O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
fora da caixa

Brexit atrasa-se e May “pede amizade” aos EUA

25 jan, 2017 - 20:18

Duas questões importantes a marcar a semana e a merecer o comentário e a análise dos dois comentadores: o Supremo Tribunal Britânico diz que o Brexit terá de passar primeiro pelo Parlamento. E Theresa May vai aos Estados Unidos mostrar “uma nova aliança”.
A+ / A-
Fora da Caixa - 25/01/2017
Fora da Caixa - 25/01/2017

“Não acredito que no Parlamento alguém vote contra o sentido do referendo. Aqueles que votaram por ficar devem votar de acordo com o que o povo britânico decidiu no referendo”, diz António Vitorino.

Quanto a Santana Lopes, acredita que o Parlamento poderá impor algumas alterações à forma como o Reino Unido vai fazer o “divórcio da UE”. O ex-Primeiro-ministro recorda a ironia da política: “A defesa do papel do Parlamento era muito defendido pelos que queriam a saída do Reino Unido sem se ouvir o povo e esses são os que agora defendem o contrário”.

Numa análise ao discurso de Theresa may e das exigências que estão a fazer caminho em Londres em relação à saída, Vitorino acha que aquilo que ela disse “é um corte bastante radical e não será fácil convencer os outros 27 a aceitar uma escolha de que aceito o que é bom, mas rejeito o que é mau para o acordo de saída”. Há pressões e “os negociadores não poderão estar insensíveis, apesar de o continente não poder aceitar que Londres tenha tudo o que quer”.

Já quanto às novas relações com os Estados Unidos, a chegada de Trump à Casa Branca veio “baralhar tudo” em termos de tratados comerciais. “Acordos comerciais bilaterais não haverá” dado o novo proteccionismo dos EUA, diz Vitorino. Poderá haver, acha o ex-comissário, apenas acordos nalguns sectores económicos e não entre blocos económicos.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.