O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Bloco pede audição urgente a Centeno sobre reestruturação da Caixa

17 mar, 2017 - 14:30

Redução de número de trabalhadores e encerramento de balcões estão no centro das preocupações do Bloco de Esquerda.
A+ / A-

O Bloco de Esquerda requereu esta sexta-feira a audição urgente do ministro das Finanças no Parlamento para explicar o processo de reestruturação da Caixa Geral de Depósitos, “nomeadamente sobre o encerramento de balcões e redução do número de trabalhadores”.

Num requerimento enviado à presidente da Comissão de Orçamento Finanças e Modernização Administrativa da Assembleia da República, a que a Lusa teve acesso, a deputada bloquista Mariana Mortágua defende que o encerramento de balcões e a dispensa de trabalhadores são questões que “merecem especial escrutínio”.

“O Bloco de Esquerda entende que uma das obrigações da Caixa enquanto banco público reside precisamente na manutenção de uma rede de agências que garantam o acesso a serviços bancários em todo o país”, refere o texto.

Apesar de não excluir a possibilidade de uma “análise e revisão da sua rede de balcões”, Mariana Mortágua considera que “a Caixa tem obrigação de estar onde o privado não chega”.

“Acima de tudo, tem a obrigação de ser transparente quanto ao seu plano de presença geográfica”, argumenta.

Por outro lado, o Bloco salienta que “é preciso renovar as garantias de que a redução do número de trabalhadores não será feita com recurso a rescisões ‘amigáveis’ com base em pressões e ameaças, mais ou menos veladas, como assistimos já noutras instituições bancárias, nomeadamente no Novo Banco”.

“A caixa tem obrigação de ter uma atitude irrepreensível na relação com os seus trabalhadores”, acentua.

No requerimento, Mariana Mortágua assinala que o carácter público da Caixa lhe confere “deveres acrescidos”, devendo o banco ser “um instrumento ao serviço do financiamento da economia e do emprego, um garante do acesso aos serviços bancários, e um exemplo de boas práticas em todos os campos da sua actuação”.

“Espera-se, da mesma forma, que seja um pilar da estabilidade financeira do país e, para que continue a desempenhar esse papel, a sua recapitalização é essencial”, sublinha ainda Mariana Mortágua, garantindo que o Bloco “rejeita a utilização do processo de recapitalização da Caixa como arma de arremesso político”.

Nos próximos anos, no âmbito do plano estratégico negociado com Bruxelas, a CGD prevê dispensar 2.200 pessoas, o que o presidente executivo, Paulo Macedo, disse na passada sexta-feira que se fará, através de “pré-reformas e eventualmente rescisões por mútuo acordo”.

Em termos de agências, a CGD quer chegar a 2020 com um número entre 470 e 490.

A CGD apresentou na semana passada os resultados de 2016 em que teve prejuízos históricos de 1.859 milhões de euros, mais de dez vezes mais os resultados negativos de 171 milhões de euros de 2015.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Otário cÁ DA quinta
    18 mar, 2017 coimbra 18:15
    Há uma coisa que me causa uma grande CONFUSÂO, que diz respeito aos governantes, eu explico: Os ministros, sobretudo este das finanças e o Primeiro Ministro estão sempre a ser chamados ao parlamento para prestar declarações e passam o tempo em visitas aqui e ali. Sendo assim a vidinha deles, eu pregunto, afinal quem é que está a governar o país e a mandar leis cá para fora? SERÁ QUE ESTES TIPOS SEJAM SÓMENTE OS TESTAS DE FERRO DE ALGUNS QUE ESTÃO NA SOMBRA? Alguém me sabe dizer ? è que é impossível terem tempo para fazer alguma coisa e pensar sobre a governação!
  • Alberto
    17 mar, 2017 FUNCHAL 15:26
    Foi combinado com o Costa?