O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

​Lisboa. Uma Via Sacra "diferente" na Baixa-Chiado

13 abr, 2017 - 11:49 • Elsa Araújo Rodrigues

Via sacra do movimento Comunhão e Libertação e das paróquias da Baixa-Chiado junta 2 mil pessoas.
A+ / A-

"Arriscar perceber os mistérios da paixão de Cristo". É este o desafio lançado pela organização da Via Sacra que percorre a zona da baixa e do Chiado, em Lisboa, esta Sexta-Feira Santa.

Há 11 anos o percurso era feito por 300 pessoas. Hoje, são quase 2 mil as que se juntam para percorrer a Via Sacra através da Baixa-Chiado.

É uma Via Sacra "diferente" das outras que se realizam em Lisboa e um pouco por todo o país, defende Ricardo Saldanha, coordenador da organização desta iniciativa do movimento Comunhão e Libertação e das paróquias da Baixa-Chiado.

O desafio é “arriscar perceber, entender os mistérios da paixão de Cristo através da beleza de um caminhar ao som de cânticos e, às vezes, em silêncio. A beleza deste povo que caminha, que ajuda a meditar mais profundamente nos mistérios da paixão de Cristo”, explica.

O percurso foi criado há mais de uma década e partiu da vontade de juntar, na capital, pessoas com vontade de celebrar os mistérios da paixão de Jesus.

A Via Sacra percorre sete pontos e tem início às 10h30 na Igreja de São Domingo, junto do Rossio. Dali segue para a Igreja de São Nicolau. As paragens seguintes são o Arco da Rua Augusta e a Praça do Município. A Via Sacra continua pela Rua Nova do Almada, com nova paragem na Basílica dos Mártires e termina na Igreja da Encarnação, no Largo do Chiado.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.