. De outra forma, será legítimo invocar o mesmo princípio para membros de outras religiões e, sobretudo, para quem não tem qualquer religião e vive num Estado laico, tendo também direito a tolerâncias para participar nos espectáculos que entenda”, argumenta.

“Ou então, belíssima ideia, não dar estas tolerâncias. Necessitamos de outra maturidade democrática e esta atitude irá no sentido inverso”, adverte.

O deputado socialista considera que “não é muito comum encontrar erros” no actual Governo de António Costa e para “cuja maioria” trabalha “diariamente no Parlamento, mas aqui está um. E especialmente disparatado”, concluiu Tiago Barbosa Rodrigues.

O Governo vai conceder tolerância de ponto nos serviços públicos a 12 de Maio, dia em que o Papa Francisco chega a Portugal para o centenário das aparições de Fátima, disse hoje à agência Lusa fonte do executivo.

A mesma fonte adiantou que a tolerância de ponto será dentro em breve anunciada formalmente pelo Governo.

Francisco será o quarto Papa a visitar Fátima, a 12 e 13 de Maio, para canonizar os dois pastorinhos Jacinta e Francisco no centenário das aparições na Cova da Iria, em 1917.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Azedo
    06 mai, 2017 cascais 14:45
    O Tiago precisa de mais maturidade...de facto
  • maria
    28 abr, 2017 Macau 04:07
    Tenha contenção sr Tiago Ribeiro. Pontes sao sempre uma forma de proporcionar um pouco de descanso e convivência familiar. Ninguém é obrigado a seguir o que acontece em Fátima. Mas quem quiser pode estar mais focado neste momento especial e em que vai estar presente uma, senão a, grande figura mundial da actualidade no concerne à defesa da paz, da justiça e do amor. Que Deus dê saúde e coragem ao Papa Francisco. O mundo precisa muito dele.
  • Anibal Sevela
    27 abr, 2017 Lisboa 18:02
    Amigos da RR, só aceitam comentários pro-tolerância?
  • Aníbal Sevela
    27 abr, 2017 Lisboa 17:58
    Isabel, tens alguma coisa contra o chefe de estado da Guiné? Já agora, há que esclarecer, referes-te â Guiné Bissau ou à Guiné Conacri? É que uma coisa é uma coisa, e outra coisa é outra coisa...
  • Aníbal Sevela
    27 abr, 2017 Lisboa 17:47
    Gostava que me dissessem porque é que quando o Benfica é campeão não há tolerância de ponto. Afinal, sessenta e tal por cento da populaça é Benfiquista, certo?
  • Anibal Sevela
    27 abr, 2017 Lisboa 17:39
    Galvão: Porta voz... 😐
  • joao benfica
    27 abr, 2017 Venezuela 15:44
    por favor sr diputado nao demostre ignuraca humana por favor todo o nao crente nao tem humanidade que DEUS lhe perdoe e at odos os que pencao assim sinto pena consigo sr eiputado lamento eu nao saber escrever bem o portugues para lhe esplicar bem o que devia dizer ao sr. deputado desculpem isto e para entender nao ofender obrigado
  • Joaquim Galvao
    27 abr, 2017 lisboa 12:55
    Sempre me habituei a ver num Deputado um representante do Povo que o elege. Estranho por isso esta afirmação de alguém que eleito e sem questionar os seus eleitores faz uma afirmação muito pessoal e individual. Quantos Portugueses de credos diferentes ou mesmo sem credos quererão ver e ouvir o que Francisco vem dizer em Fátima a Portugal e ao mundo? Este senhor Deputado por isso deveria falar mais como porta vós de quem o elegeu e não individualmente. Laicismo e Religião estão bem definidos ma Constituição, mas fazem parte dos direitos, liberdades e garantias da vontade pessoal. Sugiro por isso que se respeite este valor Constitucional como prova de Estado de Direito e Democrático.
  • P/Rr
    27 abr, 2017 dequalquerlado 12:27
    Os meus comentários foram parar ao lixo, mas vejo aqui muitos comentários que o que dizem ou nada é a mesma coisa. Muita indignação contra os funcionários públicos: estes estão vivendo à grande, fazem vida de rico com 700 euros e não têm os salários congelados, e são estes que são os responsáveis por todas as injustiças e da precariedade do privado. Então o privado se não dá tolerância de ponto aos trabalhadores o governo é que tem culpa disto? E se os trabalhadores do privado não têm as condições que deveriam ter, os funcionários públicos é que têm culpa? Mas será que muitos destes que comentam aqui têm algum senso naquilo que dizem, ou muitas vezes comentam por comentar, só pela mania de comentar, mesmo que não saiba aquilo que diz? Já agora podem censurar mais este, RR
  • Júlio Costa
    27 abr, 2017 Cinfães 12:15
    Tão novo e com tantas teias de aranha... Julgo que a sociedade em geral gostou da tolerância de ponto.Ao contrário do que pensará, o povo português sabe distinguir se pretende ou não aderir a qualquer religião que julgue que comporte a verdade. Portanto, fanatismos anti-religiosos, dispensam-se, como também os religiosos.