O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Abono de família foi atribuído a mais de um milhão de crianças em Fevereiro

20 mar, 2017 - 17:23

Dados da Segurança Social apontam para uma descida nas prestações por parentalidade pagas em Fevereiro face a Janeiro.
A+ / A-

O abono de família foi atribuído a 1.054.477 crianças e jovens em Fevereiro, menos 357 (0,03%) face ao mês anterior e menos 54.249 (5,12%) face ao período homólogo de 2016, segundo dados divulgados esta segunda-feira.

Dados do Instituto da Segurança Social (ISS), actualizados a 1 de Março e sujeitos a novas actualizações, indicam que Lisboa é o distrito do país com o maior número de abonos de família atribuídos (209.451), seguido do Porto (204.073) e de Braga (94.612).

Os dados da Segurança Social apontam também uma descida nas prestações por parentalidade pagas em Fevereiro face a Janeiro.

O número de beneficiários com prestações por parentalidade, em Fevereiro, foi de 33.987 pessoas, valor inferior em 1,5% em relação ao mês anterior e em 3,7% face a Fevereiro de 2016.

Apesar de as mulheres manterem a predominância, com 23.790 a receberem esta prestação (70% do total de beneficiários), o crescimento foi maior nos homens (5,8%), com 10.197 beneficiários, em Fevereiro, refere a Síntese de Informação Estatística da Segurança Social elaborada pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP).

Contrariamente a esta tendência, o número de mulheres com prestações por parentalidade, comparando com Janeiro de 2017, sofreu um decréscimo de 4,4%, acrescenta o GEP.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.