O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

“Le Pen está a explorar o medo sem vergonha nenhuma”. Primeiro-ministro francês responde à direita

21 abr, 2017 - 14:34 • Rui Barros

O primeiro-ministro acusa Marine Le Pen e François Fillon de estarem a aproveitar o ataque para "marcar pontos" a dois dias das eleições.
A+ / A-

O primeiro-ministro francês, Bernard Cazeneuve, reagiu, esta quinta-feira às declarações de Le Pen e François Fillon aos atentados nos Campos Elísios, acusando os candidatos de explorar o tiroteio que matou um polícia para “marcar pontos políticos” e “dividir as pessoas”.

“Alguns candidatos, esta manhã, fizeram a escolha do exagero e da divisão”, disse o chefe do executivo socialista, em declarações aos jornalistas, acusando a candidata da Frente Nacional de estar a “explorar o medo sem vergonha nenhuma”.

“[Le Pen] parece ignorar que estabelecemos controlo das fronteiras. Desde Novembro, mais de 2 300 polícias estão mobilizados para as nossas fronteiras”, lembrou o primeiro-ministro.

Recordando o historial das declarações da candidata da extrema-direita após atentados, o primeiro-ministro é categórico: a candidata da Frente Nacional “procura sempre tirar vantagens e orquestrar divisões”.

“Nada, nenhum inquérito ou informação me permite ligar a imigração e os pedidos de asilo ao que se passou ontem”, fez questão de dizer Cazeneuve.

O passado de Fillon

Também François Fillon, o outro candidato da direita às presidenciais francesas, foi alvo das críticas do Cazeneuve.

O primeiro-ministro criticou os resultados de Fillon no que toca a segurança nacional, ainda quando era primeiro-ministro sob a presidência de Nicolas Sarkozy: “François Fillon recomenda a criação de 10 mil novos lugares nas forças de segurança. Como é possível, vindo do candidato que, quando era primeiro-ministro, desfez-se de 13 mil forças de segurança”.

Em terceiro lugar nas sondagens, Fillon tem apostado nos temas de segurança para conquistar o eleitorado. Esta manhã, reagindo ao ataque terrorista, o candidato do partido “Os Republicanos” reafirmou o seu compromisso com a segurança dos franceses e apontou para a necessidade de ter “determinação” e “cabeça fria” para eliminar o extremismo islâmico.

Um ataque a três dias das eleições francesas. Como reagiram os candidatos?
Um ataque a três dias das eleições francesas. Como reagiram os candidatos?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos
    22 abr, 2017 Odivlas 00:50
    Acedito que este "feitiço" como chamam Le Pen, ou mãe, o que é ridículo, vai se mostrar ineficiente. Não resolve nada fechar um país ao que já se encontra dentro dele. A França e os franceseses, se acharem que a solução aos seus problemas se passam exclusivamente pelo Euro e aos emigrantes, vai acordar tarde desta ilusão. A realidade é que não fazem a "lição de casa" e jogam a culpa aonde ela não reside. Um bloco forte é muito mais resistente do que unidades dispersas. Vamos então ter que recorrer ao passado para vermos que o futuro vai ser mais duro.
  • Vasco
    21 abr, 2017 Santarém 23:52
    O senhor Cazeneuve está a ficar completamente desesperado como devem estar todos os membros do seu partido onde se adivinha uma derrota estrondosa e nem percebeu ainda de que os franceses estão fartos de mais do mesmo há muitos anos e que ele e o seus camaradas têm servido aos franceses além de outos, portanto está na hora de mudar ou de ficar tudo na mesma e os problemas estão identificados só não vê quem se recusa a não querer ver, caso deste senhor. Quanto ao controlo das fronteiras será que a França já desistiu dos acordos de Schengen? Claro que não! Simplesmente fazem agora um controlo provisório mais cerrado porque os terroristas a isso obrigaram, portanto seja sério e deixe-se de vigarices.
  • Manuel Sá
    21 abr, 2017 Porto 18:02
    Diz qui a comentarista d. Maria que "a sra le pen encomendou umas mortes para enganar....- Penso que não, MAS lá lata para fazer isso, lá ela tinha, ou não fosse da extrema (neste caso) Direita.
  • Pois é!
    21 abr, 2017 dequalquerlado 17:24
    Isto é um grande disparate e demonstra que estão mais preocupados com as eleições do que com as mortes de pessoas inocente e com os terroristas. A falta de vergonha desta gente é uma coisa impressionante. Então os 14 atentados feitos em frança desde de 2015 e que ceifou a vida a mais de 200 pessoas, foi para a le pen se aproveitar também nas eleições. Ah deixa ver, ela é que deu ordens ao terrorista para fazer o atentado, para depois ganhar as eleições. e era preciso este atentado, então e os outros todos, estão os franceses com amnésia e esquecidos dos outros atentados e não têm olhos na cara para ver a quantidade dos muçulmanos que fazem da frança quase um país da sharia? Tenham mais respeito pelas vitimas e preocupem-se com o terrorismo, porque pelos vistos já é uma coisa normal, a conversa é sempre a mesma, não vamos ter medo e vamos lutar contra o terrorismo, se for como foi até aqui com 14 atentados e mais de 200 pessoas que perderam a vida, está tudo dito. Lutar contra o terrorismo? Depois que muçulmanos já estão sinalizados pela policia e mesmo assim ainda os deixem à solta? É isto uma forma de lutar contra o terrorismo. Esta europa está cheia de gente medíocre e incompetente nos pelouros e são eles os responsáveis por toda esta matança, ao permitiram a entrada desta escumalha
  • Tirem-me deste filme
    21 abr, 2017 lx 17:01
    Pois, Sr. Ministro Cazeneuve, a culpa é dos que hão-de vir...! Não diga o sr. ministro que é socialista e membro do governo do sr. Hollande... Pode ficar mal visto e atribuírem-lhe as culpas do terrorismo en France...
  • vitorino
    21 abr, 2017 horta 16:32
    ora bem !!!entao se este terrorista assim como os outros todos ;segundo se lê ja todos estavam referenciados ;este ultimo ate ja tinha sido inquirido e depois teve liberdade pra fazer este atentado ; isto nao e democracia e uma rebaldaria :::pois eu digo :Marine ganha-me estas eleiçoes : porque ate o atual presidente é um grande deixa andar ;;
  • maria
    21 abr, 2017 Lx 16:25
    A srª le pen "encomendou" umas mortes no Arco do Triunfo, para enganar eleitores.
  • tuga
    21 abr, 2017 lisboa 15:49
    A politicada que desgoverna a europa a que além de incompetente é irresponsável porque está a expor os povos ao terrorismo.!! depois vêm com a fantochada das homenagens e com frases destas completamente idiotas e estupidas.
  • JR
    21 abr, 2017 LIsboa, Puto 15:49
    Só falta os comunas dizerem que os atentados foram feitos pela extrema direita.