A+ / A-

​PSD quer explicações sobre listas de espera no Hospital Amadora-Sintra e Unidade de Alcoologia

19 mar, 2017 - 15:40

Bancada social-democrata considera preocupante a "existência de um anormal fluxo de queixas no gabinete do utente desta unidade de saúde, referenciando a existência de um número alargado de pacientes que teriam deixado de constar nas listas de espera para cirurgia ortopédica".
A+ / A-

O PSD questionou o Governo sobre o alegado desaparecimento de listas de espera para cirurgia ortopédica no Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra) e falta de resposta da Unidade de Alcoologia de Lisboa e Vale do Tejo.

Numa pergunta dirigida ao ministro Adalberto Campos Fernandes, o PSD considera preocupante a "existência de um anormal fluxo de queixas no gabinete do utente desta unidade de saúde, referenciando a existência de um número alargado de pacientes que teriam deixado de constar nas listas de espera para cirurgia ortopédica e consequentemente não teriam acesso à respectiva cirurgia".

Segundo o deputado social-democrata Carlos Silva, trata-se do desaparecimento de 1.200 doentes das listas de espera de cirurgia ortopédica.

Na pergunta, assinada também pelos deputados Miguel Santos e Ângela Guerra, refere-se a "existência de um conjunto de situações em que os utentes que estariam a aguardar pela cirurgia, teriam passado para o fim da lista, depois de terem deixado de constar da respectiva lista inicial de espera para cirurgia e que não teriam recebido qualquer vale cirúrgico - explicação entretanto avançada pelo Hospital".

Os parlamentares do PSD querem que o Ministério esclareça quantas pessoas estão identificadas em lista de espera para cirurgia ortopédica, quantas terão deixado de constar da lista, e qual a explicação apresentada para que tal tenha acontecido.

Numa outra pergunta dirigida ao Ministério da Saúde, o PSD questiona o funcionamento da Unidade de Alcoologia de Lisboa e Vale do Tejo, considerando que há uma situação de "reiterada falta de condições", com o aumento das listas de espera, indefinição no tempo de espera para internamento, falta de médicos, enfermeiros e auxiliares.

O mapa de pessoal tem vagas que não são preenchidas, apontam os deputados.

"Quais são as medidas que estão a ser estudadas pelo Ministério da Saúde para conferir, de forma sustentada, as condições técnicas necessárias para que este serviço de alcoologia desempenhe cabalmente as suas funções?", questionam.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    20 out, 2017 Viseu 11:32
    Este Governo social-comunista defende-se e protege-se a si próprio, mas não defende nem protege os cidadãos mais pobres nem os mais desprotegidos.
  • Cidadão 2
    21 mar, 2017 xabregas 12:24
    Agora já não se reduzem camas, acabaram os cortes, os enfermeiros passaram a ter condições espectaculares e até as listas de espera desaparecem por milagre do espírito santo. Não há nada como o socialismo, onde as vacas também podem voar se acreditarmos com muita força.
  • Cidadao
    19 mar, 2017 Lisboa 17:20
    Não sei,, mas talvez as centenas de camas que o governo PSD-CDS encerrou nos Hospitais, mais os cortes no SNS, o fecho dos cuidados primários, as condições dadas a médicos e enfermeiros que os puseram a emigrar, tudo isto nos 4,5 anos de pesadelo de governo PSD-CDS, talvez expliquem muita coisa...