O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-
Brexit

Nicola vs Theresa. A Escócia quer ficar, custe o que custar à Inglaterra

18 abr, 2017 - 17:20 • Sérgio Costa , Matilde Torres Pereira

Líder escocesa acusa os conservadores de, com eleições antecipadas, estarem a ver uma oportunidade de “posicionar o Reino Unido à direita”, “forçar um Brexit duro” e “impor cortes mais profundos".
A+ / A-

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, acusa a chefe do Governo britânico, Theresa May, de querer impor uma saída difícil da UE – “hard Brexit” - ao anunciar a realização de eleições legislativas antecipadas no Reino Unido para 8 de Junho.

A discussão no Reino Unido tem-se gerado em torno dos conceitos de “hard Brexit” versus “soft Brexit#, o que essencialmente significa debater uma saída mais rígida da União Europeia ao invés de uma saída mais “suave”.

May diz que a ideia é garantir a estabilidade necessária para o processo negocial do Brexit, sustentando que as divisões em Westminster estão a ameaçar o sucesso da saída do país da União Europeia.

Na reacção, a primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon acusa Theresa May de pensar apenas no interesse do partido conservador. "Vêem uma oportunidade posicionar o Reino Unido à direita, forçar um Brexit duro e impor cortes mais profundos", disse a primeira-ministra escocesa.

Num comunicado divulgado esta terça-feira, Sturgeon apontou que o anúncio de eleições antecipadas representa a alteração política "mais extraordinária" na "história recente" do país, acusando May de colocar os interesses do seu partido à frente dos interesses do país.

"Está a apostar que os conservadores vão ganhar com uma grande maioria na Inglaterra, tendo em conta a confusão absoluta em que está o Partido Trabalhista", acrescentou.

"Isto torna mais importante a protecção da Escócia de um partido conservador que vê agora a oportunidade de controlar o governo durante muitos anos e de colocar o Reino Unido mais à direita", reforçou.

Nas últimas semanas, Nicola Sturgeon iniciou os procedimentos legais para convocar um segundo referendo sobre a independência da Escócia, por considerar que a região votou a favor da permanência britânica na União Europeia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • P/Paulino C. /RR.
    20 abr, 2017 do rqtp 16:49
    pois, pois, este o de hoje publicaste, mas o comentário de ontem, na qual critico a primeira ministra da escócia, por não respeitar a vontade daqueles que votaram em democracia, pela saída da u.e, este não publicaste. Parece que te incomoda o facto de criticar esta u.europeia, que tanto tem contribuído para que muitos portugueses estejam hoje na miséria e tanto tem contribuído pelas centenas ou milhares de mortos, pelo acolhimento de terroristas islâmicos, tudo por culpa dos lideres desta europa. Isto não é racismo, é ver a triste realidade. O que é feito do comentário? Ou será que o que disse tem alguma mentira?
  • P/RR
    20 abr, 2017 paulino da treta 14:45
    O meu comentário, que foi feito ontem, foi parar ao lixo mais uma vez, sempre quando é o mesmo de serviço e sempre que se critique a u.e. Pena que não estejas do lado do cadeira de rodas. podes ficar sabendo que todas as vezes que não publiques os meus comentários, haverá outro a te denunciar.