O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Sarampo. Jovem que morreu não foi vacinada devido a problemas de saúde, diz amigo da família

19 abr, 2017 - 12:14 • Filipe d'Avillez

Problemas de saúde impossibilitaram a toma da segunda dose da vacina, diz fonte próxima da família ouvida pela Renascença. A família não era antivacinas, garante.
A+ / A-

Veja também:


A jovem de 17 anos que morreu esta quarta-feira, no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, onde foi internada com sarampo, não estava imunizada contra o vírus porque, devido a problemas de saúde, não conseguiu tomar a segunda dose da vacina, diz um amigo próximo da vítima, que recebeu autorização da família desta para falar com a Renascença.

"Apesar de não ter tido a segunda dose da vacina, tinha a primeira. Mas teve uma reacção grave depois de tomar a primeira e por precaução, e com medo de uma possível reacção mais grave, não foi tomada essa segunda dose", disse à Renascença o amigo da vítima, que pediu para não ser identificado.

A vítima tinha um “historial vasto de problemas de saúde, desde criança”, explica. Os tratamentos por esses problemas afectaram o seu sistema imunitário o que, segundo o amigo, terá estado na origem da reacção adversa à vacina.

O "Expresso" avançou que a jovem não tinha sido vacinado por opção familiar. Segundo o jornal, a mãe da jovem é antivacinas.

O amigo próximo da família nega esta tese, argumentando que as irmãs da rapariga de 17 anos que morreu de sarampo são vacinadas. Tanto a mais velha como a mais nova receberam as vacinas, incluindo de sarampo.

A ideia de que os pais da rapariga eram adeptos da homeopatia e por isso não tomavam nem deixavam tomar medicamentos comuns é também desmentida pelo jovem. “Ela tomava vários comprimidos, a maior parte era para acalmar as febres e os vómitos. Devido ao tal historial de doenças, ela não podia tomar todos os comprimidos que normalmente uma jovem pode.”

Este jovem com quem a Renascença falou não sabe dizer se a escola levantou algum problema quanto à apresentação do boletim de vacinas, obrigatório para quem frequenta a escola pública, mas garante que os professores conheciam o seu historial de saúde.

Os pais, garante o jovem, estão tristes com as notícias que indicam que não vacinaram a filha por serem contra as vacinas. “Sei que estão a par dessas notícias. Já esperavam que se dissesse que eram contra a vacinação, mas, devido ao momento que estão a passar, neste momento não é prioridade deles limparem o seu nome neste caso”, explica.

A rapariga de 17 anos estava internada no hospital de Cascais quando contraiu sarampo. Foi, entretanto, transportada para o Hospital Dona Estefânia, mas morreu esta quarta-feira de manhã.

O que precisa de saber sobre o sarampo
Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • rosinda
    21 abr, 2017 palmela 20:59
    senhor heitor!parece que quem esta a precisar de vacina sao os hospitais sao eles que pegam as doenças as pessoas!
  • 21 abr, 2017 12:01
    Uma vergonha o que fizeram ao bom nome desta familia. Afinal os psicopatas e fundamentalistas parecem estar em maior numero no lado dos Pró Vacinação. é só ler os comentários agressivos que andam por aí ... ignorancia!!
  • Ana
    19 abr, 2017 Algarve 16:31
    Se já estava internada no hospital de Cascais quando contraiu sarampo ainda é mais grave!!!!!! O hospital deve ser responsabilizado! Não tomou as devidas precauções!!! Como é que a jovem contraiu a doença, dentro do hospital? Ninguém apura responsabilidades? Nem o Ministério da Saúde? se contraiu o sarampo DENTRO do hospital, ONDE JÁ SE ENCONTRAVA INTERNADA é porque as medidas de precaução para a propagação de doenças contagiosas não é o melhor. Ou nem existe!!!!!!
  • Excluir dos amigos
    19 abr, 2017 Lisboa 16:06
    Esta já foi! E os pais dos não vacinados riem-se dos outros ? Ou vão ser severamente castigados? E os não vacinados, não são excluídos dos grupos de amigos? E da sociedade?
  • António Lapa
    19 abr, 2017 AMADORA 12:32
    É necessário que vozes autorizadas venham a público falar das virtudes das vacinas. Nunca é de mais informar sobre o tema que tem sido, nos últimos tempos, alvo de contra informação.
  • rosinda
    19 abr, 2017 palmela 12:29
    Afinal uma vacina e uma substancia que entra para o corpo ! Estria esta jovem preparada para receber a primeira dose de vacina?