|
A+ / A-

PS questiona desinvestimento no aeroporto do Porto

02 fev, 2017 - 00:26

O deputado socialista Tiago Barbosa Ribeiro lamenta o que diz ser a acentuada tendência para uma dinâmica centralista, em Portugal.

A+ / A-

Deputados socialistas questionam o Governo sobre o desinvestimento da TAP no aeroporto Francisco Sá Carneiro.

Depois da notícia de que viagens de longo curso operadas pela companhia aérea ficam mais baratas a partir de Vigo que do Porto, os parlamentares querem perceber a política comercial da empresa.

Ouvido pela Renascença, o deputado socialista Tiago Barbosa Ribeiro lamenta o que diz ser a acentuada tendência para uma dinâmica centralista, em Portugal. E sublinha que a estratégia da TAP é uma afronta para a região Norte.

“Como se já não bastasse o desinvestimento que a TAP tem vindo a fazer no aeroporto do Porto, agora decidiu criar um facto de concorrência artificial no aeroporto de Vigo. Portanto, o aeroporto de Vigo praticamente não tem ligações internacionais e agora a TAP, uma companhia de bandeira portuguesa., não só desinveste no aeroporto do Porto de forma directa, como por via indirecta procura criar na zona de influência do aeroporto do Porto. Um facto de concorrência que chega a ser uma afronta, um confronto com aquilo que têm vindo a ser as reivindicações de vários agentes políticos, empresariais, institucionais, da região”, disse.

Os deputados socialistas querem saber se o Ministério do Planeamento e Infraestruturas deu, ou vai dar, indicações à administração da TAP para que corrija a situação relativa ao aeroporto do Porto.

Em caso de resposta negativa, perguntam ao Governo se considera que a recuperação do controlo público da companhia está a permitir salvaguardar os interesses.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.