|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Sou colaborador ou sou trabalhador? A guerra das palavras entre sindicatos e patrões

08 fev, 2017 - 09:06 • João Carlos Malta

Será que é o mesmo dizer despedimento colectivo ou reestruturação? E a flexibilidade pode sempre ser entendida como precariedade? As palavras têm importância e um contexto social e político. Mostram ao mundo onde nos posicionamos.

A+ / A-

Volta e meia, a discussão à volta dos conceitos relacionados com o trabalho reacende-se - entre esquerda e direita, entre empresários e trabalhadores, e entre empresas e sindicatos. A entrevista à SIC do gerente da Padaria Portuguesa, Nuno Carvalho, no pico da discussão da redução da Taxa Social Única (TSU), foi o rastilho para na imprensa e nas redes sociais a clivagem voltar a emergir. Esta é uma confrontação que se joga também nos conceitos.

A utilização das palavras “colaborador” e “trabalhador” é sempre motivo de grande celeuma. Do lado sindical, entende-se que retira peso à relação laboral; do lado patronal, garante-se que dá uma imagem mais aproximada da nova realidade nas empresas.

Esta é a perspectiva do administrador da Sonae Luís Reis, ex-líder da Confederação de Serviços de Portugal. Na empresa, trata os parceiros de trabalho como “colegas”, no entanto para fora usa “colaborador”. Porquê? Hesita, mas responde: “Por nenhuma razão em especial”.

Mais tarde, explica-se melhor. Diz que o termo “trabalhador” ganhou uma conotação menos positiva por estar mais ligado a um trabalho manual, a uma fase mais industrial. “É, talvez, hoje menos agradável e o espaço foi sendo ocupado pela palavra ‘colaborador’. Mas são sinónimos”, garante.

Serão mesmo iguais?

A ideia é desfeita pela linguista Maria Antónia Coutinho, professora da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.

“Não há palavras iguais. Mesmo as palavras que chamamos sinónimos não são sinónimos, são antes para-sinónimos, quase sinónimos. Quando há duas palavras que têm a mesma função, uma tende a desaparecer”, afirma a docente, acrescentando que, apesar de não ter feito um estudo sobre estas duas palavras, isoladamente e sem o contexto social, cultural e político não podem ser analisadas.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, não quer confusões e separa as águas. Garante que há quem queira passar a ideia de que somos todos “colaboradores”. “Só quando é para as entidades patronais aumentarem os lucros. Mas já não somos para responder às necessidades de quem trabalha”, reforça.

O sindicalista diz que esta relação consubstancia sempre uma oposição, uma luta. É esta uma das razões que levou o especialista em recursos humanos José Bancaleiro, director da Staton Chase, a, progressivamente, deixar de usar a palavra “trabalhador”.

“Ganhou um peso demasiado sindical”, entende. Reconhece razão aos sindicatos quando estes falam de conotações ideológicas duma e doutra palavra, todavia prefere o uso da designação “colaborador”.

Se os sindicatos defendem que “colaborador” desprestigia e não dignifica o trabalho, Bancaleiro não pode discordar mais. “Até estou a dar mais importância. Tratar como colaborador é dar importância”, sublinha.

Questionado se esta oposição de conceitos revela que a luta de classes ainda está bem presente, defende que “já não estamos nessa fase”, ainda assim admite que “existem visões, interesses e objectivos diferentes”.

Mas se “trabalhador” pode ter uma carga ideológica, a sua substituição também poderá ser entendida nesse sentido. Luís Reis afirma que “colaborador” é um conceito “mais moderno e mais despido de crispação e de conflito.”

Mais do que isso, faz uma ligação directa àquilo que as empresas esperam. “Hoje, não se espera de um colaborador que apenas trabalhe. Espera-se que colabore, no sentido que se relacione, no sentido que funcione bem a equipa e com o outro”, enfatiza.

O mesmo especialista diz que quem quer colar a ideia de colaborador à precariedade está a ver mal a questão. “Na cabeça das pessoas que a utilizam, no lado empresarial, está associada a um sentido de maior perenidade e de maior permanência nas funções. Essa colagem é desajustada”, reitera.

Quem está a ganhar esta batalha?

O líder da CGTP não crê que o patronato esteja a ganhar esta guerra de palavras. Arménio Carlos aproveita para reforçar a definição e as diferenças.

“Nunca usaria a palavra ‘colaborador’, o trabalhador é quem vende a força do trabalho e é remunerado pela venda dessa força. Não está a colaborar com o patrão, está a vender a força do trabalho. O patrão compra essa força de trabalho e tem de pagar por ela. Se fosse para colaborar tinha de o fazer no trabalho, mas também na distribuição de lucros e outros benefícios. Não é isso que se verifica”, garante.

Também especialista em análise do discurso, a professora Maria António explica que, ao usar o conceito de colaborador, está-se a “escolher construir uma imagem de pessoas que trabalham em conjunto, que tomam decisões em conjunto, que têm parcerias operacionais de trabalho.”

Não é um ponto de partida benévolo? “Há efeitos e circunstâncias perversas. Uma coisa é o que se diz, é uma forma de construir uma imagem de si próprio. Muitas vezes, a imagem do que é dito não é real porque o colaborador é alguém com um vínculo passageiro”, conclui.

Reestruturação ou despedimento colectivo?

Outra oposição na linguagem entre os dois lados refere-se ao momento em que as empresas terminam os contratos com trabalhadores. Não é raro que as empresas falem de reestruturação e é igualmente comum os sindicatos falarem de um eufemismo que encobre um despedimento colectivo.

Arménio Carlos dá prática à teoria sindical. “As reestruturações que se fazem em Portugal não são para redimensionar a empresa para atingir objectivos. São para reduzir trabalhadores e encerrar mais tarde as empresas”, defende.

O administrador da Sonae admite que “há quem use mal a palavra e a utilize para mascarar um despedimento. Mas isso é uma utilização abusiva. Quando é preciso diminuir o número de pessoas afectas a uma determinada actividade, não há como fugir: ou é redução do quadro ou redução do número de pessoas”, resume.

Luís Reis entende, no entanto, a razão de tantos empresários o fazerem. “A palavra ‘despedimento’ é muito violenta, mas é a que temos. No entanto, despedir não tem de ter essa carga”, diz. Não? “Há uma parte negativa que é inevitável. Uma pessoa tem uma relação de trabalho e vai ter de encontrar outra. Despedir é encontrar uma nova oportunidade de carreira, porque as pessoas não estão felizes. Não estão bem nem satisfeitas. É preciso encontrar a solução e chegar a acordo”, descreve.

José Bancaleiro diz que pelas empresas que passou teve sempre de enfrentar processos de “cessação de contratos”. “Utilizo essa formulação. Quando cesso contratos não despeço. Em 99% das situações é de mútuo acordo. Procurei sempre, enquanto profissional, situações consensuais para que as pessoas saíssem com dignidade. Isto do lado das empresas é uma reestruturação, reorganização, uma libertação. Do outro lado um despedimento”, separa.

Também pensa que a palavra “despedimento” é muito pesada. Mas não é o que é? “É o que é, e temos de as assumir quando é despedimento”. Não é isso que é feito? “As empresas quando fazem um despedimento, é um despedimento ponto. Quando chegam a acordo com as pessoas, não fazem despedimento mas uma cessação por mútuo acordo.”

O trabalhador está de acordo ou fica de acordo porque não tem outra solução? “O que me está a dizer é verdade. A pessoa não quer ir embora, ainda assim é o que vai acontecer. Muitas vezes, a empresa também não queria, mas são circunstâncias da relação e do negócio”, defende.

No meio destas visões antagónicas, Maria Antónia explica que nem sempre é fácil caminhar em terrenos concretos mesmo através dos conceitos. “Não é garantido que haja sempre uma parte má e outra boa, que uma seja dominador e outro dominado”, defende.

Precariedade ou flexibilidade?

Há ainda outro binómio que gera muita discussão e opiniões contrárias: a necessidade imperiosa de que os empresários falam de flexibilizar as relações laborais, sempre com o argumento de que só assim a economia floresce, a que se opõe a visão sindicalista de que qualquer alteração nas relações laborais que torne a relação mais flexível é sinal de precariedade.

É isso que pensa Arménio Carlos: “A flexibilidade cada vez está mais associada a três coisas: despedimentos, redução de indemnizações, precariedade e degradação da qualidade de emprego e também dos rendimentos e diminuição da protecção social.”

José Bancaleiro, empresário do sector dos recursos humanos, diz não perceber o que é que “a palavra ‘precariedade’ quer dizer”.

“Os trabalhadores da Opel na Azambuja eram todos efectivos, nenhum deles era precário. Sabe o que lhes aconteceu? Foram todos despedidos”, sublinha. “A segurança está mais nas competências do trabalhador do que no vínculo. O que hoje manda nas relações laborais é a necessidade que a empresa tem de si e das suas competências do que o vínculo.”

Luís Reis diz que este não é um binómio, é “um contínuo”. “É necessário que haja um mercado de trabalho que seja líquido, mas que simultaneamente regulado. Não podemos ter uma selva. Uma relação de trabalho é fundamental e há elementos como a dignidade humana que têm de ser absolutamente preservados. A economia não se compagina com a ausência de flexibilidade nas relações laborais”, defende.

Palavras ajudam a dominar

A professora da FCSH explica que as palavras “carregam ideologias, num sentido muito amplo”. “Não é fundamentalmente partidária, apesar de ser em alguns casos”.

No entanto, em relação aos que dizem que se estão a encontrar novas palavras para a mesma realidade, contrapõe: “É uma visão fixista da realidade. Tenho algumas reservas de que a realidade seja sempre a mesma. A forma como hoje se põe as questões não é a mesma que no século XX.”

São usadas como forma de dominação? “Pode ser uma forma de dominação, muitas vezes é, mas não podemos ter uma interpretação fechada. O que se torna uma forma de dominação é o uso cristalizado da expressão associada a fins conscientes e a determinadas opções práticas não linguísticas completamente contrárias”, resume.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • complexados
    09 fev, 2017 Santarém 23:25
    Estamos parece-me a mim a discutir para aqui caganças à portuguesa, no entanto num país onde qualquer entrevistado com um canudo ou em qualquer outro local é conhecido e chamado simplesmente por doutor ou engenheiro, tudo bem!.
  • Diogo Pinto
    08 fev, 2017 Porto 20:38
    Sinceramente fui estudante durante á maior parte dos anos que compõem á minha ainda curta vida , e assim já passei por dois momentos diferentes no que toca á esquemas de aprendizagem . Não vou nomeá-los por uma questão de retórica , pois continuo á achar um melhor do que o outro . No que diz respeito á terminologias , nomenclaturas , paleios e letra , acha que todos estamos de acordo que com o passar dos anos e da interacção entre gerações á mudança ocorre devido à diferença situacional e contextual . Portanto se me perguntassem , e aqui refiro-me não só ao meu caso particular mas pondo-me no papel dos milhões de estudantes , do sexo masculino ou feminino , ou de empregados e desempregados , preferiria que alguma coisa mudasse , quanto mais não fosse subir um degrau ( escada ) do meu posto de trabalho . Já agora estou desempregado !!! Boa noite
  • écomcadaparvalhão
    08 fev, 2017 do c-r-lho que te f 16:12
    "Prefiro o termo Funcionário" Ou tás a ser irônico ou então a fazer figura de tolo.
  • P/LUÍSPINTO
    08 fev, 2017 RQTPARTA 15:58
    Ou estás a ser irônico ou idiota, para mim fazes mais papel de tolo. Os funcionários são gente que precisam de sobreviver tal como os do privado, o que seria este mundo se não houvesse público? Por um lado as máquinas estão a substituir o ser humano cada vez mais lhe empurrando para a desgraça, para o desemprego e para a miséria, sem que vocês tenham trabalho para oferecer, então diz.-me já que a tua intenção é considerar que há trabalhadores que merecem como do privado e os outros da função pública estes são o que não presta, mereciam ir todos para o desemprego, porque não dá então o privado trabalho e paga salários dignos a todos os desempregados que são despejados nos serviços do estado, como em câmaras e outras entidades. Devias era ter vergonha por vires para aqui com esta conversa intencional e te envergonhares por existir empresários sem formação, sem escrúpulos que não têm trabalho para oferecer mas que ainda tem o desplante para falar com discriminação a outras classes de trabalhadoras. Vocês parecem os nazis do tempo do hitler. IDIOTA!
  • Eugénio Dimas
    08 fev, 2017 Ovar 15:57
    Não isto não é semântica, não é conversa da treta. É IDEOLOGIA. Convém ao Capital desvalorizar o Trabalho como forma de pagar menos aos seus TRABALHADORES. Isto é luta de classes para tótós. Eu trabalho logo sou TRABALHADOR.
  • Orabemohzé
    08 fev, 2017 rqtparta 15:43
    "O que quero e faço é as minhas 8 horas o mais profissional que possa e prontos! E só aceito trabalhos onde vejo que sou bem pago senão não os aceito! A escravatura para mim já terminou à muito tempo..." Mas todos tentam ser assim, mas o que lhes sai em troca são salários de mda, mesmo na função pública. Disseste que aceitas trabalho quando é para seres bem pago, pois, mas não falta daqueles que querem é que os outros recebam quanto menos melhor e ainda arranjam desculpas dizendo que os trabalhadores são fonte de despesa, como se tratasse de um objeto sem valor. Há muitos destes idiotas que aparecem por aqui. Por isso é o país de mda que se tem....Ou agora vais dizer que não produzem? É porque se for para analisar bem o raciocínio de alguns, ninguém é burro de carga, e quem produz mesmo são as máquinas, que anda a substituir o ser humano. Só que sem trabalho o ser humano como vai sobreviver? Vai pedir esmola? Esta de dizer eu é que sou bom os outros não, isto para mim não pega. Chama-se egoismo e arrogância.
  • Luís Pinto
    08 fev, 2017 Lisboa 15:14
    Prefiro o termo funcionário.
  • Atento
    08 fev, 2017 Lisboa 15:07
    Então porque não mudam o Código do Trabalho para Código do Colaborador? No fundo o que se trata é de uma linguagem cheia de eufemismos, ou erroneamente porque um lado que não admiram usa. Isto vem tudo das ideias gestionárias actuais - que têm muito pouca profundidade, aliás - e serve para desligar a pessoa da empresa. Trabalhar e colaborar são coisas diferentes, no fundo é a diferença entre um trabalhador e um prestador de serviços. Mas esse Sr. Bencaleiro tem uma sabedoria que é inversamente proporcional à fama que tem. Como muitos na actualidade aliás.
  • Luís Miguel Rosa
    08 fev, 2017 Lisboa 15:04
    ..O Sr. António Lameira fala de quê?.. Que discurso é esse "ao lado" do que estamos a falar..DIREITOS...REGULAMENTACAO JURIDICA DO TRABALHO..REGALIAS SOCIAIS.. DESCANSO SEMANAL.. SUBSÍDIOS DE FÉRIAS E DE NATAL.. FÉRIAS..Isto tudo é estranho para si?..Tem coragem de dizer aqui neste fórum a sua situação labora!!??
  • António Rey
    08 fev, 2017 Lisboa 14:13
    Colaborador ou trabalhador? o código do trabalho diz que sou trabalhador. Logo, independentemente da ideologia politica (Nem sou sindicalizado), considero o termo trabalhador como sendo o correto.