O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Bispo de Coimbra elogia “rigor” do processo de beatificação da irmã Lúcia

13 fev, 2017 - 06:36 • António Pedro

Fim da fase diocesana do processo de beatificação da vidente de Fátima é assinalado esta segunda-feira.
A+ / A-

“É um dia muito feliz para a diocese de Coimbra e para a Igreja em Portugal, para o Santuário de Fátima e para muitas pessoas no mundo inteiro que aguardam este momento há muito tempo”. É assim que o bispo de Coimbra, D. Virgílio Antunes, fala do fim da fase diocesana do processo de beatificação da irmã Lúcia.

A “sessão de clausura do inquérito diocesano” acontece esta segunda-feira, 13 de Fevereiro, exactamente 12 anos depois da morte da vidente de Fátima. A sessão vai acontecer no Carmelo de Santa Teresa de Coimbra, onde a religiosa viveu entre 1948 e 2005.

Sobre o tempo que o processo demorou, o bispo de Coimbra recorda que “se pediu dispensa à Santa Sé para se iniciar o inquérito diocesano antes do prazo estabelecido, e isso foi concedido pela Congregação para a Causa dos Santos e pelo Papa Bento XVI”.

Depois disso, explica, “em 2008, iniciou-se um processo a que se chama o ‘inquérito diocesano’, que é sempre a primeira fase destes processos, em que se procura averiguar se, nos escritos publicados e não publicados, há sinais das virtudes heróicas que são necessárias para que alguém seja declarado beato ou santo pela Igreja, e em que se ouvem também as testemunhas que conviveram de perto, para atestarem acerca da fama de santidade que manteve quer em vida quer depois da morte”.

A complexidade do processo deve-se a vários factores. “O primeiro foi a quantidade muito grande de documentos, não só as suas cartas, como textos de uma espécie de diário que escreveu, e que deu alguns milhares de páginas, tudo reunido. Foi um trabalho sobretudo da comissão histórica e dos sensores teólogos, que repassaram todos os textos e documentos para ver se neles nada havia contra a fé cristã e os bons costumes evangélicos e da Igreja”.

Foram oito anos de um trabalho exaustivo de recolha e análise das cerca de 11 mil cartas deixadas pela irmã Lúcia, bem como a recolha dos depoimentos de 60 testemunhas. Foi um processo moroso, o que, para D. Virgílio Antunes, até pode ser benéfico porque o “rigor” foi maior.

“Penso que o processo foi elaborado com todo o rigor, todo o profissionalismo por parte dos peritos em questões históricas e documentais. O próprio tribunal que ouviu as testemunhas teve um cuidado extremo na organização das perguntas e na execução prática, seguindo as regras que estão definidas pela Igreja, que são muito minuciosas e que têm de ser seguidas nestes casos, para que, do ponto de vista formal, não haja deficiências, lacunas e erros.”

O processo segue agora para a Congregação para as Causas dos Santos, em Roma, explica D. Virgílio Antunes: “O trabalho da diocese de Coimbra está concluído, segue-se a chamada ‘fase romana’ que depende directamente do postulador-geral da Ordem dos Carmelitas Descalços, com o auxílio da vice-postulação em Portugal. Mas fica tudo nas mãos da Santa Sé, que seguirá os trâmites habituais”.

Caso venha a ser aceite e aprovada esta primeira fase haverá, então, a necessidade de um milagre devidamente comprovado. “Já existem algumas notícias de hipotéticos milagres, mas não há ainda caso nenhum estudado uma vez que esta fase em que estamos é prévia, e sem esta fase com certeza que nem sequer é possível avançar para as fases seguintes”.

O bispo de Coimbra não arrisca uma data para a beatificação. “Está tudo nas mãos da Igreja e nas mãos de Deus”, diz. Mas não duvida que a vidente de Fátima será elevada aos altares: “Estou confiante porque a irmã Lúcia tinha fama de santidade já em vida e, pelas muitas informações das chamadas ‘graças’ recebidas, continuou a ter uma fama muito grande de santidade após a morte. Agora, não basta isso, é preciso que se prove efectivamente com as testemunhas, com os documentos, e depois, mais tarde, se Deus quiser, com o milagre, que essa fama corresponde à realidade”.

A cerimónia que assinala o fim da fase diocesana do processo de beatificação da irmã Lúcia está marcada para as 17h00 no Carmelo de Santa Teresa, em Coimbra, e será seguida de uma missa de acção de graças. Às 21h30 haverá um concerto na Sé Nova de Coimbra.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.