O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Morreu o comandante do IRA que ajudou a construir a paz na Irlanda do Norte

21 mar, 2017 - 06:36

Martin McGuinness tinha 66 anos.
A+ / A-
Morreu Martin McGuinness, o comandante do IRA que ajudou a construir a paz na Irlanda do Norte
Morreu Martin McGuinness, o comandante do IRA que ajudou a construir a paz na Irlanda do Norte

O antigo comandante do Exército Republicano Irlandês (IRA) que concordou em baixar armas e ajudou a pôr fim a 30 anos de conflito morreu esta terça-feira.

Ao lado de Gerry Adams, presidente do Sinn Fein, Martin McGuiness foi o arquitecto da solução política para a Irlanda do Norte.

“Durante toda a sua vida, Martin mostrou grande determinação, dignidade e humildade. Não foi diferente durante a sua curta doença”, afirma Gerry Adams em comunicado.

“Era um republicano apaixonado que trabalhou sem descanso pela paz e a reconciliação, em prol da reunificação do seu país. Mas, acima de tudo, amava a sua família e o povo de Derry e tinha imenso orgulho em ambos”, prossegue.

O Sinn Fein foi a ala política do IRA e é um dos movimentos políticos mais antigos da Irlanda.

Martin McGuiness passou de guerrilheiro a construtor da paz. Nos anos 1970, juntou-se ao IRA para integrar a sangrenta campanha contra a soberania britânica na Irlanda do Norte.

Nos anos 1990, passou do campo de batalha para a política, tendo participado nas negociações de paz para a região.

Em 2007, tornou-se vice-primeiro-ministro da Irlanda do Norte.

“A História recordará opiniões e perspectivas diferentes sobre o papel que Martin McGuiness desempenhou ao longo dos anos, mas também demonstrará a importância da sua contribuição para o processo de paz”, afirmou Arlene Foster, antiga primeira-ministra da Irlanda do Norte e líder do Partido da União Democrática.

Martin McGuinness morreu aos 66 anos, na sequência de uma rara doença genética.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    21 mar, 2017 Cacém 14:15
    Um Homem com H grande, que lutou e viveu por aquilo em que acreditava. Que o seu legado possa inspirar outros, noutras circunstâncias e noutras situações.