O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Portugal quer sedear a Agência Europeia do Medicamento

10 fev, 2017 - 21:14

Ministro da Saúde vai a Londres visitar o organismo.
A+ / A-

O Governo anunciou que está disponível para acolher a Agência Europeia do Medicamento, actualmente localizada no Reino Unido, e vai enviar segunda-feira a Londres o ministro da Saúde para a realização de uma visita àquele organismo.

"Considerando a eventual saída do Reino Unido da União Europeia e a consequente relocalização das agências europeias existentes naquele país, Portugal está disponível para acolher, em Lisboa, a sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA), actualmente sediada em Londres", refere a Secretaria de Estado dos Assuntos Europeus, em comunicado.

Segundo a nota, na segunda-feira, o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, e a secretária de Estados dos Assuntos Europeus, Margarida Marques, vão deslocar-se a Londres para visitar a agência, acompanhados por membros do conselho directivo do Infarmed.

"Convictos de que Lisboa é a cidade mais adequada para esta relocalização, o Governo português irá transmitir os méritos da capital portuguesa e assegurar o empenho nacional num rápido processo de transição que minimize o impacto das actividades regulares da EMA, essenciais à protecção da saúde pública nos 28 estados-membros da União Europeia, bem como nos países do Espaço Económico Europeu", sublinha.

A EMA, fundada em 1993, tem como missão promover a excelência científica na avaliação, supervisão e monitorização da segurança dos medicamentos desenvolvidos por empresas farmacêuticas e cuja utilização se destina à União Europeia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.