O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

António Costa em entrevista: “Não vai nascer um banco mau”

04 abr, 2017 - 09:51 • João Carlos Malta Vídeos: Bárbara Afonso e Teresa Abecasis

Em relação ao sistema financeiro, o primeiro-ministro garante que "não vivemos na Alice no País das Maravilhas". Mas há um ano a situação era "muito grave" e já não é, defendeu.
A+ / A-
Costa explica porque ficou o Estado com 25% do Novo Banco
Costa explica por que ficou o Estado com 25% do Novo Banco

Veja também:


O primeiro-ministro, António Costa, garantiu esta terça-feira em entrevista à Renascença que não irá nascer um banco "mau" para resolver o problema do crédito malparado que existe no sistema financeiro em Portugal.

“Não vai nascer nenhum banco mau”, explicitou. António Costa referiu que todos os relatórios internacionais revelam que Portugal tem um problema com o crédito malparado, mas que ele nunca defendeu “a expressão banco mau".

Costa crê que Portugal necessita de uma instituição especializada em recuperação de crédito que valorize os activos e que “não os faça serem tratados como lixo” como tem sucedido.

Nesta entrevista, Costa deixa ainda uma crítica ao executivo anterior e ao programa de assistência, que vigorou em Portugal entre 2012 e 2014, e que não teve o sistema financeiro como prioridade. “Os problemas foram adiados para depois da saída limpa”, frisou.

O primeiro-ministro elogiou ainda o trabalho do Governo na área da banca que diz que tem resolvido os problemas que vinham do passado, nomeando a Caixa Geral de Depósitos, o BPI, o Banif, o BCP e o Novo Banco.

Novo Banco. Risco dos contribuintes limitado

Em relação à venda do Novo Banco, argumentou que a solução final foi a possível e classifica-a de equilibrada.

​Costa: “Não vivemos na Alice no País das Maravilhas”, mas o sistema financeiro está melhor
​Costa: “Não vivemos na Alice no País das Maravilhas”, mas o sistema financeiro está melhor
Costa: Montepio “é um problema bastante conciso e limitado" no sistema financeiro
Costa: Montepio “é um problema bastante conciso e limitado" no sistema financeiro

Costa disse que seria preferível o Estado não ter participação (é de 25%), mas essa foi uma exigência do comprador, o fundo norte-americano Lone Star. “O comprador queria lá o Estado, que credibiliza o banco e a solução. Através do Fundo de Resolução, o Estado pode beneficiar de uma possível valorização”, disse o primeiro-ministro.

O risco de perdas do Estado, segundo o governante, está limitado. O primeiro-ministro quantificou em 3,8 mil milhões o valor dos activos sobre o qual o Estado assume o risco.

“O Fundo de Resolução fica com a gestão desses riscos. Na generalidade desses créditos têm sido cumpridos. A seguradora pode ser alienada com mais-valias. E os 25%, a prazo, podem ser valorizados”, explicitou Costa, invocando uma conversa com o presidente do Novo Banco, António Ramalho.

Referiu ainda que o Novo Banco não era neste momento um banco qualquer. “Se o banco não fosse vendido até Agosto era liquidado”, respondeu.

O cenário da liquidação também foi afastado pelo Governo porque obrigaria a uma injecção de capital entre quatro mil milhões e 4,7 mil milhões, no imediato.

Aos que defendem o risco de ficar com 25%, Costa responde: “E o que seria ficar com 75%?”

Para finalizar a temática da banca, Costa sintetizou. “Não vivemos na Alice no País das Maravilhas. Há um ano estávamos numa situação muito grave. Ao longo deste ano fomos melhorando."

O País das Maravilhas, os precários e a banca. O essencial da entrevista de Costa à Renascença
O País das Maravilhas, os precários e a banca. O essencial da entrevista de Costa à Renascença
Costa admite integrar precários na Função Pública sem concurso. “Sejam 110 mil ou 80 mil”
Costa admite integrar precários na Função Pública sem concurso. “Sejam 110 mil ou 80 mil”
Costa: Centeno mais "útil" em Lisboa do que no Eurogrupo
Costa: Centeno mais "útil" em Lisboa do que no Eurogrupo
Costa sobre eutanásia. "Sei que não votaria contra, não sei se votaria a favor"
Costa sobre eutanásia. "Sei que não votaria contra, não sei se votaria a favor"
Costa não sonha com maioria absoluta e quer reeditar acordo com esquerda
Costa não sonha com maioria absoluta e quer reeditar acordo com esquerda
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Alentejano
    04 abr, 2017 Évora 11:55
    Este é Aldrabão e os que lá estiveram antes são iguais. São todos uns aldrabões, desde o MRPP até ao PNR. Não se aproveita um.
  • Joaquin
    04 abr, 2017 Lisboa 11:27
    Concordo, Não pode nascer o que já existe. Um Banco mau.
  • Carlos Costa
    04 abr, 2017 Santarem 11:17
    Tambem já não temos nenhum banco português.Nem sequer a CGD!!!!
  • AUSTERIDADE ESQUERDA
    04 abr, 2017 Lx 11:10
    nascerá não um banco mau mas um banco péssimo que será vendido pelo fundo abutre como diz a kamarada Katariba do Berloque de esterco...O resto são amanhãs que cantam e para tuga ver.
  • VICTOR MARQUES
    04 abr, 2017 Matosinhos 11:04
    Talvez um MAU BANCO, hein???!!!...
  • COSTA PANTOMINEIRO
    04 abr, 2017 Lx 10:10
    Mentiroso compulsivo como o outro que dá pelo nome de Pinto de Sousa...vamos pagar mais uma vez kamarada Costa pois não teve a coragem de vender a totalidade do capital social só para satisfazer as clientelas do BE e do PCP...O Sr. governa à vista e não para bem do país..é um bom pantomineiro e vendedor da banha da cobra.