O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Papa sai em defesa dos rohingya, da Birmânia

08 fev, 2017 - 14:03

Francisco sublinha que os rohingya não são cristãos, mas que são “boa gente” e “pacíficos”, descrevendo-os como “nossos irmãos e irmãs”.
A+ / A-

O Papa Francisco saiu esta quarta-feira em defesa do povo rohingya, da Birmânia, lamentando publicamente a perseguição de que tem sido alvo por parte das autoridades.

“Há anos que sofrem, têm sido torturados, mortos simplesmente por quererem viver a sua cultura e a sua fé islâmica”, disse o Papa, no final da sua audiência geral, no Vaticano.

“Têm sido expulsos da Birmânia, movidos de um lugar para o outro, porque ninguém os quer. Mas são boa gente, pacíficos. Não são cristãos, mas são boa gente. São nossos irmãos e irmãs”, disse o Papa.

As palavras de Francisco chegam uma semana depois de as Nações Unidas ter emitido um relatório que detalha situações de abusos sobre a minoria birmanesa, incluindo “a matança de bebés, crianças, mulheres e idosos; disparos sobre fugitivos; incêndios de aldeias inteiras; detenções em massa; violência sexual e violação em massa; destruição deliberada de comida e de fontes de comida”.

A Birmânia – conhecida também como Myanmar – é um país de esmagadora maioria budista. Os rohingya são muçulmanos mas não têm sido reconhecidos pelas autoridades como verdadeiros birmaneses, sendo acusados de serem fugitivos do Bangladesh.

A Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, que é actualmente líder da Birmãnia, tem sido criticada por não defender os rohingya, mas, segundo o alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al-Hussein, terá prometido averiguar as acusações após a publicação do relatório.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.