O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Fim da precariedade laboral tem dominado congresso da UGT

26 mar, 2017 - 00:34

Carlos Silva vai ser reeleito secretário-geral este domingo.
A+ / A-

A necessidade de pôr fim à precariedade laboral que atinge trabalhadores de todas as idades e profissões, mas sobretudo os mais novos, é uma das questões que tem dominado os trabalhos do 13º Congresso da UGT que decorre até domingo no Porto.

Este sábado, durante a apresentação da resolução programática para os próximos quatro anos, o secretário-geral Carlos Silva afirmou que os sindicatos têm que encontrar formas de chegar aos trabalhadores precários. E garante que a UGT vai defendê-los a nível nacional e na Europa.

Mas os mais velhos também merecem atenção. E a criação de uma Casa da UGT para sindicalistas mais idosos chegou pela voz de Luís Matias, presidente do Sindicato Nacional dos Assistentes Sociais, filiado na central há apenas um ano.

Luís Matias desafiou os outros sindicatos a trabalharem para aumentar a sindicalização de forma a, daqui a quatro anos, a UGT conseguir ter mais filiados do que a CGTP. O SNAS quer atingir o milhar de associados.

Um outro dirigente sindical defendeu também a criação de uma Universidade Sénior por forma a promover o envelhecimento activo dos sindicalistas que, assim, também poderiam passar a sua experiência aos mais novos.

O Congresso termina este domingo com a eleição dos novos órgãos da central e o discurso final de Carlos Silva, que será reeleito no cargo de secretário-geral.

Durante a manhã será discutido e votado o programa a pôr em prática no próximo mandato de quatro anos. Assim como várias moções, duas delas em defesa do Novo Banco e da Caixa Geral de Depósitos, e outra da FESAP, que aponta para uma greve geral na Administração Pública se o Governo não avançar com a negociação de matérias que os sindicatos consideram importantes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Zé Manel
    26 mar, 2017 São João da Morronhenha 12:52
    É impressionante a hipocrisia. Como é possível estes senhores virem dizer que defendem o fim da precariedade e depois terem o seu maior filiado (SBSI) a agir da maneira que tem feito. A pedir a caducidade dos IRCTs que regem os seus trabalhadores, a recorrer de forma absurdamente abusiva ao trabalho a falsos recibos verdes, a criar um clima de medo e intimidação no trabalho, a utilizar estratégias para sabotar o direito à greve dos seus trabalhadores. Vergonhoso...
  • Fernando
    26 mar, 2017 queluz 12:08
    É só blé blé, porque na pratica vocês nada fazem.