O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Vistos gold. ​Ex-director do SEF diz que estava em ligação directa com Paulo Portas

14 fev, 2017 - 17:01 • Susana Madureira Martins

Em tribunal, Manuel Jarmela Palos diz que o antigo MNE deu instruções aos diplomatas para se envolverem no programa de autorizações de residência.
A+ / A-

O ex-director do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) Manuel Jarmela Palos disse esta terça-feira ao colectivo de juízes que foi "Paulo Portas quem criou o programa" dos vistos dourados e que havia uma ligação quase directa entre o SEF e o gabinete do então ministro dos Negócios Estrangeiros.

Jarmela Palos disse ainda, em resposta ao advogado que o defende, João Medeiros, que "sempre que Paulo Portas se deslocava ao estrangeiro os vistos dourados estavam na agenda".

O ex-director nacional do SEF revelou ainda que "houve contactos com todas as embaixadas para que se envolvessem neste programa" e que esse "apelo foi reforçado em circulares em que se referia a necessidade de um regime prioritário de vistos a potenciais candidatos a investidores"

Durante a manhã desta terça-feira, segundo dia do processo, Jarmela Palos voltou a insistir que era "habitual" haver pedidos de várias origens sobre estes processos.

Relativamente "à meia dúzia de vezes" que António Figueiredo, ex-presidente do Instituto de Registos e Notariado (IRN) e também arguido neste processo, o "interpelou", Jarmela Palos garante que nunca o dirigente do IRN lhe "pediu tratamento preferencial" sobre qualquer processo.

Como director do SEF, nunca deu "orientação aos serviços de tratamento de excepção", reforçou.

Ficou a garantia ao colectivo de juízes que as diligências que Jarmela Palos desenvolveu a pedido de Figueiredo "não foram nem mais nem menos" do que as que desenvolveu "em relação a outros pedidos”, ou seja, "mandava para os secretariados que depois mandavam para os serviços".

As garrafas e o dinheiro

Manuel Jarmela Palos explicou aos juízes que estava de férias quando António Figueiredo foi ao SEF entregar-lhe "uma pinguinha" – duas garrafas de vinho de oferta.

Jarmela Palos garante que respondeu a Figueiredo que "não valia a pena" dar-lhe as garrafas, que terão sido recebidas pelas secretárias do ex-director nacional do SEF.

A acrescentar ao vinho, António Figueiredo terá também deixado no SEF dois envelopes com 100 euros cada um, para prenda de Natal às secretárias. Jarmela Palos garante que devolveu o dinheiro ao ex-presidente do IRN.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.