O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Santana Lopes diz que Sampaio dissolveu Parlamento para abrir caminho a Cavaco

16 mar, 2017 - 06:00 • José Pedro Frazão , Eunice Lourenço

O antigo primeiro-ministro vai escrever um livro para responder à biografia do ex-Presidente. Em entrevista à Renascença, a emitir ao final da tarde desta quinta-feira, Santana diz que “o sistema dos poderosos” era mais amigo de Sampaio do que seu.
A+ / A-

Pedro Santana Lopes diz que vai escrever um livro para responder ao mais recente volume da biografia de Jorge Sampaio. Mas vai desde já respondendo ao antigo Presidente, que, diz o ex-primeiro-ministro, dissolveu o Parlamento em 2004 para abrir caminho à eleição presidencial de Cavaco Silva. “Estou convencido que essa foi a principal razão”, diz Santana Lopes em entrevista à Renascença, que será transmitida ao final da tarde desta quinta-feira, depois das 19h00.

O antigo primeiro-ministro diz que Sampaio “estava muito empenhado na eleição de Cavaco Silva” e diz mesmo que chegaram a falar disso. “O sistema queria Cavaco Silva”, acredita Santana, dizendo que para Cavaco ser eleito, nas presidenciais de 2006, era melhor que o Governo fosse do PS porque havia a convicção de que os portugueses não punham “os ovos todos no mesmo cesto”.

Santana diz ainda que “o sistema” o via como “muito distante de Cavaco Silva” e receava que com ele na liderança do PSD o partido não apoiasse Cavaco com convicção.

“O sistema dos poderosos era mais amigo de Jorge Sampaio do que meu amigo”, afirma o actual provedor da Misericórdia de Lisboa, que também atribui culpas da sua queda a “algum sector financeiro e alguns empresários”.

O segundo volume da biografia de Jorge Sampaio chegou às livrarias esta semana. Escrito pelo jornalista José Pedro Castanheira, tem cerca de mil páginas e conta os anos da vida pública de Jorge Sampaio desde a sua eleição para a Câmara de Lisboa até à passagem de testemunho para Cavaco Silva na Presidência da República. Inclui, portanto, os anos de Sampaio Presidente e as crises políticas de 2004-2005, com a ida de Durão Barroso para Bruxelas, a nomeação de Santana Lopes para primeiro-ministro, a posterior dissolução do Parlamento e a demissão do Governo.

O autor teve acesso ao arquivo particular de Sampaio, entrevistou-o durante dezenas de horas e, como se lê na contra-capa, entrevistou mais 198 pessoas que se cruzaram com o biografado: amigos, rivais, colaboradores, apoiantes e críticos. Mas entre essas pessoas não está Santana Lopes que não gostou de ler no livro que Sampaio estava “farto” dele.

“Fartei-me do Santana como primeiro-ministro, estava a deixar o país à deriva - mas não foi uma decisão ad hominem. (...) Hoje faria o mesmo. De vez em quando é preciso dar voz ao povo - e percebi qual era o sentimento do povo”, diz Sampaio, citado na sua própria biografia.

Nesta entrevista à Renascença, Santana diz que não foi o povo que o Presidente ouviu, mas empresários e banqueiros reunidos na Cotec (associação empresarial para a inovação com o alto patrocínio do Presidente da República).

O antigo primeiro-ministro diz que nunca teve dúvidas de que a sua queda foi “uma decisão política deliberada” e manifesta-se disponível para uma conversa pública com Jorge Sampaio para esclarecerem como “pessoas dignas e civilizadas” o que chama mesmo de “factos alternativos” contados no livro.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • otário cá da quinta
    16 mar, 2017 coimbra 19:52
    Na verdade é uma vergonha o que se tem passado ao longo destes últimos 40 anos com os políticos que se apoderaram de Portugal e chego à triste conclusão que "melhor " teria sido os espanhóis tomarem conta cá da quinta. Santana Lopes há muito que devia ter dito o que possivelmente vai dizer agora, mas isto na politica é como nas touradas, CRÁVÃO O FERRO NO BOI, para que ele se enfureça e MARRE. SEMPRE DISSE QUE O PARTIDO SOCIALISTA, desde que Soares meteu o socialismo na gaveta, passou a fazer parte do PPD/PSD e assim enganando os eleitores. que ao votarem no PS, seria o mesmo que votar no PPD/PSD, e seriam e foram sempre estes dois partidos, com politicas iguais, sempre no poder e portanto a lixarem quem trabalha. Presentemente o que verifico, é que há uma grande desentendimento entre as pessoas das duas siglas, TALVEZ PELOS TACHOS, OU POR NÃO ENCOBRIMENTO DE TANTAS FALCATRUAS EFECTUADAS E SE VÃO DESCOBRINDO UNS AOS OUTROS, PARA SACUDIREM A ÁGUA DO CAPOTE COMO SE NADA DE MALFEITORIA TIVESSEM PRATICADO. Offshors , corrupção, roubo a quem trabalha, arrasto do povo à miséria, etc.. Fala-se em DEMOCRACIA neste país, como se ela fosse real, mas é com o rótulo de DEMOCRATAS que estes governantes têm TIRANIZADO OS PORTUGUESES, como se o se poder falar resolvesse algum problema, pelo contrário, nem policia precisam para saber se estamos a favor ou contra eles.
  • David Jorge
    16 mar, 2017 Algueirão 19:24
    Parece-me que com esta é a terceira vez qu escrevo um comentário na internet. Há muito que tenho observado e constatado que desde que as redes soicias tiveram o seu "Boom", que todo o cidadão legitimamente tem direito ao seu comentário sobre uma notícia ou artigo de opinião. Constatei igualmente o nível deplorável como a dita "Liberdade de Expressão" permite ofender gratuitamente qualquer um que não esteja de acordo com o nossa opinião. Ou és por mim, ou és contra mim, já alguém dizia...Daí reservar-me o direito de não entrar neste jogo, até porque a vida é curta, e tempo pode ser o nosso bem mais precioso! Como tal, vamos ao que interessa: Nunca votei no PSD, não tenho filiacão partidária, não me considero de esquerda ou direita. Agora parece-me que o Drº Santqana Lopes não fez um mau trabalho nos poucos meses em que lhe permitiram ser 1º ministro. Foi o partido que com mais de 90% dos votos o designou sucessor de Durão Barroso. O PSD e o CDS tinham maioria absoluta, embora com apenas mais um deputado de que toda a oposição, mas maioria. Eleita democraticamente. Assim como a actual coligação. Porque Jorge Sampaio dissolve a Assembleia? Talvez porque no seu apogeu na altura Francisco Louçã e o BLoco Esquerda, mais o PCP e toda a estrutura sindical associada, vieram para a Rua gritar aos sete ventos, a desgraça em que estava o País. O iva tinha subido de 19% para 21%. O que mais? Com o Governo seguinte, liderado por José Sócrates, o Iva passou para 23%, e o País chegou em seis
  • rosinda
    16 mar, 2017 palmela 18:27
    Se eu estivesse no lugar de santana lopes escrevia um livro com o seguinte titulo"resposta ao presidente da republica da mulher feia!
  • rosinda
    16 mar, 2017 palmela 18:12
    Afinal agora e que eu estou a entender isto! O badameco da mulher feia escreveu um livro a cortar na casaca de santana lopes entao o santana deve escrever outro em resposta!
  • Luis
    16 mar, 2017 Lisboa 12:16
    Os Portugueses já estão mais que enojados com a politica que se faz relativamente a problemas do presente. Ainda mais enojados ficam quando têm que estar a ouvir dois jarretas a discutir "pulhitiquices" do passado. Santana ainda está convencido que é um "Menino Guerreiro" daí querer guerrear com Sampaio. Surpreendente é não querer guerrear com o jarreta Cavaco. O jarreta Cavaco é que disse que havia que separar "a boa moeda da má moeda" e isso é que "matou" Santana. Ainda toda a gente se lembra de Santana todo lamuriento se queixar que se achava como um bébé a quem toda a familia dava nas ventas. Disso já esqueceu e rancor a Cavaco não tem, talvez tenha receio. Tudo não passa de conversas de jarretas de quem os Portugueses estão mais que fartos pois há quarenta anos que andam a levar com as suas jarretices estereis. Deveriam estar todos na paz do seu regato gozando as suas reformas douradas e as muitas mordomias que todos os Portugueses com muito sacrficio suportam. Já estão todos impróprios para consumo e fora de prazo.
  • VICTOR MARQUES
    16 mar, 2017 Matosinhos 11:27
    Zangam-se os "compadres"...será que descobrem as VERDADES???!!!...
  • DR XICO
    16 mar, 2017 Lisboa 11:18
    Santana devia estar calado para ver se não perde a pouca credibilidade que ainda tem. O povo não esquece a mediocridade do seu governo, (PORTOCALE lembras-te Santana) Santana Lopes é um papagaio de televisão, um Boy do PSD que tem bons tachos mas que nunca foi capaz de realizar nada neste país.
  • André Souza
    16 mar, 2017 Alverca 09:55
    Eu concordo consigo sr Santana Lopes. Acho bem que desafie essa esquerda "balofa" que tudo perdoam...veja-se o que faz o BE e Partdio Comunista atualmente.!! O sr Sampaio, tal como o sr Cavaco deveria estar calados. Por exemplo: em Lisboa, os buracos, os problemas de estacionamento se fosse no tempo do sr Santana....já tinha caído o Carmo e a Trindade...como são "esquerdóides no poder" faz-se de conta que não é nada. Triste Povo este!
  • 16 mar, 2017 aldeia 09:34
    Está na moda os políticos escreverem livros.....para se desculparem?para contar inverdades?ou para ????????
  • assunção arrabites
    16 mar, 2017 porto 09:14
    Ao contrário daquilo que diz este senhor, este convencido dos sete costados o sabe tudo e no fim não sabe nada tanta é a ignorância quer convencer-nos que os portugueses queriam cavaco para presidente quando diz “O sistema queria Cavaco Silva”, porque os portugueses não punham “os ovos todos no mesmo cesto”. o culpado não é ele é quem lhe põe um micro à frente e quanto maior é a asneira melhor, eu enquanto portuguesa vou dizer da minha justiça, também tenho direito, nós, além de não querermos o cavaco silva como presidente também não queremos santana lopes, a diferença foi que se descobriu isso tarde de mais em relação ao presidente da republica, quanto ao 1 ministro da altura, santana lopes foi logo na hora