O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
revista de imprensa

Progressos sim, mas...

23 fev, 2017 - 10:30 • Teresa Almeida

Na primeira linha, a avaliação à economia portuguesa feita pelo FMI e pela Comissão Europeia. É o resultado da quinta avaliação pós-programa de resgate, que revela progressos positivos em áreas como a redução do défice ou a liberalização do mercado de trabalho, mas continua a ser pedido “mais” ao Governo português.
A+ / A-
Revista de Imprensa de temas europeus 23-02-2017
Revista de Imprensa de temas europeus 23-02-2017

Tanto o FMI como Bruxelas dizem que é preciso fazer “mais” na área do mercado de trabalho. Ambas as instituições juntam-se à receita da OCDE dada no início do mês. Segundo o JN e quase todos os jornais portugueses, significa menos privilégios para os trabalhadores do quadro. Este maior optimismo também não impede as criticas à consolidação, sobretudo da banca. O Negócios diz que uma consolidação na despesa seria mais eficaz e segura.

Outro tema que não pára de ser falado na imprensa é o Brexit, e desta vez o líder trabalhista volta a defrontar-se com contestação interna. Agora tem duas eleições, uma delas num centro industrial que votou a favor da saída no referendo, apenas meio ano após ter assumido a liderança do maior partido da oposição, Jermey Courbin depara-se com uma encruzilhada em que tem de decidir que postura terá o “Labour”.

Ainda na Imprensa, pode o Brexit fazer da Escócia uma nova Gronelândia? O DN retoma um caso que remonta a 1995 quando a Gronelândia disse adeus à EU, mas continuou a ser gerida pela Dinamarca, que se manteve como Estado-membro. Foram 3 anos de negociações e o processo pode repetir-se agora no caso da Escócia face ao Reino Unido, mas ao contrário.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.