O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Sócrates vai impugnar adiamento do prazo de conclusão do inquérito

17 mar, 2017 - 15:00

João Araújo e Pedro Delille argumentam que a decisão da procuradora-geral da República é ilegal e ilegítima e consagra a “violência desenfreada sobre as pessoas”.
A+ / A-

Os advogados de José Sócrates já reagiram ao adiamento do prazo para conclusão da investigação, com um comunicado em que dizem que a procuradoria-geral da República (PGR) se limitou a “deitar as culpas ao mordomo”, através de uma decisão ilegal e ilegítima que consagra a “violência desenfreada sobre as pessoas”. Por isso, a defesa de Sócrates “irá impugnar, por todos os meios legais, esta decisão, nula e insensata, e os seus autores.”

Esta sexta-feira a PGR aceitou o pedido do Ministério Público de adiar o prazo para o fim da investigação no caso Marquês.

Em comunicado enviado às redacções, João Araújo e Pedro Delille começam por salientar que este é o “quinto” prazo “que lhes foi ‘dado’”. A palavra “quinto” aparece com duplo sublinhado.

“A decisão da Senhora Procuradora-Geral que, espremida do longo arrazoado que a enroupa, se traduz essencialmente em deitar as culpas ao mordomo e, talvez para evitar novas violações dos prazos, determinar que o inquérito prossiga sem prazo nenhum, é ilegal e ilegítima e representa a consagração e a adopção, agora sem disfarce ou cautela, do que caracteriza este processo desde o seu início – a violência desenfreada sobre as pessoas; o desrespeito absoluto pelos direitos e garantias dos arguidos; o concerto e a articulação, de pensamento e acção, no Ministério Público, para violar a Lei”, criticam os advogados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Para refletir...
    18 mar, 2017 Almada 15:02
    Para acabar com "este jogo do empurra", a comunicação social deve nos informar objetivamente o que diz a lei. Estou a ver que temos um problema graves neste país, a lei é abstrata e tem interpretações para todos os gostos. Em último caso a Assembleia da República onde são feitas a leis, deve esclarecer qual a correta interpretação da lei.
  • Eborense
    18 mar, 2017 Évora 10:47
    Diogo. Não sou vidente, nem é preciso ser-se, para perceber que o Zézito está metido nisto até ao pescoço. É preciso apenas ter dois "dedos de testa", ou por outras palavras, ter o mínimo de inteligência. Além do mais, estou farto de pagar para corruptos, o que não deve ser o teu caso. Eu sei que há muita gente que comeu à conta dele, enquanto foi 1º Ministro e, por isso, agora defendem-no. Para concluir posso dizer-te que ele foi meu vizinho aqui em Évora e já estou cheio de saudades dele. Espero que volte o mais rapidamente possível.
  • Paulo Ferreira
    18 mar, 2017 Vila Franca do Rosário 08:21
    Não me interessa se o arguido é o Sócrates, o Manel ou o João, para mim, o que interessa destacar, é a possibilidade que o Ministério Público tem de prolongar ad eternum o prazo da Fase de Inquérito sem que haja uma acusação. Onde estão as garantias dos arguidos? Os prazos legais são meramente indicativos e dilatórios? Tornem-nos peremptórios! Tudo isto gera arbitrariedade e num Estado de Direito, o cidadão, constituído arguido, seja ele quem for, tem deveres mas também tem direitos. Separem os processos, acusem o que houver para acusar e mandem arquivar o que não tenha provas para acusação. Reafirmo que não me interessa quem é o arguido mas qual é a sensação que fica? Este e outros processos que tais vão acabar por ser arquivados. Aos arguidos estão a legitimá-los para que venham a pedir uma indemnização ao Estado Português e ainda acabamos por ser, além de espectadores desta mísera (in)justiça, os prejudicados e ter que desembolsar mais uns milhões. Acreditar na justiça, acredito. Acreditar na justiça portuguesa, tenho pena, mas não acredito mesmo e a culpa não é minha, basta estar atento e ver o que se passa à nossa volta.
  • Antonio Ferreira
    18 mar, 2017 Porto 08:08
    Vou lendo alguns comentários e, sinceramente, não consigo entender algumas posições manifestadas. Tenho , contudo, a noção de que tal não representa a opinião da maioria dos portugueses. Ao contrário do que se passa no Brasil, onde o aproveitamento das pessoas; pouco conhecedoras do meios políticos e com um grau de cultura muito baixo , são explorados ao ponto de vermos um ex-presidente a tentar uma fuga para a frente , ao pretender candidatar-se às próximas eleições para tentar fugir ao crivo da justiça, aqui o povo português, mais consciente desta classe de ´´ criminosos ´´, da política e dos negócios, vai mantendo a calma , o silêncio e , aguarda pacientemente o resultado final. Nessa medida sinto-me mais orgulhoso de ser português de que me sentiria se fosse brasileiro ( pois verifico a tristeza da minha mulher, diariamente, ao constatar que o seu país, vai de mal a pior ). Não tenho dúvidas e, volto a reafirmar, que este processo é dos mais complexos, senão o mais complexo, que a justiça portuguesa teve em mãos. Estamos a falar de uma rede de; mafiosos, mentirosos, corruptos de alto nível. E nestes casos, não se espere que o esquema montado seja fácil de deslindar. Note-se que este esquema passe por países que não estão interessados, por razões óbvias, em facilitar o trabalho da justiça portuguesa. Mais cedo ou mais tarde o povo português vai perceber os desmandos da ´´ escumalha ´´ que mandava na CGD, e a forma como distribuíam o nosso dinheiro, pelos amigos.
  • SINISTRA JUSTIÇA
    18 mar, 2017 LISBOA 01:10
    SÓCRATES ESTÁ A "PAGAR" POR TER RETIRADO REGALIAS À MAGISTRATURA. RETIROU PRIVILÉGIOS AOS MAGISTRADOS: REDUZIU AS FÉRIAS A 1/3 (DANTES TINHAM 3 MESES E, COM ELE PASSARAM A TER APENAS 1 MÊS) A ASSISTÊNCIA MÉDICA FOI ENQUADRADA NA ADSE E DEIXOU DE SER ESPECIAL CORTES NOS SUBSÍDIOS DE RENDA DE CASA. ESTA É A EXPLICAÇÃO PARA O REVANCHISMO DESTA CORPORAÇÃO,
  • Filipe
    17 mar, 2017 évora 23:41
    Está mais que visto sem margem para dúvidas para o cidadão responsável bom pai de família que existe uma perseguição política a determinada gente do PS . Mas por todo o Mundo tem se assistido recentemente ao mesmo folhetim , basta ver no Brasil , França e América , utilizam a justiça para no momento de eleições perseguir lavagem de roupa suja . O que não preocupa nada os cidadãos que vivem encostados aos balcões de taberna todos os dias , basta ver aqui os comentários , quanto mais tempo passar mais lenha metem na fogueira . Ainda mais preocupa se a justiça faz isto com quem tem e paga a bons advogados e pode gastar milhares de euros em recursos , imaginemos o que fazem ao pobre que precisa de tirar um pacote de leite do Super para dar ao filho de comer . Agora até o Sonae mete lenha , coitado , preocupe-se ele com a exploração diária escrava que faz aos trabalhadores . Acho mesmo que para aqueles que continuam a mandar pedras , deviam passar pelo mesmo , ou seja : constituídos arguidos e presos 10 meses . para ver se um dia comentam diferente . Portugal não é de meia dúzia a cima das leis mas alguns julgam que podem estar no poleiro acima das leis . A velocidade máxima na auto estrada é 120 Km/h , qualquer carro dá mais que isso , mas não é indicativa é máxima ! Embora quase todos a ultrapassem sem penalizações , por aqui se vê que a lei existe mas alguns estão acima da lei .
  • O PINÓQUIO
    17 mar, 2017 Lx 22:45
    Os prazos para o inquérito são ordenadores Sr.Pinto de Sousa.Como sabe isso só resta a fuga para a frente quando vê o rabo apertado.O circuito do dinheiro já foi apurado e agora resta a acusação Sr.Pinto de Sousa.Depois vai abrir a instrução e andar a entorpecer o processo pois o que esse mentiroso compulsivo quer é não ser julgado.O resto são as narrativas de um mit omano, de um mentiroso compulsivo que pensava que estava acima da lei pois tinha e tem amigos poderosos.Mas finalmente o Pinto de Sousa foi apanhado.Follow the money do Sr.Pinto de Sousa, o pinóqui de má memória que nos levou mais os seus amigos xuxas à falência deste pobre país que não merece estes bandalhos do pior.
  • carlos almeida
    17 mar, 2017 Lisboa 22:05
    Quando o prenderam todos pensaram que houvesse provas. Afinal parece que não... Entretanto 10000 milhões fugiram do país e ninguém sabe de nada... O Cavalo Branco, o homem dos vouchers gold também ninguém sabe de nada.
  • Manuel Sá
    17 mar, 2017 Porto 21:38
    Há muita gente a defender o Sócrates. O que sei é que votei nele, (a primeira vez) vi-o a ter atitudes que pareciam levar o estado à bancarrota com seus projectos faraónicos e na segunda já não votei. Foi para Paris viver como um produtor de petróleo e depois foi o que se viu. Milhões de euros à disposição. E o pior é o que esses milhões significam nas benesses que supostamente concedeu no valor de milhares de milhões.
  • Diogo
    17 mar, 2017 Oeiras 21:03
    Não me vou pronunciar sobre o assunto, pois não conheço o que se passa na verdade. A única coisa certa que sei é que o homem foi preso quase um ano, o soltam e afinal isto vai de prazo em prazo e acusação nem vêla. Isto tudo para perguntar ao sr. Eborense se por acaso ele é vidente, pois faz aqui duas afirmações como sendo a verdade plena. Pelo que ele diz opinião minha deve saber a verdade real na totalidade porque motivo não se chega ao MP e lhes conta tudo pois estes andam há 2 anos e tal e ainda não conseguiram formalizar a acusação, pedindo já até mais tempo hoje.