O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Paris. ​O que sabemos sobre o tiroteio nos Campos Elísios

20 abr, 2017 - 22:04

Um atacante abriu fogo no coração de Paris. Um polícia morreu e dois ficaram gravemente feridos.
A+ / A-

Veja também:


A França voltou esta quinta-feira a ficar em sobressalto com um tiroteio mortal nos Campos Elísios, uma das zonas mais emblemáticas da cidade de Paris, a três dias das eleições presidenciais.

Um polícia morreu e outros dois agentes ficaram feridos com gravidade, avança o Ministério do Interior.

Os terroristas do autoproclamado Estado Islâmico reivindicaram o ataque numa mensagem publicada no site de propaganda jihadista Amaq.

A reivindicação foi conhecida minutos depois de uma declaração ao país do Presidente francês. François Hollande disse que as investigações iniciais apontam para uma acção terrorista e convocou uma reunião do conselho de segurança para sexta-feira.

Polícia francesa faz buscas em casa de suspeito abatido. Homem já tinha estado detido

Hollande garante que haverá "vigilância absoluta" nos dias que faltam até à primeira volta das eleições que vão escolher o próximo Presidente do país.

Na sexta-feira, o governo decidiu reforçar a segurança nas ruas, com 50 mil agentes e militares.

O ataque nos Campos Elísios terá sido levado por um atacante que saiu de uma viatura, dirigiu-se a uma carrinha da polícia e abriu fogo com com uma metralhadora kalashnikov.

Este homem foi abatido pelas autoridades.

A seguir ao ataque, os Campos Elísios foram encerrados pelas forças de segurança e o aparato policial nas ruas de Paris era enorme.

Alegadamente, foi registada uma segunda troca de tiros ainda na zona dos Campos Elísios.

A polícia francesa realizou buscas em casa do atirador abatido. Já na sexta-feira, fonte oficial revelou que foram detidos três familiares do homem.

Testemunhas no local do tiroteio aludiram à existência de um segundo atacante que terá fugido para um parque de estacionamento. Na sexta-feira de manhã, as autoridades francesas e belga procuravam o segundo suspeito que depois entregou-se à polícia, em Antuérpia (Bélgica).

O tiroteio aconteceu três dias antes das eleições presidenciais em França, que estão agendadas para domingo, dia 23. Os candidatos Marine le Pen e François Fillon já anunciaram o cancelamento das acções de campanha previstas para sábado.

Na sexta-feira de manhã, numa declaração ao país, Marine Le Pen pediu o fecho das mesquitas e a expulsão dos estrangeiros sinalizados pelos serviços de segurança.

[notícia actualizada às 11h26 de sexta-feira]

Tiroteio. Um polícia morreu e dois em estado grave em Paris
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • VIRIATO
    21 abr, 2017 CONDADO PORTUCALENSE 22:21
    Tony Leonel Costa estou enternecido com tanta imaginação que vossa excelência emana desse cérebrozinho. Estes comentários a chamar tudo o que te vem à marmita com o beneplácito da rádio renascença que não censura mas aplaude. Milhentos comentários das verdades inconvenientes como os que eu faço vão morrer na censura. Eu não posso falar em sarracenos e na turma do lgbt, que aparece a protectora a negar os posts dos meus comentários. Mas enfim tudo faz parte da democracia....de alguns. Quanto ao resto o comentário do Toninho Costa podia ser para nos pôr bem dispostos, não fosse esse comentário próprio de um verdadeiro aspirante a sarraceno para nos fazer pensar que esta esquerdalha o que queria mesmo era uma ditadura...não a do Sr. Dr. Prof. António de Oliveira Salazar, mas a da coreia do norte ou venezuela, inspirada nesses grandes gurus da democracia...de alguns, como o Nicolas Maduro ou um tal Kim jong-un. Com a construção maquiavélica desse ilustre cidadão Toninho Leonel Costa ficamos a saber que a pouca vergonha não tem limites. Ouvi falar que existem consultas na área da psiquiatria que resolvem essas disfunções...não percas a esperança.
  • António Leonel Costa
    21 abr, 2017 Belas 19:17
    Quanto é que a Direita fascista e criminosa pagou a este atacante dos campos elisios para depois fazer esta fantochada? São os criminosos da Direita que contratam os ditos radicais muçulmanos para depois armarem-se em grandes defensores do Povo mas.vejam bem, tentando tirar-lhes liberdades e garantias, dizendo que é para sua defesa. São uns néscios uns bandidos e criminosos esta Direita populista pelo que é preciso dizer-lhes NÃO!!!! Foram eles que roubaram e armaram os seus exércitos contra o Povo Muçulmano para os roubar e depois armam-se em vitimas do mal que fizeram. Não me consta que nenhum Árabe tivesse armado aviões e barcos para vir atacar a Europa para nos expoliar dos recursos europeus- É exactamente o contrário e depois dos roubarem e matarem, o que mais querem? Que eles vejam as suas famílias serem dizimados pelas bombas, os seus bens roubados e darem a face como Cristo? Ou agarrarem numa arma, que os mesmos lhe pagam, e matarem os seus inimigos? Chamam-lhes radicais e o que os ocidentais são? Ladrões e assassinos. Ah! mas o Povo Europeu não tem a culpa. Ai não? quem votou nessas pessoas que fazem a guerra em vez da Paz, que manda a aviação bombardear esses Países? Somos todos nós e agora pagamos alguns por esse erro. Não votem em belicistas!!!!
  • Só mesmo de parvo!
    21 abr, 2017 Ozédascouvesedaslagartas 14:55
    Oh zé das coves o grande problema aqui nem é as armas, são muçulmanos que matam com armas e sem armas, então não é eles que atacam com camiões? Não são eles muitas vezes que fabricam os seus próprios explosivos? Quem faz a guerra são os muçulmanos, os jhiadistas, são eles os responsáveis pelos milhares que fogem dos seus países e são estes é que fogem com o rabo entre as pernas, em vez de defender os seus países, e ainda vêm infestar a europa e quererem impor a sharia e fazer mesquitas, quando nos seus países perseguem cristãos e destroem igrejas, são eles que metem as bombas por todo o lado e até matam o seu próprio povo e matam milhares, são eles é que cortam as cabeças em praça pública. Esta de estar sempre a ver os outros como culpados e os jhiadistas que matam como tivessem razão, só mesmo de quem não tem um pingo de senso, são os mesmos que dizem que os funcionários públicos é que são os culpados de todos os males deste país, como as torres gemeas quem mandou as destruir foi o presidente americano.Já sei que vais falar do bush e na invasão, sim foi um erro, mas a verdade é que sadam usou químicos e matou milhares de curdos, ou não ouviste falar o "ali o quimico por volta de 2000" E apesar de os países fornecerem armas eles é que peguem nelas e matam como querem, não são os outros países que têm culpa. Quem é que tem culpa destas raças terem um fanatismo estúpido? Os governos europeus têm culpa sim, mas é de permitir a entrada destes ratos nojentos
  • Zé das Coves
    21 abr, 2017 Alverca 09:41
    Fico muito triste com algumas mentalidades de galinha, fechamos fronteiras, mas continuamos a vender-lhes armas, fechamos as fronteiras, mas continuamos a comprar-lhe o petróleo, fechamos as fronteiras , mas continuamos a ir aos países dos outros fazer guerra e depois metemos o rabinho entre as pernas e vimo-nos embora, como fez os EUA na semana passada no Afeganistão !!!
  • José Jardim
    21 abr, 2017 Madeira 08:50
    Enquanto os franceses não tirarem as patas da Síria,equipando,armando e pagando a terroristas "corta cabeças" a quem insistem chamar "oposição moderada" jamais acabará o terrorismo urbano jihadista e muitas mortes haverá no futuro.Pena não ser o "xuxa" petit hollande o sacrificado.
  • Zé Povinho
    21 abr, 2017 Lisboa 08:13
    Trump, tem razão; Brexit, faz sentido; Marie Le Pen, tem razão; ...Mas afinal, quando é que abrem os olhos e percebem que na conjuntura atual do espaço Schengen, já não faz sentido as fronteiras abertas? Com fronteiras fechadas, estes terroristas ficam sitiados e fica mais fácil serem capturados!