O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
fora da caixa

Crise na Roménia e o regresso às ruas

08 fev, 2017 - 22:59 • José Pedro Frazão/António Vitorino/Santana Lopes

As manifestações contra o Governo e contra um decreto que descriminalizava alguns casos de corrupção marcaram os últimos dias. Muitos anos após Ceausescu, os romenos voltaram às ruas e quase faziam cair o Governo.
A+ / A-
Fora da Caixa - Protestos na Roménia e escândalos em França - 08/02/2017
Fora da Caixa - Protestos na Roménia e escândalos em França - 08/02/2017

"Com todo o respeito, alguns dos países do leste da Europa não conseguiram extinguir alguns dos comportamentos que eram comuns nos regimes ditatoriais”, afirma Santana Lopes.

António Vitorino diz que a questão da corrupção “é recorrente na Roménia e que, desta vez, assistiu-se a uma inédita reacção da sociedade civil, de organizações que obrigaram o poder político a recuar e não aprovar um branqueamento de casos relacionados com políticos romenos”.

França: escândalos para quase todos

Em França, François Fillon está numa situação complicada, devido ao processo de emprego da mulher e dos filhos e estará a pagar o preço, ao estar abaixo de Macron das sondagens. Santana Lopes define Macron como um “falso” centro, ex-socialista, que pode ganhar votos à esquerda e à direita, com um passado empresarial e jovem, e que pode congregar os votos necessários numa segunda volta.

António Vitorino acha que os “escândalos que vão aparecendo estão a condicionar os resultados das eleições”. O ex-comissário acha que Fillon “não vai desistir da corrida, mesmo tendo dois terços dos seus potenciais eleitores a achar que devia desistir, até porque já não há tempo de encontrar um candidato republicano”.

As diferenças entre a mensagem de “regeneração” de Macron e de Le Pen foram, também, analisadas pelos dois comentadores do Fora da Caixa. As ideias de Le Pen anti-europeístas e anti-NATO podem ser perigosas se a candidata chegar ao Eliseu, por se tratar de mais um populista a chegar ao poder num dos países mais poderosos do mundo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.