O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Papa pede perdão pelo envolvimento católico no genocídio do Ruanda

20 mar, 2017 - 16:49 • Ecclesia

Francisco apela a "reconciliação da memória". E pede perdão por actos que "desfiguraram o rosto da Igreja".
A+ / A-
Papa pede perdão pelo envolvimento católico no genocídio do Ruanda
Papa pede perdão pelo envolvimento católico no genocídio do Ruanda

O Papa Francisco recebeu esta segunda-feira em audiência o presidente do Ruanda, Paul Kagame, com quem abordou o genocídio dos tutsi (1994). “O Papa manifestou a sua profunda dor, a da Santa Sé e a da Igreja pelo genocídio contra os tutsi”, refere um comunicado divulgado pelo Vaticano depois do encontro.

Francisco manifestou solidariedade às vítimas e a todos os que continuam a sofrer as consequências dos “acontecimentos trágicos” acontecidos no país africano.

“Na linha do gesto levado a cabo por São João Paulo II durante o Grande Jubileu do ano 2000, [o Papa] renovou o pedido de perdão ao Deus pelos pecados e faltas da Igreja e dos seus membros, entre os quais sacerdotes, religiosos e religiosas que cederam ao ódio e à violência, atraiçoando a sua missão evangélica”, pode ler-se na nota oficial.

O Papa manifestou a esperança de que este “humilde” reconhecimento das falhas cometidas, “que desfiguraram o rosto da Igreja”, possam ajudar a “purificar a memória” e promover “um futuro de paz” no Ruanda.

Paul Kagame reuniu-se ainda com o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, acompanhado pelo secretário do Vaticano para as Relações com os Estados, o arcebispo Paul Richard Gallagher.

As duas partes elogiaram a “colaboração” Igreja-Estado e o “notável caminho percorrido para recuperar a estabilidade social, económica e política” do Ruanda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.