O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Marine Le Pen quer fecho de mesquitas radicais e expulsão de estrangeiros sinalizados

21 abr, 2017 - 09:23

Ataque em Paris leva a candidata de extrema-direita a pedir também o restabelecimento das fronteiras do país.
A+ / A-
Marine Le Pen. A filha vai cumprir o sonho radical do pai?

Marine Le Pen exige a expulsão de todos os cidadãos estrangeiros, que estejam sinalizados pelas autoridades, e o encerramento das mesquitas. As exigências foram feitas, esta manhã, pela candidata da Frente Nacional às presidenciais de domingo.

"Os pregadores de ódio devem ser expulsos, as mesquitas radicais fechadas e a laicidade dever ser objecto de uma aplicação estrita, de acordo com os nossos princípios republicanos, que se opõem às incessantes provocações islamitas", disse a líder da Frente Nacional numa declaração ao país, após o tiroteio mortal na quinta-feira à noite, nos Campos Elísios.

A candidata de extrema-direita quer ainda o restabelecimento imediato das fronteiras francesas e pede a abertura de um inquérito com vista à dissolução das estruturas associativas ou culturais, que promovam ou financiem o fundamentalismo.

“Precisamos de uma presidência activa e que proteja os cidadãos. Como o país está em estado de guerra, a resposta deve ser global e total. Nestas circunstâncias peço a todos os franceses - seja qual forem as suas opiniões, convicções ou origens – que estejam unidos”, apelou.

Na sua intervenção disse todo território está sob ameaça que os “polícias são atacados, porque são um símbolo do Estado”.

O autodenominado Estado Islâmico reivindicou, quinta-feira à noite, o tiroteio nos Campos Elísios, em Paris, em que morreu um agente policial e o autor dos disparos, enquanto dois polícias ficaram gravemente feridos.

Um segundo suspeito entregou-se à polícia em Antuérpia (Bélgica).

Polícias não correm risco de vida

“Os dois polícias estão fora de perigo”, explicou o porta-voz da polícia Nacional, numa entrevista ao canal de televisão BFMTV, indicando que na noite de quinta-feira tiveram receio por um deles, o que ficou ferido com mais gravidade.

Jérôme Bonet disse ainda que “todos estão tristes” pela morte do agente, mas “ao mesmo tempo a determinação é total” para enfrentar a ameaça terrorista.

Sobre o autor do atentado, de nacionalidade francesa e 39 anos, Bonet disse apenas que tinha antecedentes criminais graves.

O governo francês decidiu reforçar a segurança com mais 50 mil agentes nas ruas. A medida foi anunciada pelo primeiro-ministro à saída da reunião do Conselho de Defesa Nacional, realizada na manhã desta sexta-feira.

O ataque acontece a três dias de França ir às urnas, na primeira volta das eleições presidenciais com onze candidatos: Marine Le Pen, Emmanuel Macron, Jean-Luc Mélenchon, François Fillon, Benoît Hamon, Nathalie Arthaud, Philippe Poutou, François Asselineau, Nicolas Dupont-Aignan, Jacques Cheminade e Jean Lassalle.

O tiroteio ocorre apenas dois dias depois de a polícia deter dois homens em Marselha, no sul de França, suspeitos de preparar um ataque terrorista em vésperas de eleições.

Desde 2015, os ataques jihadistas em França causaram já 238 mortes.

[Notícia corrigida às 11h30. Marine Le Pen propôs o fecho das mesquitas radicais]


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Teresa
    22 abr, 2017 Lisboa 10:12
    Basta de cinismo e cobardia da sociedade.Os media, os políticos e os cidadãos (formatados por estes), precisam de recuperar a sensatez e a clareza.Vivemos numa democracia com valores de liberdade adquiridos. Como é que permitimos que os islâmicos imponham a sua cultura, religião a sua ideologia anti democrática e o terrorismo e passivamente aceitamos como um mal necessário!!! Onde estão os nossos direitos? Quem pugna pela nossa liberdade e segurança?Vejamos os nossos primeiros líderes: Presidente da República e Primeiro Ministro. Vêm lamentar as mortes, abraçam os cidadãos das minorias e vivamos como irmãos! Este discurso politicamente correto já não pega. Não fechemos os olhos e finjamos que não há um grande problema para resolver. Tenham a coragem e ganhem vergonha. Há que agir. Cidadãos que não cumpram as regras democráticas, não têm lugar nas sociedades livres e abertas.Querem viver na Europa, então respeitem e sejam como os europeus. Políticos,parem com este discurso de tolerância que está a deixar o mundo de pernas para o ar!O discurso "de dar a outra face só assenta bem ao Papa". Políticos deixem-se de falsas moralidades e de conversa para entreter parvos. Acção senhores, que bem vos pagamos para isso, porque ainda não se reformaram (embora pareçam quando estão no parlamento e mesmo reformados continuam igualmente bem remunerados por mim e outros como eu). Blá, blá, blá = Demagogia; Política= Acção.
  • Assunção Palma
    22 abr, 2017 Belas 03:27
    Como diz o filósofo Olavo de Carvalho e com razão, a lei da sharia manda os muçulmanos que saem dos países deles para outros países não muçulmanos a derrubarem os governos que governam esses países para mandarem eles, como têm feito na Suécia, França, Reino Unido, Brasil, etc...etc... Mas isto as tv´s não mostram, pelo contrário até escondem.
  • Iluminati
    21 abr, 2017 Porto 17:49
    Está Sra. é a única pessoa que pode resolver os problemas que que os extremistas islâmicos estão a provocar.
  • Henrique
    21 abr, 2017 Lisboa 17:38
    Falta de respeito pelos outros é o que fazem os terroristas! Cerceiam os direitos dos ocidentais.Um muçulmano não é um terrorista, mas os terroristas são por norma muçulmanos!!! Algo estará errado. Porquê que eu que sou europeu, tenho que me vergar a todos os costumes e tradições muçulmanas estando na Europa?Se eu for aos seus países tenho que respeitar as suas tradições (de acordo). Mas onde está a democracia, se eu no meu país nem posso dar uma opinião, porque sou logo tratado como xenófobo e os outros (as minorias) podem manifestar-se contra os ocidentais, ofender-nos, ridicularizar-nos, atacando os nossos costumes e a nossa liberdade.(Vejam-se a título de exemplo imagens no Reino Unido onde os muçulmanos em manifestações com cartazes e slogans, ofendem os próprios que os acolhem a si e às suas extensas famílias!!!)Democracia? Direitos? FORÇA LE PEN!
  • Paulo
    21 abr, 2017 Olhão 17:38
    Se existem mesquitas conhecidas por difundir o islamismo radical e há estrangeiros sinalizados como simpatizantes do mesmo radicalismo não entendo MESMO porque AINDA não foi feito. A aceitação das diferenças culturais tem limites, se não tem deveria ter. A esquerda, na qual voto, enche-se de urticária só de ouvir falar em Opus Dei mas quando se trata do islão enche-se de compreensão. Eu também concordo que ninguém deva ser condenado por razões que não controla como seja o grupo religioso no qual nasceu mas nem tanto ao mar nem tanto à terra,
  • Toninho Marreco
    21 abr, 2017 Ponte do Lima - Província 17:06
    A Le pen bem pode desistir . É uma luta inglória . A França já não tem concerto possível . Mas isso já não é só de agora . Esta situação foi-se construindo ao logo de muito anos . Agora já É MUITO TARDE para tentar salvar seja o que for . A FRANÇA morreu . E a Europa vai toda atrás .
  • deixa p'ra lá
    21 abr, 2017 12:28
    Devagar, devagarinho, os media começam a ter de considerar a vitória desta senhora que tanto detestam. Aconteceu recentemente com Trump e esses mesmos media ainda não pararam de se contradizer nas críticas que lhes fazem... Não percebo porque razão batalham contra quem nos defende -a nós ocidentais, democratas e trabalhadores que construíram esta civilização em que vivemos- e continuam a aceitar e fazer propaganda dos ataques terroristas de povos que nos querem derrubar...! Só posso acreditar que são os media os "cavalos de Troia" que temos no nosso seio! Até quando???
  • Zé das Coves
    21 abr, 2017 Alverca 12:17
    A maioria nasceu em França, Reino Unido, Alemanha, EUA , Ignorância , Ignorância, Ignorância, o que acontece a muitos anos, são negócios, muitos interesses instalados que ninguém quer perder ! como é possível a França ou qualquer outro país do Ocidente, estar na mesa a negociar um processo de paz e ao mesmo tempo estar a vender armas para essa guerra !!!
  • Manuel Costa
    21 abr, 2017 Braga 12:17
    Completamente de acordo!!!
  • rosinda
    21 abr, 2017 palmela 12:14
    Ataques nas vesperas significa que nao lhes interessa um lider forte! Preferem um mole !