O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Marcelo convicto de que Caixa manterá presença em todos os concelhos

20 mar, 2017 - 19:29

Reestruturação passa pelo fecho de balcões. António Costa diz que o Governo não se deve "meter na vida" do banco público.
A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República manifestou-se esta segunda-feira convicto de que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) manterá presença em todos os concelhos do país e afirmou que essa é uma preocupação do Governo. Também o primeiro-ministro lembrou que "o plano de reestruturação da CGD garante a presença da Caixa em todo o país, em todos os concelhos", mas disse que o Governo não se deve "meter na vida" do banco público.

O plano de reestruturação acordado com a Comissão Europeia prevê que a CGD feche cerca de 25% dos seus balcões abertos ao público, passando de 651 para 470 ou 490 daqui a três anos. Esta redução de balcões tem sido questionada pelos partidos que suportam o Governo e pelo CDS-PP e foi frontalmente contestada pelo PSD.

"Tenho a convicção de que se chegará a uma solução que permitirá reduzir a presença da instituição no país, mas mantê-la presente em todo o território português em termos concelhios", declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, no final de uma visita a uma exposição sobre a presença judaica em Portugal, na Torre do Tombo, em Lisboa.

Questionado se tem alguma garantia de que não haverá nenhum concelho sem uma agência da CGD, o chefe de Estado respondeu: "Estou a acompanhar isso com interesse e sei que o Governo também está muito empenhado nisso".

"O que eu estou a dizer é que há essa preocupação da parte do Governo - eu já tinha falado nela, aliás, há talvez 15 dias - que é de reduzir o que é hoje uma estrutura muito ampla e muito pesada, por razões que têm a ver com o plano aprovado em Bruxelas e em Frankfurt, mas ao mesmo tempo manter uma presença nos vários concelhos, para não quebrar uma ligação que é uma ligação histórica com a população portuguesa", acrescentou.

Ao final da tarde desta segunda-feira, o coordenador da Comissão de Trabalhadores do banco público disse à agência Lusa que a CGD está a reavaliar a lista de agências a fechar.

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que está a acompanhar o assunto e defendeu que "é importante que as pessoas, a começar nos pensionistas, que têm a sua vida muito ligada tradicionalmente à CGD, possam manter o mínimo de ligação".

Trata-se de "uma ligação que tradicionalmente existe entre a CGD e os portugueses e, sobretudo, uma camada menos jovem que está há muito tempo relacionada com a Caixa e quer continuar relacionada com a Caixa", reforçou.

Segundo o Presidente, o desejável é "que, portanto, haja uma redução daquilo que era uma estrutura muito ampla, mas mantendo o essencial no território continental e também nas regiões autónomas".

Costa: Governo não se deve “meter na vida” da Caixa

O primeiro-ministro considera que o “Estado ser accionista da Caixa não significa que o Governo se deva meter na vida do dia-a-dia da CGD”. "O plano de reestruturação da CGD garante a presença da Caixa em todo o país, em todos os concelhos. Mas o Estado ser accionista da Caixa não significa que o Governo se deva meter na vida do dia-a-dia da CGD”, disse.

“Temos uma administração que deve exercer as suas funções com independência, com autonomia - e o Governo tem toda a confiança na Caixa para assegurar a boa gestão", respondeu o primeiro-ministro aos jornalistas, à margem de uma reunião com os membros do Conselho Nacional de Ordens Profissionais.

"Nós [Governo], como accionistas, fizemos o que nos competia, que era aprovar os planos de capitalização e de reestruturação e negociar com as instituições europeias a sua viabilidade. Confiamos na Caixa para gerir no dia-a-dia a sua actividade", acentuou.

Confrontado com as dúvidas manifestadas por todas as bancadas, incluindo a do PS, em relação ao plano de reestruturação da administração da CGD, António Costa procurou desdramatizar, advogando que tal faz parte "da vida política".

"O Governo cá estará para responder a todas as perguntas. Agora, há uma coisa que o Governo não fará: não se substituirá à administração da Caixa na gestão do dia-a-dia, porque a CGD, embora sendo pública, não deixa de ser uma empresa", alegou. A CGD é pública, "mas tem uma gestão profissional", reforçou.

[Notícia actualizada às 19h50 com declarações do Presidente da República]


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • COSTA PANTOMINEIRO
    21 mar, 2017 Lx 11:14
    Ainda não percebi quem é o 1º Ministro deste sítio mal frequentado em que se tornou Portugal? Marcelo ou o pantomineiro e demagogo Costa? Ou serão os dois? E assim andamos na corda bamba...Taxas de juro da dívida acima dos 4 por cento, dívida pública a crescer, investimento abaixo de zero e crescimento inferior ao de 2015...défict nos 2, 3 à custa de medidas extraordinárias e que não são repetíveis. E continuamos a fazer de conta até o BCE deixar de comprar dívida e depois vem a bolha e tudo rebenta como em 2011 com o mentiroso compulsivo do Pinto de Sousa, esse ser adorado pelos xuxas...
  • agostinho v couto
    20 mar, 2017 usa 22:23
    Porque nao te ,,calas ,,,totttooo isso e assunto do governo nao do presidente da republica ,,pois e agora que Portugal precisava de ,,um verdadeiro ,presidente da republica que so falasse quando lhe competia temos ,,,uma ,,barbie de cabelo curto ,,ja chega de exposicao ,,selfiys ,,ja comeca a ser dificil ,,atorar tanta ,,,coisice para nao lhe chamar uma coisa mais feia e por certo mais adquada ao seu ,,estatuto