O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

António Costa e o ataque em Paris: "Nada pode ser feito para que não volte a acontecer"

21 abr, 2017 - 21:22

Primeiro-ministro salienta que por cada atentado que acontece, dez são evitados.
A+ / A-

O primeiro-ministro considera que "nada pode ser feito" para que não volte a haver atentados terroristas na Europa, porque a "ameaça é permanente". António Costa salienta que, por cada "caso" que aconteceu, "dez não aconteceram".

"Nada pode ser feito para que não volte a acontecer. É uma ameaça que é permanente, que é geral e, portanto, voltará a acontecer seguramente. Temos que nos lembrar é que, por cada um caso que acontece, há dez que não aconteceram", afirmou António Costa, no Porto, quando questionado sobre o atentado terrorista em Paris, na quinta-feira, que provocou a morte de um polícia e ferimentos em outros dois.

O líder do Governo disse ainda esperar que aquele atentado não influencie as eleições presidências em França e salientou a importância de "prevenir a radicalização" como forma de combate ao terrorismo.

"É necessário prosseguir o trabalho de reforço de cooperação judicial, cooperação judiciária, dos serviços de informação, dotar os serviços de informação de instrumentos necessários a um combate eficaz ao terrorismo e termos uma acção muito determinada e focada em prevenir a radicalização porque esse é o trabalho essencial", disse.

Questionado sobre se o atentado de quinta-feira poderá ter influência no resultados da corrida presidencial em França, cuja primeira volta está marcada para domingo, António Costa disse esperar que não.

"E que aqueles que desejam por esta via influenciar resultados eleitorais sejam castigados", concluiu.

Na quinta-feira à noite, um homem disparou com uma arma automática contra um veículo da polícia na Avenida dos Campos Elísios, na capital francesa, matando um agente e ferindo outros dois.

O atacante, alegadamente um islâmico radicalizado, foi morto no local e o atentado foi reivindicado pelo grupo radical Estado Islâmico.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    22 abr, 2017 Cacém 09:51
    Nada? Então, porque é que na Tunísia fecharam 80 mesquitas? A Tunísia é um país muçulmano, ou também vai dizer que é governado pela extrema direita "populista"? Nunca se fez foi "Nada"! Nada!