|
A+ / A-

Padre de Évora presenteia Papa com “corrente de oração”

29 mar, 2017 - 11:18 • Rosário Silva

Para além da oração “Coroa do Papa”, o livro do padre João Luis Silva divulga testemunhos e reflexões sobre o ministério do Santo Padre e a sua ligação a Fátima.

A+ / A-

A ideia surgiu na noite do 13 de Março de 2013 quando o Papa Francisco, na Praça de São Pedro, pedia ao mundo que rezasse por ele. O padre João Luis Silva que acompanhava o momento decidiu, então, criar uma oração em forma de Coroa.

“O que pretendia é que se rezasse pelas contas do Terço e produzi esta oração a partir dos diálogos entre Pedro e Jesus, tendo recorrido a citações bíblicas do Evangelho de São João e Evangelho de São Mateus”, conta à Renascença o sacerdote da arquidiocese de Évora.

Um dia, numa das igrejas onde é pároco, perguntaram-lhe que oração era aquela e, dada a receptividade dos paroquianos, passou a ser comunitária. Quando completou 10 anos de sacerdócio, o padre João Luis, em vez da tradicional pagela, distribuiu pelas suas comunidades esta oração pelo Santo Padre.

Dos bancos da igreja para as páginas de um pequeno livro, foi um instante, proporcionando a possibilidade de criar uma corrente de oração que una os portugueses a partir da mensagem de Fátima.

“Corrente de Oração pelo Papa” é, precisamente, o título do mais recente livro do sacerdote que, para além da oração Coroa do Papa, divulga testemunhos e reflexões sobre o ministério do Santo Padre e a sua ligação a Fátima.

“Proponho a toda a Igreja uma grande corrente de oração por Francisco quando celebramos o centenário das Aparições” diz, acrescentando que é uma forma de “presentear o Papa” uma vez que a oração é o que mais lhe agrada, “pois que faz sempre o mesmo pedido: rezem por mim”.

Editado pela Paulus Editora, o livro tem prefácio assinado pelo cardeal português D. José Saraiva Martins, prefeito emérito da Congregação para as Causas dos Santos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.