O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Princípio do Brexit já tem data marcada: 29 de Março

20 mar, 2017 - 11:36

Objectivo do Reino Unido é forjar uma nova parceria que beneficie todas as regiões, incluindo os seus "aliados e amigos" na União Europeia.
A+ / A-

A primeira-ministra britânica Theresa May vai pedir formalmente o abandono da União Europeia no dia 29 de Março. A informação foi avançada pelo porta-voz de Theresa May, esta segunda-feira ao fim da manhã.

"Em Junho do ano passado o povo do Reino Unido tomou a decisão histórica de abandonar a União Europeia. Na quarta-feira da semana que vem o Governo dará início formal ao processo, accionando o artigo 50", disse o ministro do Brexit David Davis, em comunicado citado pela Reuters.

Com esta medida agora anunciada abrir-se-á um processo de dois anos que culminará com a saída da União Europeia por parte do Reino Unido. Os dois anos serão de negociação, com Londres e Bruxelas a tentar forjar uma nova relação, sobretudo comercial. "Estamos no limiar da mais importante negociação para este país em toda uma geração", afirma Davis.

"O Governo tem objectivos claros: Um acordo que resulte para todas as nações e regiões que compõem o Reino Unido e, mais, para toda a Europa - uma parceria nova e positiva entre o Reino Unido e os nossos amigos e aliados na União Europeia".

A Rainha Isabel II ratificou na semana passada a legislação do Parlamento britânico que deu à primeira-ministra o poder de iniciar o processo do Brexit.

A proposta de lei para autorizar o Governo a notificar a União Europeia da saída do Reino Unido tinha sido aprovada pelo Parlamento britânico, após a derrota na Câmara dos Lordes na votação de duas alterações.

No referendo de 23 de Junho de 2016, 52% dos britânicos votaram a favor do Brexit. Foi o Supremo Tribunal britânico a obrigar que o Parlamento votasse o artigo 50.º que dá início ao processo formal de negociação de saída da UE.

[Notícia actualizada às 12h16]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Orapois!
    20 mar, 2017 Oh meu diz alguma coisa de jeito 14:58
    Fora com os bifes de vez?! Isto realmente o que diz e nada é a mesma coisa... Há muitas famílias sem dinheiro para bifes, nos tempos de hoje só se for para latas de sardinhas e de salsichas ou para alguma panela de sopas que dá para dois ou três dias. Pois os salários estão tão fraquinhos que muitos nem para comer. Quem está bem neste país são os políticos, toda esta parasitagem e o mexias este ganha cinco mil e sescentos euros por dia. É um ser do outro mundo. Um super homem em relação aos outros. O homem não tem tripas e só tem cérebro e uma boca de tubarão muito grande. Vá agora diz que eu tenho inveja, como se eu estivesse à espera de ir para o lugar dele e ganhar 10 mil euros por dia....Há quem não tenha dinheiro para pagar a luz.
  • tadeu neto
    20 mar, 2017 elvas 14:32
    "Foi o Supremo Tribunal britânico a obrigar que o Parlamento votasse o artigo 50.º que dá início ao processo formal de negociação de saída da UE." a rainha isabel II e a senhora theresa may,estao no caminho correto. o edificio europeu,assente no euro e na repartiçao de fundos estruturais e comunitarios e no entanto fragil ao nivel MORAL e ADMINISTRATIVO. na europa atual o nivel real,seriam PEDANIAS.
  • 20 mar, 2017 14:14
    fora com os bifes de vez .
  • Pois sou!
    20 mar, 2017 dequalquerparte 13:26
    Esta união europeia é como a lei da selva. Onde há os mais fortes a impor e espezinhar os mais fracos. Só se vê desigualdade, pobreza, desemprego, precariedade, a globalização e os seus efeitos desastrosos e penalizadores, falta de competitividade, dívida, só se governa em torno de uma dívida e de austeridade, nem que para isso se despeçam pessoas e estes que vão dormir para debaixo da ponte. Ou que se corte tanto nos hospitais para que muita gente morra à míngua. A função pública é o que se vê. Deixou de haver respeito por estes trabalhadores, a parvoíce de alguns é para os ver como beneficiados, não como gente que tem direito à sua dignidade. E isto para não falar de uma europa que vai perdendo a sua entidade em nome das raças retrógradas como a dos muçulmanos que têm invadido todos estes países e ainda cometendo atentados e distúrbios... Sou a favor do brexit também.
  • Luis silva
    20 mar, 2017 Trancoso 12:12
    Para diminuição de especuladores, eu até diria muitos Xulos, no meu entender, cada macaco em seu galho. Mais fácil combater os exploradores, no nosso próprio País, que em conjunto em forma de matilhas, misturados ficam mais ferozes ainda. Por isso sou a favor do Brexit.