O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Cristas não assinou de cruz resolução do BES, “aprovou à distância”

16 mar, 2017 - 17:23

Em entrevista ao "Público" na passada segunda-feira, a líder centrista disse sobre a aprovação da medida de resolução do BES que: "como pode imaginar, de férias e à distância e sem conhecer os 'dossiers', a única coisa que podemos fazer é confiar e ser solidários! Sim senhora, somos solidários, isso é para fazer, damos o OK'.
A+ / A-

A presidente do CDS-PP recusou esta quinta-feira ter 'assinado de cruz' a resolução do BES e assegurou que apenas aprovou electronicamente um decreto que dava poderes ao Banco de Portugal, de acordo com a orientação do então primeiro-ministro Pedro Passos Coelho.

"Não se trata de assinar de cruz ou não assinar de cruz. Houve um procedimento, que é um procedimento de aprovação à distância, aprovação electrónica. Aquilo que eu expliquei, e que não percebo porque é que deu tanta conversa, porque não era novidade, eu já tinha dito isto anteriormente, é que em matéria de sector financeiro o entendimento do Governo, o entendimento do senhor primeiro-ministro era que esse assunto devia ser tratado pelo Banco de Portugal", afirmou a líder do CDS-PP, Assunção Cristas.

Em entrevista ao "Público", publicada na segunda-feira, a líder do CDS-PP e ex-ministra da Agricultura do Governo PSD/CDS-PP admitiu que o "assunto BES" nunca foi discutido "em profundidade em Conselho de Ministros".

"Nunca os temas da banca foram discutidos em profundidade em Conselho de Ministros", referiu Assunção Cristas, que recordou também que estava de férias quando foi aprovado o decreto-lei da resolução do BES.

"Como pode imaginar, de férias e à distância e sem conhecer os 'dossiers', a única coisa que podemos fazer é confiar e ser solidários! Sim senhora, somos solidários, isso é para fazer, damos o OK'. Mas, não houve discussão, nem pensámos em alternativas possíveis - isto é o melhor ou não - houve confiança no Banco de Portugal, que tomou uma determinada decisão", acrescentou a líder democrata-cristã.

A linha de Passos Coelho

A líder centrista falava aos jornalistas, no final de uma visita à Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), em Lisboa, respondendo às críticas que se seguiram à entrevista que deu ao jornal "Público", na qual afirmou que as questões da banca não tiveram discussão aprofundada em Conselho de Ministros, no Governo PSD/CDS-PP, do qual fez parte, e que aprovou por correio electrónico o decreto para a resolução do BES.

"A orientação do Governo foi muito clara: o regulador tem os instrumentos e, quando não tem, devem-lhe ser dados, foi o caso desse diploma, para que possa trabalhar aprofundadamente nessa matéria, sem interferência do Governo", afirmou esta quinta-feira Assunção Cristas.

"Se alguma coisa pode ser questionada mais para trás, inclusivamente, é o memorando que foi assinado com a 'troika', onde estava apenas previsto um pacote de 11 mil milhões de euros para a banca. Sabemos que todos estes problemas de agora não nasceram sequer no tempo do anterior Governo, nasceram antes desse tempo", acrescentou.

Para a presidente do CDS-PP, o que pode estar em causa "é o funcionamento da regulação e da supervisão nessa altura e é também a actuação do Governo anterior [ao governo do PSD/CDS], nomeadamente, interferindo na banca".

"O Governo funciona com base num princípio de confiança e de solidariedade entre membros do Governo. Para outras leituras da realidade é muito estranho que um Governo não intervenha no sector financeiro, para o Governo liderado pelo doutor Pedro Passos Coelho a orientação era: ao Banco de Portugal aquilo que pertence à banca, sem interferências do Governo", insistiu.

Assunção Cristas sublinhou que "o Banco de Portugal, enquanto supervisor independente, é que tinha a gestão desse pilar do resgate da 'troika'": "Nessa medida, nunca houve discussão aprofundada, pode ter havido uma ou outra sinalização, sobre questões relacionadas com a banca".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • a moçoila esganiçada
    17 mar, 2017 08:56
    No seu melhor! A esta divulgação nem lembraria ao diabo! Hoje estamos a saber, para aqueles crentes do governo PSD/CDS, como fomos irresponsável e incompetentemente governados por uma tribo de saltimbancos durante 4 anos e meio de empobrecimento do país, de destruição de milhares de familias e de empresas, porque não havia alternativas e ,Bruxelas não permitia! Será que esta gente não se vai sentar no banco dos réus?