O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Espanha. Infanta absolvida e marido condenado no caso Nóos

17 fev, 2017 - 11:25

Cristina tem de pagar uma multa por responsabilidade civil e Iñaki Urdangarin foi condenado a seis anos e três meses de prisão.
A+ / A-

Acaba de ser conhecida, nesta sexta-feira de manhã, a sentença do Caso Nóos, que envolve a irmã mais nova do rei de Espanha.

A Infanta Cristina foi absolvida, enquanto o marido, Iñaki Urdangarin, foi condenado a seis anos e três meses de prisão.

Cristina de Borbón era suspeita de evasão fiscal. Urdangarin foi condenado por prevaricação, desfalque, fraude, tráfico de influências e delitos fiscais associados a desvio de dinheiros públicos.

O tribunal considerou, contudo, que havia responsabilidade civil da parte da Infanta, dado que era administradora do Instituto Nóos, juntamente com o marido. Impôs-lhe, por isso, uma multa de 265 mil euros.

Iñaki Urdangarin deverá pagar, por seu turno, uma multa de 512 mil euros.

Uma vez conhecida a sentença, e segundo o jornal "El País", a infanta deverá mudar-se com os quatro filhos para Portugal.

Nos últimos três anos, a família tem vivido em Genebra, na Suíça.

O Instituto Nóos é uma organização sem fins lucrativos, com sede em Palma de Maiorca, que Iñaki Urdangarin, cunhado do rei Felipe VI, fundou e presidiu entre 2004 e 2006.

No banco dos réus estavam mais 15 arguidos, acusados de desvio de fundos públicos. Um deles é Diego Torres, antigo sócio de Iñaki Urdangarin e que foi sentenciado a oio anos e seis meses de prisão.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • carlos henriques
    17 fev, 2017 almada 19:56
    Bem dito é o fruto seja feita justiça
  • pedro
    17 fev, 2017 lisboa 11:39
    Isto sim é uma justiça que funciona. Parabéns Espanha!
  • joa
    17 fev, 2017 Lisboa 11:36
    O facínora do pai da fulana como disseram nas noticias estava disposto a comprar o silência oferendo 2 milhões que saqueou aos contribuintes para não denunciarem a a fulana! Mais uma prova que essa "realeza" podre, inutil e parasita já não tem razão de existir! São inuteis parasitas do pior que nunca fizeram nada na vida a não ser gastar à grande o dinheiro que lhes dão do povo, inaceitavelmente! Cheios de vícios, escândalos, banquetes, rendas de borla, tudo pago pelos contribuintes! É caso para dizer: ide trabalhar malandros! que os obriguem a pagar tudo do bolso deles, não são mais que os outros! Claro que a máfia instalada não quer alterações e provavelmente cozinhou a decisão, para não incomodar a o sistema podre instalado da "realeza"! Há muitos interesses sinistros à volta, contra os interesses do povo espanhol!