|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Papa assinala 50 anos de encíclica sobre desenvolvimento e justiça social

04 abr, 2017 - 15:03

Francisco voltou a criticar um modelo de globalização que esmaga os povos, privando-os de liberdade em nome do avanço económico.

A+ / A-
Papa critica modelo de globalização que esmaga os povos
Papa critica modelo de globalização que esmaga os povos

O Papa Francisco assinalou esta terça-feira os 50 anos da publicação da encíclica “Populorum Progressio”, de Paulo VI, que trata temas como o desenvolvimento humano e a justiça social.

O Populorum Progressio, que significa “do progresso dos povos” introduziu na Igreja uma nova visão sobre temas como a propriedade privada e os sistemas económicos, como referiu o Papa Francisco num discurso esta terça-feira, proferido precisamente na abertura de um congresso sobre o desenvolvimento.

“Os vários sistemas: a economia, a finança, o trabalho, a cultura, a vida familiar, a religião são, cada um no seu contexto, um momento irrenunciável do desenvolvimento. Nenhum deles se pode absolutizar, nem nenhum se pode excluir de uma concepção de desenvolvimento integral que tenha em conta que a vida humana é como uma orquestra que só toca bem se os vários instrumentos estão afinados e seguem um ritmo partilhado por todos”, disse o Papa.

Francisco voltou a criticar um modelo de globalização que esmaga os povos, privando-os de liberdade em nome do avanço económico. “Não faltam visões ideológicas e poderes políticos que esmagaram a pessoa, que a massificaram e a privaram daquela liberdade sem a qual o homem já não se sente homem. Esta massificação interessa aos poderes económicos que querem explorar a globalização, em vez de favorecer uma maior partilha entre os homens, só para impor um mercado global, cujas regras são impostas por eles e das quais retiram benefícios.”

Um verdadeiro progresso, considera o Papa, implica o respeito pelo indivíduo, que não pode ser vítima de sistemas políticos ou financeiros, mas também recusa a queda no individualismo. “Pessoa significa sempre relação e não individualismo, afirma inclusão e não exclusão, dignidade única e inviolável e não exploração, significa liberdade e não constrição.”

“A Igreja não se cansa de oferecer esta sabedoria e a sua obra ao mundo, na certeza de que o desenvolvimento integral é a estrada do bem que a família humana é chamada a percorrer”, concluiu o Papa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Graça de Deus
    04 abr, 2017 Pergatório 18:28
    Só aqueles que estão em estado de graça perante Deus ajudam o outro, sem qualquer interesse próprio e de coração aberto.
  • Roberto
    04 abr, 2017 W.W.W. 16:19
    As pessoas estão todas alienadas. Este estado de burrice coletiva só existe, porque as pessoas não querem pensar a sua própria vida e existência.