O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Equipa da Gulbenkian descobre mecanismo para combater bactérias multirresistentes

18 abr, 2017 - 20:30

Investigadores identificaram um “mecanismo de evolução das bactérias”, que poderá ajudar na descoberta de novos antibióticos ou estratégias alternativas contra as bactérias multirresistentes.
A+ / A-

Uma equipa do Instituto Gulbenkian de Ciência descobriu uma nova forma terapêutica contra as bactérias multirresistentes. A Renascença falou com a responsável pelo estudo publicado, esta terça-feira, na revista PLOS Biology.

As bactérias evoluem, tornam-se resistentes a fármacos e vão apresentando mutações. Este é considerado, actualmente, um dos principais desafios no campo da saúde.

Agora, a equipa liderada por Isabel Gordo identificou um “mecanismo de evolução das bactérias”, que poderá ajudar na descoberta de novos antibióticos ou estratégias alternativas contra as bactérias multirresistentes.

“Estávamos a estudar uma bactéria que tem duas resistências e descobrimos um mecanismo em que as bactérias evoluem, adquirem mudanças num determinado gene que faz o acoplamento entre os dois genes que contêm as resistências”, explica a bióloga.

“Se pensássemos na bactéria como se fosse um carro e se esse carro tiver uma pequena alteração no seu motor, que é conferir à bactéria resistência a um determinado antibiótico, e se tiver uma outra alteração por exemplo no acelerador, que confere resistência a um outro antibiótico, o que nós descobrimos foi um terceiro gene que liga o motor ao acelerador. Neste caso a metáfora seria a embraiagem, e esse gene é o que elas vão mudar para compensar os defeitos que têm no motor e no acelerador. A consequência disto é que nós conseguimos antecipar o que a bactéria vai fazer e agora podemos atacar esse outro processo.”

Descobriu-se que o ritmo de adaptação compensatória das bactérias E.coli (responsáveis por exemplo pelas intoxicações alimentares) multirresistentes é mais rápido do que nas estirpes que têm apenas uma mutação, e foram identificadas as proteínas chave envolvidas no mecanismo compensatório das bactérias multirresistentes.

A equipa de investigação prevê que o mecanismo agora descoberto possa ser usado de forma geral em muitos outros casos de multirresistências a fármacos, uma vez que os antibióticos afectam os mesmos mecanismos celulares.

A descoberta abre um mundo de possibilidades. O “conceito novo” passa por, conhecendo a maneira como as bactérias se comportam, “atacar o processo” de evolução e impedir que se tornem resistentes aos fármacos, sublinha Isabel Gordo.

O processo até à criação de um antibiótico “ainda pode ser longo”. “Descobrimos uma coisa e agora temos que arranjar uma droga que entre para dentro das células da bactéria”, refere a investigadora do Instituto Gulbenkian de Ciência.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Manuela Nunes
    19 abr, 2017 Queluz 10:34
    De notícias boas como esta é que nós precisamos. Este mundo está a ficar demasiado sombrio. Como se compreende que se morra de sarampo, num país onde tinha sido erradicado há anos?