O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Sarampo. “Não posso admitir que haja opção de não vacinar”, diz médico

18 abr, 2017 - 09:53

Portugal tem 21 casos confirmados da doença, mas há mais em avaliação. Autoridades insistem: “As pessoas têm todas que ser vacinadas". Contágio “é facílimo”.
A+ / A-

Veja também:


O presidente da Associação de Medicina Geral e Familiar diz-se chocado com a recusa de alguns pais em vacinar os filhos, pondo em causa toda a comunidade.

“É preocupante e não posso admitir que possa haver opção de não vacinar em relação ao sarampo”, afirma Rui Nogueira na Renascença.

“Não só põe em causa a vida das crianças – e estamos a falar em crianças que ficam indefesas por uma doença muito grave – mas também a comunidade. Esta doença facilmente se transmite à comunidade e, portanto, é uma irresponsabilidade muito grande não vacinar as crianças”, realça.

Portugal vive uma epidemia de sarampo, doença que já estava erradicada no país e que agora afecta mais de duas dezenas de pessoas. Há mais cinco casos em investigação.

“A vacinação para estas doenças deve ser obrigatória. Choca-nos quando se ouve dizer que há pais que não querem vacinar os filhos. A dúvida põe-se em relação a outras, mas em relação ao sarampo é inequívoca a nossa aprendizagem sobre a doença e sobre a vacinação, ao longo dos últimos anos”, frisa Rui Nogueira.

Já na segunda-feira, o director-geral da Saúde, Francisco George, tinha sido peremptório sobre o assunto: “As pessoas têm todas que ser vacinadas. Não há liberdade individual que possa justificar a ausência de vacina das crianças”.

Na opinião do pediatra Mário Cordeiro, os pais que optam por não vacinar os filhos deveriam ser responsabilizados. O médico considera mesmo que tal decisão se deve a uma “memória demasiado curta e arrogância demasiado grande”.

Como agir em caso de suspeita?

Se pensa que poderá ter sarampo, a opção mais segura é ligar para a Linha Saúde 24, diz o presidente da Associação de Medicina Geral e Familiar.

Face à facilidade com que se propaga a doença e as urgências hospitalares estarem, por norma, cheias de gente será “mais prudente, em caso de dúvida, contactar os serviços para serem encaminhados e quando chegassem nós termos as devidas precauções, enquanto não esclarecêssemos a dúvida”.

Rui Nogueira avisa ainda que a fase de contágio começa antes da erupção cutânea (as conhecidas pintinhas vermelhas no corpo). E “é facílimo: através do contacto directo, próximo, por via aérea”.

“É o contacto social que transmite a doença”. A doença “tem uma erupção cutânea muito típica, facilmente reconhecível, e depois tem o rebate geral de febre e mal-estar. A erupção cutânea é, de facto, o sinal de alarme”, refere ainda o médico de medicina interna.

O surto de sarampo que chegou a Portugal veio abrir a discussão sobre a legitimidade dos pais para se oporem à vacinação dos filhos. Vários especialistas têm defendido penalizações para quem o faça.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Andreia
    19 abr, 2017 11:17
    A vacinação até aos 18 anos deveria ser obrigatória. Não se pode compactuar com os grupos de não vacinação que colocam em causa a saúde de seres indefesos e da comunidade, em geral. Se são contra a vacinação sejam quais forem os motivos essa opção só devia estar disponível para os próprios! Se posteriormente apanharem alguma epidemia devido à não vacinação e falecerem, problema deles. Agora o falecimento desta jovem devido a não vacinação devia ser caso de processo judicial, sinceramente!
  • Carlos
    19 abr, 2017 Porto 10:24
    A adolescente que morreu também não era vacinada!
  • Fernando
    19 abr, 2017 Braga 10:13
    Mas quem são estes pais que recusam as vacinas?
  • JoaoSemana
    19 abr, 2017 porto 10:09
    D..Teresa. O Boletim de vacinas é obrigatório e é pedido. O que se passa é que num pais de mentecaptos não adianta pedir porque se não estiver em dia a matricula não pode ser negada.. Pensemos todos nisso
  • Prof. Martelo
    19 abr, 2017 Portugal 09:49
    Teresa é preciso apresentar o boletim de vacinas em dia nas escolas públicas, nas privadas desde que se pague a mensalidade, está tudo bem. Depois, virou moda chique não se vacinar os filhos e pronto Cascais zona chique seis novos casos de sarampo no hospital de Cascais. O resto está explicado nas entrelinhas...
  • rosinda
    18 abr, 2017 palmela 12:29
    E quando os pediatras fazem asneiras os pais tambem deviam pedir responsabilidades ao pediatra !
  • LDiogo
    18 abr, 2017 Aveiro 12:02
    Optaram por não vacinar, agora optem por pagar a conta.....são responsáveis por um problema de saúde pública
  • Teresa
    18 abr, 2017 lisboa 11:16
    Ainda há bem pouco tempo para fazer as matriculas na escola primaria, secundária etc. era preciso apresentar o boletim de vacinas em dia. Por que é que este controlo tão simples e eficaz deixou de ser feito?