O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Maduro recua e Parlamento recupera poderes

01 abr, 2017 - 14:27

Presidente da Venezuela diz que “venceu a Constituição”. Supremo Tribunal anulou a polémica decisão de retirar os poderes aos deputados da Assembleia Nacional.
A+ / A-
Venezuela. Maduro recua, mas protestos continuam
Venezuela. Maduro recua, mas protestos continuam

O Conselho de Defesa da Venezuela, o principal órgão de consulta do Presidente Nicolas Maduro, pediu e o Supremo Tribunal voltou atrás na decisão de retirar poderes ao Parlamento, que é controlado pela oposição.

“A controvérsia acabou. Venceu a Constituição”, declarou Nicolas Maduro num discurso televisivo transmitido na madrugada deste sábado, após uma reunião do Conselho de Defesa da Nação.

O apelo para que o Supremo reconsidere a sua posição teve como objectivo “manter a estabilidade institucional e o equilíbrio de poderes, perante os recursos comtemplados no ordenamento jurídico venezuelano”, refere, em comunicado, o órgão de consulta do Presidente.

Horas depois deste apelo, o Supremo Tribunal anunciou a marcha-atrás na polémica decisão de retirar poderes aos deputados da Assembleia Nacional.

Os juízes cancelaram as polémicas sentenças em limitar a imunidade parlamentar e a assumir as funções do Parlamento.

O presidente da Assembleia Nacional já reagiu a este novo desenvolvimento, que acontece após uma onda de manifestações. Júlio Borges considera que Maduro, “depois de ter realizado um golpe, não pode fingir que está a devolver a normalidade ao país”.

Júlio Borges, que tinha criticado duramente a posição do Supremo, recusou marcar presença no Conselho de Defesa da Nação, que reúne os responsáveis das principais entidades da Venezuela.

[notícia actualizada às 15h39]

Há um "autogolpe de Estado" em curso na Venezuela
Há um "autogolpe de Estado" em curso na Venezuela
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Conde
    01 abr, 2017 Terreiro das Bruxas 19:31
    Se Maduro fosse de direita estava toda a esquerda fascista aos berros na rua.
  • vc
    01 abr, 2017 vc 19:07
    Ficou provado que o Maduro é um grande democrata. Todos os fachos são contra logo... .
  • Gervásio
    01 abr, 2017 lisboa 17:03
    Na minha terra costuma dizer-se: Está a cair de maduro...
  • antonio
    01 abr, 2017 lisboa 16:07
    Nicolas Maduro, não passa de um assassino puro. Um ditador. É o exemplo do que o marxismo -leninismo e trotskismo, faz. Destruir uma Democracia
  • Amer
    01 abr, 2017 Rio de Mouro 15:37
    Ele não está louco, é um comunista puro. Ele defende o Comunismo - Leninista, tipo Coreia do Norte.
  • Madala
    01 abr, 2017 Évora 15:03
    Este não está "maduro"... está louco! quer ser outro Fidel. O povo na miséria sem comida nem medicamentos e o tipo não cai de maduro...
  • Álvaro de Jesus
    01 abr, 2017 Porto 15:03
    Este senhor, 'Maduro', não tem mais condições para ser Presidente da Venezuela. Não se brinca, nunca, com o POVO.