|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Hospital que tratava vítimas de ataque químico atingido por raide aéreo

04 abr, 2017 - 14:39

Não há dados concretos sobre números de vítimas deste mais recente ataque. O hospital estava cheio de vítimas de um alegado ataque químico que se tinha verificado pouco tempo antes.

A+ / A-
"Um horror". Dezenas de mortos e feridos em ataque químico na Síria
"Um horror". Dezenas de mortos e feridos em ataque químico na Síria

O hospital que estava a tratar as vítimas de um alegado ataque com armas químicas, na vila de Khan Sheikhun, perto de Idlib, na Síria, foi por sua vez atingido por um ataque aéreo esta terça-feira.

Segundo um jornalista a AFP que se encontrava no local, aviões atingiram alvos próximos do hospital, possivelmente como aviso, antes de voltarem para trás e bombardearem o próprio edifício pelo menos duas vezes.

Médicos que estavam naquele momento a tratar mais de uma centena de vítimas de um ataque com armas químicas que terá feito perto de 60 mortos foram vistos cobertos de destroços e pelo menos 10 profissionais conseguiram pôr-se a salvo antes do ataque, mas não há indicação ainda de um número de vítimas deste novo bombardeamento.

A zona que foi atingida é um dos últimos redutos urbanos nas mãos dos rebeldes que lutam para derrubar o regime de Bashar al-Assad, mas que têm sofrido fortes revezes nos últimos meses, sobretudo desde que a Rússia passou a apoiar o regime.

Mas tanto a Rússia como as Forças Armadas da Síria negam terem levado a cabo ataques com armas químicas em Khan Sheikhun esta terça-feira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.