A+ / A-

UEFA dá razão a Jorge Sousa nos casos do dérbi

31 jan, 2017 - 17:30 • João Fonseca

O Sporting considera que o árbitro errou em dois lances.
A+ / A-

A UEFA dá razão a Jorge Sousa nos lances polémicos do Benfica-Sporting do passado dia 11 Dezembro, apurou Bola Branca.

Por solicitação do Sporting, na última reunião entre os clubes profissionais e o Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol, seguiu um pedido para a UEFA para uma consulta sobre os casos do dérbi.

Os leões contestaram, principalmente, dois lances em que Jorge Sousa não assinalou mão na bola dos jogadores do Benfica. O primeiro envolveu Pizzi, no início do lance do primeiro golo dos encarnados. O segundo é com Nelson Semedo, na área do Benfica.

A UEFA já respondeu, dando razão às decisões de Jorge Sousa. No fundo, o entendimento da UEFA é o mesmo do Conselho de Arbitragem da FPF.

Bola Branca sabe que os clubes intervenientes no dérbi já foram informados do entendimento da UEFA sobre os casos desse Benfica-Sporting.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vasco
    01 fev, 2017 Santarém 15:51
    Claro que a UEFA não ia agora dizer o contrário cooperam todos muito bem uns com os outros e a dar razão a quem tem razão teriam lá semanalmente dezenas de casos para que eles resolvessem o que seria muitíssimo complicado depois de um jogo terminado, a melhor solução mesmo será mais honestidade por parte dos árbitros e mais castigos por parte das autoridades competentes pois eles por sua vez são muito rápidos a aplicar castigos a quem discorda das suas decisões.
  • De Cabeça
    01 fev, 2017 lisboa 10:36
    Alguns dizem que o árbitro decidiu mal, outros dizem que o árbitro decidiu bem. O Conselho de Arbitragem pronunciou-se, uns concordam e outros discordam. Tudo normal. Anormal é uns quantos acharem que são os donos da verdade. Anormal é recorrer à UEFA para discutir 2 lances de um jogo. Vamos fazer isto em todos os jogos em que existem opiniões divergentes???? .. Ainda por cima, mesmo após a decisão da UEFA, as opiniões não mudam ... aliás, do lado dos "donos da verdade" surgem novos argumentos, desta vez quanto à idóneidade da UEFA. Outra coisa não sería de esperar. No final, fica a péssima imagem do futebol português e dos seus dirigentes: virgens ofendidas a montar deprimente espetáculo na UEFA.
  • Almeida Santos
    31 jan, 2017 Lisboa 21:23
    Aproveitando esse entendimento da UEFA, podemos concluir que o golo do Felipe contra o Benfica foi legal e o Porto foi claramente prejudicado. Das duas uma.
  • João Gil
    31 jan, 2017 Lusbos 20:33
    Chama-se a isto corporativismo. Nada de especial nem novo. Havia no tempo de Salazar. Eram as corporações. Continua a haver corporações em todo o lado. Dos médicos, dos advogados, dos escriturários, dos técnicos disto e daquilo, dos engenheiros dos juizes, dos oficiais de justiça e sabe-se lá do quê mais. O espirito corporativo não tem nada de errado. Acontece é que o penalty do Nelson Semedo foi descarado e claro. O moço até fez o gesto com o braço para ter a certeza que acertava na bola. São os tais erros admissíveis. A corrupção e o compadrio afinal são notícia.mas não é para corrigir o que está errado, é para manter o que está exactamente como está, ir, manter o poder discricionário dos árbitros que são imunes e impunes, apesar dos erros que prejudicam as equipas em milhões e milhões de euros, . E esquecem-se os elementos da corporação que são pagos pelos clubes que constantemente prejudicam, casualmente ou propositadamente. É assim o futebol. A resistência é grande e forte mas a mudança é inexorável. Natecnologia e a seguir em algumas controversas, que deixarão de ser passíveis de interpretação subjectiva, por necessidade de se tornarem objectivas. Porque é inevitável que assim seja.
  • Professor Martelo
    31 jan, 2017 Amareleja 20:23
    Irradiem o incendiário,Marta Soares e despacham o desonesto Rui Santos!
  • fernando
    31 jan, 2017 Braga 20:17
    E agora Otávio? Quem é que vai assumir as consequências ? Mete dó, a altura fisica ainda é maior que o seu caráter . Ganha vergonha
  • Andre
    31 jan, 2017 Cascais 20:17
    É só rir. Eles estão aqui todos contentes e já têm o porto a 1 ponto....dá para rir
  • Manel
    31 jan, 2017 Alverca 20:01
    Pois é, o pior é que o Benfica já foi prejudicado no Marítimo, com o Boavista, e agora com o Setúbal, e por acaso já não se fala de arbitragem !!!
  • v.p.
    31 jan, 2017 coimbra 19:55
    A ser verdade a decisão da UEF. é muito triste e péssimo para o futebol em geral. E acima de tudo muito preocupante, pois a ser assim e no que toca aos assuntos da arbitragem, parece-me que estão todos a precisar de reciclagem, porque qualquer leigo na matéria sabe analisar os referidos lances. Para os mais distraídos, aqui fica o que diz as leis do jogo " sempre que o jogador impeça ou desvie a trajectória da bola com um dos braços e sempre que os mesmos aumentem a amplitude do corpo do jogador". Ora isto foi o que aconteceu no jogo Benfica x Sporting C.P. dizer o contrário disto cheira a falso, e parece-me ser uma decisão tomada a pedido do sistema podre da nossa arbitragem.
  • observer
    31 jan, 2017 aqui 19:47
    Esta decisão e tomada de posição, acerca destes polémicos lances por parte da tão mui e rigorosa "UEFA", configura compadrio se não mesmo tráfico de influências, para não deixarem em "maus lençóis" os amigalhaços do "CA" português, depois da sua controversa tomada de posição em relação aos mesmos. Em que depois de tudo isto e deste circo, a dita "UEFA" com este tipo de suporte e apoio, o que faz é afastar linearmente a arbitragem portuguesa das suas provas internacionais, sendo assim entendemos perfeitamente o critério. Enfim haja pachorra para aturar todo este complot.