O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-
Hora da Verdade

Arménio Carlos. "Governo tem de pagar o que deve aos funcionários públicos"

09 mar, 2017 - 00:00 • Raquel Abecasis (Renascença) e Vítor Costa (Público)

Secretário-geral da CGTP, convidado para a entrevista Renascença/Público, não vê com bons olhos alterações nos critérios que levam à progressão de carreiras na Administração Pública.
A+ / A-
"Governo tem de pagar o que deve aos funcionários públicos", diz Arménio Carlos

Veja também:


A possibilidade de serem alterados os critérios que levam à progressão de carreiras na Administração Pública depois do prometido descongelamento em 2018 ameaça ser um foco de conflito com a CGTP. Na entrevista "Hora da Verdade", uma parceria Renascença/Público, Arménio Carlos deixa claro que o ponto de partida para qualquer negociação é o pagamento dos créditos de que os trabalhadores gozam.

Como vê as alterações que estão previstas em matéria de progressão de carreiras na Administração Pública?

As notícias que foram divulgadas são preocupantes, desde logo, porque entendemos que os compromissos têm idêntico valor, sejam assumidos com as parcerias público-privadas ou assumidos com os trabalhadores. Ora, os trabalhadores da Administração Pública nos últimos anos tiveram as progressões congeladas, mas foram avaliados, portanto, é altura de receberem o que têm direito.

Não aceitamos que se invoque o cumprimento dos compromissos, nomeadamente, com as parcerias público-privadas, com os swaps e depois se desconsidere os compromissos com os trabalhadores. Os compromissos são de idêntico valor e de idêntica dignidade.

O Governo tem que assumir as suas responsabilidades pagando o que deve aos trabalhadores.

Não admite nenhuma alteração de regras?

O que dizemos é que em primeiro lugar é preciso concretizar o que está comprometido…

Ou seja?

Pagar o que se deve aos trabalhadores

De acordo com as regras anteriores?

É por aí que se tem que começar. Depois, concretizar o descongelamento e depois discutir as formas de o implementar.

Mas admite que o descongelamento das progressões possa ser feito sem as regras que estavam em vigor antes das progressões serem congeladas?

O Governo tem que apresentar propostas concretas. Depois os nossos sindicatos, nomeadamente a Frente Comum, não deixarão de se pronunciar.

Admite que possa haver negociação?

É prematuro estar a admitir seja o que for, quando ainda não sabemos se o Governo vai cumprir, como entendemos que deve cumprir, com o ressarcimento dos trabalhadores da Administração Pública, ou seja, o pagamento dos créditos que lhes são devidos.

No fundo é receber retroactivos e daí para a frente admite que possa haver novas regras?

É a concretização dos compromissos. Não aceitamos que os trabalhadores da Administração Pública sejam tratados como trabalhadores de segunda ou credores de terceira ou de quarta categoria.

Os trabalhadores da Administração Pública são credores do Estado porque foram avaliados e não viram concretizados a actualização dos respectivos salários pela via das progressões. Portanto, são credores. Se são credores têm que ser respeitados. Se têm que ser respeitados, o Governo tem que pagar. Depois vamos discutir o resto.

Não admite que as contingências orçamentais levem à tentativa de encontrar novas regras que possam, no fundo, conciliar o descongelamento com uma execução orçamental praticável?

Sabemos que há constrangimentos, sabemos que há pressões, sabemos inclusive que a União Europeia não vê com bons olhos aquilo que se está a passar em Portugal. Mas agora, é preciso ir mais longe.

Ainda que isso leve ao incumprimento das regras do défice?

Não. O défice pode ser reduzido de outra forma. Reafirmamos, por exemplo, o problema das parcerias público-privadas. O Estado Português vai gastar em 2017, 1,6 mil milhões de euros com as parcerias público-privadas. É admissível que esta matéria não seja renegociável? Tem que ser renegociada. Aqui pode-se reduzir, como se pode reduzir no que respeita à entrega de serviços da Administração Pública à iniciativa privada.

Depois de se ter concluído a reversão dos cortes salariais na Administração Pública, admite que em 2018 possa não haver aumentos salariais?

Uma possibilidade dessa natureza é o mesmo que dizer que estamos confrontados com uma amputação do direito de negociação. Aliás, é aquilo que temos neste momento. Qualquer linha de intervenção que permita ou que preveja a amputação do direito de negociação, nomeadamente, pelo congelamento dos salários dos trabalhadores da Administração Pública no próximo ano, não tem apoio como, inclusive, terá da parte da CGTP uma grande contestação.

O Governo está a avaliar quais são os precários no Estado realmente necessários. O que é aceitável para a CGTP?

A um posto de trabalho permanente deve corresponder um vínculo de trabalho efectivo. É tão simples como isto. Não podemos aceitar que, ao mesmo tempo que se diz que se é contra a precariedade, contra os baixos salários e contra este modelo que vai empobrecendo o país, continuemos a assistir à contratação de trabalhadores por três horas diárias, com o preço de três euros e 67 cêntimos à hora. É uma vergonha, um escândalo. Não nos vamos calar enquanto isto acontecer.

O relatório já apresentado pelo Governo aponta para que muito dos precários podem não ser necessários…

Pelas nossas contas deve haver à volta de 116 mil trabalhadores com vínculos precários na Administração Pública e a esmagadora maioria deles ocupa postos de trabalho efectivos. Portanto, o que desejamos é que não haja manipulações nesta matéria e que sejamos sérios e rigorosos. A questão da precariedade tem de ser resolvida na Administração Pública, mas tem que se ir mais longe porque a esmagadora maioria dos trabalhadores com vínculos precários estão no sector privado e no sector privado tem que se tomar medidas de fundo, mesmo que isso contrarie alguns dos interesses instalados. De uma vez por todas que se acabe com esta vergonha.

Mas como se consegue fazer isso tudo e, ao mesmo tempo, pagar a dívida, cumprir as regras do tratado orçamental…

Continuamos a ser criativos, a ter ideias, a apresentar propostas e a demonstrar que é possível. Se nos tivéssemos resignado ao que nos diziam durante a troika provavelmente estávamos na mesma situação que anteriormente.

Valorizamos muito a reversão da política dos cortes nos salários e nas pensões e, valorizamos ainda mais a política de reposição de rendimentos e de direitos. Mas entendemos que a pior coisa que nos podia acontecer seria, depois desta fase, que devemos valorizar, entrássemos numa fase de estagnação. E por isso dizemos que este é o momento de dar um impulso para que o processo seja evolutivo.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • P/RR
    10 mar, 2017 RR/A hipocrisia 16:48
    Então vocês publicam quem vem para aqui chamar de chulos e quem vem se mostrar contra direitos dos trabalhadores, desrespeitando-os, discriminando trabalhadores públicos, chamando-os de parasitas, mas não publicam os outros comentários? Afinal estão do lado de quem? Cambada de papagaios. Fantoches! Tenham vergonha hipócritas! Fascistas! Eu nunca me cansarei de vos criticar! Vocês conseguiram o meu desprezo.
  • observandoparvos
    10 mar, 2017 corneta 15:41
    "CUMANDA INÚTEIS" parasitas da funç. pública? E quem cumanda a tua estupidez???!!!! É com cada cromo! Lá na tua terra também há burros destes???!!!!
  • isidoro foito
    10 mar, 2017 elvas 12:11
    o governo tem que acabar é com os sindicatos comunistas que são uma cambada de xulos a comerem á conta dos contribuintes e a fazer politica para o PCP, só servem para destruir e desestabilizar o pais com greves e manifestações, e assim não se vai a lado nenhum , fora com esta cambada de abutres , chulos da sociedade e dos trabalhadores
  • RC Victor
    09 mar, 2017 Lx 18:53
    Governo tem que pagar? Claro com o dinheiro ageringonçado dos que não são FP e dos que continuam a emprestar sem qualquer garantia!
  • Artur Pereira
    09 mar, 2017 Setúbal 17:51
    Eu não mudei de escalão em 2007 e 2011.Está em vigor o congelamento de salários iniciado em 2010.Reformei-me em 2012.Não acredito que alguém receba alguma coisa do que ficou para trás.Até porque ao fim de uma ano de abandonar a empresa ,o trabalhador perde o direito a eventuais créditos.
  • JULIO
    09 mar, 2017 vila verde 14:10
    Este senhor cumanda os inuteis parasitas da fp que arruinam portugal, é dois para fazer o trabalho de um .Portugal com oito milhões de abitantes tem tantos fp como a alemanho com oitenta e dois milhões aja vergonha parasitas
  • Será possíve????
    09 mar, 2017 Vai-te encher de moscas/nojento 12:49
    Será possivel??!!! Leio e não acredito???!!! Tanta ironia! Ou isto é estupidez a mais ou então o vira o disco e toca o mesmo, no fundo o que mostra é a indignação pela reposição de mais uma hora que foi roubada aos trabalhadores, prejudicando assim os coitadinhos dos patrões. Alguns por mais que incham o bucho. Por mais que comprem carros de luxo e arrotam fartura. Ah e aqueles que vão por nos ofshores, contribuindo para mais austeridade, estes coitadinhos é que têm sido muito penalizados, malvados dos funcionários públicos, são eles os culpados de tudo. Será possível que ainda queiram mais direitos? Pois eles andam todos na boa vida, merecem ser castigados. Que se corte já as férias e metade do salário, o salário de 700 euros dá para pagar casa, as despesas do mês a alimentação, ir para o restaurante todos os dias comer almoços, comprar um helicóptero para passear nas férias ou ir para as caraíbas. Leio e não acredito, como é possível haver gente que ainda reclama. Vai-te encher de moscas merd-s@
  • Azevedo Santos
    09 mar, 2017 Porto 12:43
    A CGTP politicamente apoiado pelo PCP não vai além de apoiar a Função Politica, e dentro desta mais alguns sectores do que outros, e todos sabem quais. Por isso mesmo não vai além de um apoio popular de cerca de 10%. Quanto à sociedade que defende, onde está ela?
  • será possivel ......
    09 mar, 2017 Trafaria 12:05
    Esta malta está contra os funcionários públicos ????? Nada disso !!!! Esta verborreia toda é simplesmente porque esses bardamerdas cobardolas têm inveja dos funcionários públicos e descarregam aqui as suas fragilidades e ignorâncias. A CGPT defende os funcionários públicos e aqueles artolas estão contra porque também queriam que o Arménio Carlos defendesse os interesses deles. E os Sindicatos do privado defendem o quê ? Almoços e jantares e passeios de borla ? Esses é que são pagos defenderem os trabalhadores privados ? Estão com inveja de nós termos cá o Arménio do nosso lado ? São uns pobres. E calem-se porque a Avoila tá de férias, e quando vier é que vai ser aumentos de 45 %, 58 dias de férias, e vocês a trabalhar porque o país não pode parar ...... Agora se não se importarem, vou almoçar com os meus 4 euricos que o Arménio me conseguiu abixar depois de grande luta e gritaria. Pouco menos é que no privado, mas também os privados comem mais e são mais pançudos.
  • leio e não acredito
    09 mar, 2017 Trafaria 12:01
    Esta malta está contra os funcionários públicos ????? Nada disso !!!! Esta verborreia toda é simplesmente porque esses bardamerdas cobardolas têm inveja dos funcionários públicos e descarregam aqui as suas fragilidades e ignorâncias. A CGPT defende os funcionários públicos e aqueles artolas estão contra porque também queriam que o Arménio Carlos defendesse os interesses deles. E os Sindicatos do privado defendem o quê ? Almoços e jantares e passeios de borla ? Esses é que são pagos defenderem os trabalhadores privados ? Estão com inveja de nós termos cá o Arménio do nosso lado ? São uns pobres. E calem-se porque a Avoila tá de férias, e quando vier é que vai ser aumentos de 45 %, 58 dias de férias, e vocês a trabalhar porque o país não pode parar ...... Agora se não se importarem, vou almoçar com os meus 4 euricos que o Arménio me conseguiu abixar depois de grande luta e gritaria. Pouco menos é que no privado, mas também os privados comem mais e são mais pançudos.