O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Passos Coelho. É uma “história da carochinha” esperar que Europa resolva malparado

20 mar, 2017 - 16:00

"Dizer que milagrosamente o problema se vai resolver porque na Europa se vai arranjar uma maneira de o resolver é a mesma conversa da carochinha e a conversa de cordel para os processos de reestruturação da dívida", sustenta o líder do PSD.
A+ / A-

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, defendeu esta segunda-feira que o Governo tem de assumir que resolver o problema do crédito malparado "vai custar dinheiro" a alguém, considerando uma "história da carochinha" dizer que este vai ser resolvido milagrosamente pela Europa.

Numa intervenção num almoço do Fórum de Administradores de Empresas (FAE), Passos Coelho estimou que faltam "limpar cerca de 20 mil milhões de euros" em imparidades e crédito malparado no sistema financeiro, dos 40 a 50 mil milhões existentes em 2011, defendendo que estes problemas possam continuar a ser resolvidos pelo próprio sistema.

"Há no entanto quem pense de outra maneira e imponha custos demasiados a todos para que o problema se possa resolver. Uma solução para limpar crédito malparado ou custa dinheiro ao Estado e aos contribuintes, ou custa dinheiro aos accionistas dos bancos ou custa dinheiros às empresas ou custa dinheiro aos clientes dos bancos", afirmou.

Considerando que o problema no sistema financeiro continua a existir, Passos Coelho alertou que "dizer que milagrosamente o problema se vai resolver porque na Europa se vai arranjar uma maneira de o resolver é a mesma conversa da carochinha e a conversa de cordel para os processos de reestruturação da dívida".

"É acharmos que alguém paga por nós e isso não existe", afirmou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.