O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​“Caminhada pela Mudança” prepara vinda do Papa a Fátima

27 fev, 2017 - 18:19 • Ângela Roque

Iniciativa da Fundação Fé e Cooperação inspira-se na encíclica ecológica do Papa e alerta para a necessidade de criar novos hábitos de consumo.
A+ / A-

Começou em Janeiro a “Caminhada pela Mudança”, uma iniciativa da Fundação Fé e Cooperação (FEC) inspirada na encíclica ecológica do Papa Francisco, “Laudato Si”.

Trata-se de uma jornada de sensibilização para que sejam cada vez mais os que tomam consciência da necessidade de adoptar hábitos de consumo que não tenham impacto negativo nas alterações climáticas, nem no modo de vida e desenvolvimento dos países mais pobres.

A iniciativa nasceu a partir de outra que a FEC tinha lançado há um ano e meio, o “Juntos pela Mudança - em defesa de estilos de vida mais sustentáveis”.

“Entre as actividades programadas já estava previsto irmos a pé a Fátima este ano”, diz Margarida Alvim, da FEC. Quando foi confirmado que o Papa visitaria a Portugal, a FEC quis aproveitar a oportunidade “para fazer uma caminhada com uma preparação especial”.

A “Caminhada pela Mudança” começou em Janeiro. A FEC lançou um guião com um tema e um desafio para cada mês, até Maio, para ajudar as pessoas a reflectir sobre o que podem mudar nos seus estilos de vida e de consumo, contribuindo dessa forma para mudar o planeta.

“É um guião muito simples, dividido por cinco capítulos, a partir dos próprios capítulos da encíclica ‘Laudato Si’. Em cada capítulo propomos a reflexão sobre um tema específico, ao nível da energia, da água, da alimentação, dos transportes e da participação em espaços públicos, que, no fundo, são bens que na ‘Casa Comum’ todos deveríamos ter acesso, mas não é a realidade que encontramos”, explica Margarida Alvim.

Pode-se participar dando vida às propostas a nível pessoal ou nas comunidades que cada um integre. Há gente a participar a partir de vários pontos do país e da Europa, cujas histórias têm sido partilhadas no Facebook da FEC.

A “Caminhada pela Mudança” culminará com um acampamento internacional na Associação Casa Velha, em Ourém, um espaço onde se promovem encontros e retiros em contacto com a natureza.

O acampamento, que terá representantes de cinco países da CIDSE (a rede de agências católicas para o desenvolvimento), vai decorrer entre 9 e 12 de Maio. No final, os participantes irão a pé até Fátima.

A experiência, diz Margarida Alvim, ajudará a perceber “o que é isto de um estilo de vida mais sustentável, pela simplicidade, pela partilha, pelo encontro e o diálogo entre pessoas tão diferentes”.

“Será um momento, sem dúvida, especial para preparar a vinda do Papa Francisco, com toda esta experiência destes meses e deste acampamento”, remata.

Um dia com apenas um balde de água

A “Caminhada” tem uma parte de reflexão e outra de atitudes concretas. “Em Fevereiro o tema foi o da água, e o guião da FEC sugeriu uma viagem por algumas realidades do mundo que tocam este tema”, exemplifica. Um dos desafios foi “experimentar um dia tomar banho só com a água que temos de um balde, que é o que acontece em muitos pontos do mundo.”

Em Janeiro o tema foi o da energia, e o desafio foi outro: “Foi fazermos o nosso ‘acordo de Paris’. Ver como seria na nossa casa fazermos um acordo quanto ao clima, para gerir melhor os gastos de energia e da água.”

Em Março o tema será o da alimentação, em Abril o dos transportes, “para pensarmos melhor e gerirmos melhor as nossas deslocações”. Em Maio será o dos espaços públicos: “pensar como nós temos este privilégio de poder participar, por exemplo, em eleições, e como isso ainda não é acessível em tantos países do mundo.”

Entre os desafios lançados pela FEC está ainda o de fazer quilómetros pela mudança. “Durante estes meses, até Maio, podermos percorrer a pé, de bicicleta ou transportes públicos, alguns quilómetros que simbolicamente nos unem a esta causa. É como se fosse uma prova de estafetas – percorro um quilómetro a pé e, no final, encarrego-me de divulgar o guião a alguém, ou faço uma reflexão com um grupo, e vamos acumulando quilómetros por esta causa”.

As inscrições para o acampamento estão abertas até 31 de Março e para a Caminhada até ao fim de Abril.

A “Caminhada pela Mudança” é uma iniciativa em parceria com a Associação Casa Velha – Ecologia e Espiritualidade e a CIDSE (rede de agências católicas para o desenvolvimento de 17 países da Europa e América do Norte), e tem o apoio do Instituto Camões.

Este foi um dos temas do espaço informativo das 12h00 na Renascença, em que às segundas-feiras damos destaque aos assuntos sociais, de solidariedade e ligados à vida da Igreja.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Basto
    28 fev, 2017 Porto 11:17
    «675. Antes da vinda de Cristo, a Igreja deverá passar por uma prova final, que abalará a fé de numerosos crentes (639). A perseguição, que acompanha a sua peregrinação na Terra (640), porá a descoberto o «mistério da iniquidade», sob a forma duma impostura religiosa, que trará aos homens uma solução aparente para os seus problemas, à custa da apostasia da verdade.» (Catecismo da Igreja Católica) - Eu proponho aqui um desafio, tentem encontrar elementos verdadeiramente católicos no texto desta notícia ou na fonte citada. Não é que seja impossível, mas também não será fácil... De um momento para ou outro, dentro da nossa Igreja, Cristo e a sua doutrina passaram a ser substituídos por questões ambientais, a preocupação com a salvação das almas deu lugar à preocupação com as emissões de carbono e a palavra "comum" passou a ser mais frequente no discurso católico do que na bancada do PCP na Assembleia da República. Pensem nisso!