O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Morais Sarmento. “Acusação pouco sólida na Operação Marquês poria em causa a Justiça portuguesa”

15 mar, 2017 - 11:43 • José Pedro Frazão

Antigo ministro da Presidência diz ser insuportável não haver ainda uma acusação no caso que envolve José Sócrates e considera que eventuais novos indícios não devem travar a formulação de um desfecho desta fase do processo até sexta-feira.
A+ / A-
Morais Sarmento. “Acusação pouco sólida na Operação Marquês poria em causa a Justiça portuguesa”
Morais Sarmento. “Acusação pouco sólida na Operação Marquês poria em causa a Justiça portuguesa”

Veja também:


O antigo ministro social-democrata Nuno Morais Sarmento defende que a própria Justiça em Portugal “está em julgamento” no desenrolar do processo conhecido como “Operação Marquês”. No programa “Falar Claro”, da Renascença, o comentador, militante do PSD, defende que o caso vai ter sempre algum impacto cuja magnitude vai depender muito da forma como este processo se conclua.

“Está em causa a justiça relativamente aos arguidos constituídos e aos factos que resultam ou não dos indícios que conhecemos. Mas está em julgamento também a própria Justiça. A não concretização deste processo numa acusação muito sólida poria em causa a Justiça e os termos em que ela tem operado. Porque foi essa mesma Justiça que se sentiu suficientemente confortável para concretizar os indícios numa investigação e pedir a medida de coacção mais grave - a prisão preventiva - e que depois que não era capaz de traduzir isso numa acusação”, sustenta o social-democrata.

Para o advogado “começa a ser insuportável em termos jurídicos a defesa de uma investigação que se sentiu suficientemente sólida para determinar a prisão de um ex-primeiro-ministro, mas que não se sente suficientemente sólida para dar à luz uma acusação”.

É possível acusar até sexta

Morais Sarmento espera que a acusação seja formulada até sexta-feira, prazo definido pela Procuradora-Geral da República neste processo onde o principal arguido é José Sócrates.

“Porque é que isto é conciliável com a complexidade do processo? Porque a acusação não tem que abranger a totalidade dos factos que foram objecto de investigação até agora. Espero que, face a uma situação destas, tenha existido tempo suficiente para investigar os factos que determinaram a abertura do inquérito”, diz o antigo ministro do PSD na Renascença.

Sarmento defende a tese de que em relação aos factos posteriormente envolvidos neste processo, podem ser extraídas certidões que dão lugar a processos autónomos.

Pela reforma do Processo Penal

O comentador social-democrata considera que o modelo de processo penal em Portugal precisa de ser reformado, incluindo uma alteração no funcionamento do Ministério Público.

“Não me parece possível qualquer reforma que se pretenda fazer do manifesto não-funcionamento do conjunto do aparelho de justiça em termos de acusação no processo penal que não inclua a reforma da organização do Ministério Público”, afirma.

Uma tese que não merece total concordância de Vera Jardim, antigo ministro da Justiça, para quem o modelo de Justiça processual penal “tem fragilidades, mas uma reforma global e total não se justificará. Estou aberto a discutir isso com outras pessoas. Essa discussão não tem sido feita e deve ser feita em profundidade nos últimos anos”.

No entanto, o histórico socialista considera que essa discussão não deve ser feita enquanto corre este processo, não aconselhando mexidas no sistema com base num processo mediático.

“Não é bom. Já tivemos experiências de mudar coisas no Processo Penal por causa de outros processos e já devíamos ter aprendido que essa não é uma boa maneira de fazer reformas seja onde for. E sobretudo em questões tão complexas como o Processo Penal, que põe em causa os direitos, liberdades e garantias dos cidadãos. O Processo Penal é uma segunda Constituição”, sustenta José Vera Jardim.

As culpas das fugas de informação

Os comentadores do programa “Falar Claro” descartam atribuir responsabilidades exclusivas ao Ministério Público por violação do segredo de justiça em processos mediáticos.

“Não é obrigatoriamente o Ministério Público, porque há vários intervenientes. Não faço essa acusação, até porque ocupei o lugar de Ministro da Justiça e sei como é que as coisas às vezes se passavam”, assegura Vera Jardim, recordando que há muitos intervenientes com acesso ao processo. “São sobretudo agentes da justiça e obviamente há um entendimento com certos órgãos de comunicação social”, complementa o advogado que milita no PS.

Morais Sarmento subscreve este ponto. “Como advogado, acompanho-o nessa impossibilidade de resumir isto ao Ministério Público”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cândido Quintas
    15 mar, 2017 Lisboa 15:49
    Poderá por em causa o modo como o PSD vê a justiça, mas não põe em causa os direitos, liberdades e garantias.
  • Moi meme
    15 mar, 2017 15:43
    o mundo dá muita volta !
  • melough
    15 mar, 2017 Faro 15:15
    ....Pela história das situações que foram acontecendo (empréstimos de milhares de euros para gastos) cheira-me que não é só por ser amigo que tal sucedeu. mas crime? Isso é que é complicado de provar. Foi aparentemente tudo bem montado.
  • Manuel Sá
    15 mar, 2017 Porto 14:49
    Uma verdade de la Palisse. E ganham fortunas, estes morais sarmentos !!!!!!!!
  • JC
    15 mar, 2017 charneca da caparica 14:20
    Estou ansioso por ver as provas solidas que o MP vai apresentar, Espero que este processo não se transforme na maior vergonha da justiça portuguesa. Pelo que se tem visto tudo indica que é um autentico fiasco !!!!!
  • 15 mar, 2017 14:13
    um espanto !
  • Almocreve
    15 mar, 2017 Lisboa 14:09
    Poria...? Põe!
  • Mafurra
    15 mar, 2017 Lisboa 14:01
    Ó sr. Nuno Morais Sarmento, então a Justiça em Portugal está em julgamento no desenrolar DESTE processo ? Que eu saiba, e o senhor também, a justiça em Portugal já há muito tempo que não passa dum Ministério de Leis. Porque a justiça tem andado pelas "ruas da amargura". Seria FASTIDIOSO enumerar todos os casos em que a justiça "assobiou para o lado". E o senhor conhece tão bem ou melhor do que eu esses casos mais escaldantes. 99 % arrefeceram. Ainda houve quem assoprasse para arrefecer mais depressa, ou esqueceram-se deles numa gaveta até prescreverem. Se os quiser relembrar, corre no You Tube uma lista com os mais "saborosos". E nessa altura não o ouvi dizer que a justiça em Portugal estivesse em Julgamento ! Só pode ter sido por esquecimento...
  • tuga
    15 mar, 2017 lisboa 13:44
    este também arranjou um bom tacho para não dizer nada de jeito!!! por mim comentadores políticos mudo de imediato de canal!!!
  • Fernando Tavares
    15 mar, 2017 Lisboa 13:33
    Atendendo a que a "justiça?" não pode ficar mal vista, não se esqueçam que o homem roubou uma melancia ao merceeiro quando era puto.