A+ / A-
revista de imprensa

Pence veio redefinir relações EUA-UE

21 fev, 2017 - 10:30 • Manuela Pires

Os jornais dão conta esta manhã da visita do vice-presidente dos Estados Unidos às instituições europeias.
A+ / A-
Revista de Imprensa de temas europeus 22-02-2017
Revista de Imprensa de temas europeus 22-02-2017

Mike Pence esteve ontem em Bruxelas e o El Mundo diz que, depois de três meses e choques e desencontros por causa das provocações de Donald Trump, os Estados Unidos e a União Europeia enterram o machado de guerra. Mike Pence chegou a Bruxelas com uma mensagem de cordialidade, entendimento e cooperação e garantiu que o compromisso dos Estados Unidos com a União Europeia é firme e duradouro. Entre ambos existe uma herança comum e um compromisso de paz. Mike Pence fez estas declarações ao lado de Donald Tusk, o presidente do Conselho Europeu, que foi o único em Bruxelas que enfrentou a Administração Trump, dizendo que era “uma ameaça para a União Europeia”.

O jornal francês Le Monde dá conta da cimeira a 4 marcada para o dia 6 de Março em Versailles, que vai juntar a França, a Alemanha, a Itália e Espanha. Diz o jornal que a ideia de uma União Europeia de geometria variável faz o seu caminho, uma união a várias velocidades, e que a Cimeira tem um formato inédito porque normalmente quando os dirigentes não se entendem eles tentam fazer parcerias a dois.

Na agenda vai estar a preparação da Cimeira de Roma a 25 de Março, e o relançamento de um projecto comum perante a saída do Reino Unido e a instabilidade gerada pela presidência de Donald Trump.

No El Pais, notícias sobre a Grécia. Atenas conseguiu ganhar tempo à espera de um acordo definitivo. As instituições vão regressar ao país na próxima semana, mas a revisão do plano do resgate continua ainda bloqueada.

Ontem foi assumido um compromisso entre os credores e a Grécia, mas isso apenas significa o regresso das equipas técnicas para discutir a segunda revisão do terceiro resgate, de 86 milhões de euros em três anos. Uma verba que está bloqueada desde Dezembro, porque implica a aceitação por parte do Governo de Atenas de medidas adicionais a partir de 2019.

No Jornal de Negócios, o artigo de opinião de Serguei Guriev sobre a arte da integração europeia. Diz o economista-chefe do Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento que, para a União Europeia continuar a ser um farol de abertura e de democracia liberal, deve prosseguir com a integração. O Brexit não tem de prenunciar a morte da União. Em vez disso, pode funcionar como um alerta, estimulando medidas para resolver os problemas da União Europeia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.