A+ / A-
​Em Nome da Lei

SEF fez 1.500 inspecções a trabalho escravo em 2016

28 jan, 2017 - 13:39

Procuradora fala na necessidade de seguir a pista do dinheiro para chegar aos verdadeiros culpados deste crime. “É um crime que envolve lucros brutais.”
A+ / A-

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) fez, em 2016, 1.500 inspecções a situações suspeitas de tráfico de pessoas. Destas, 238 ocorreram em centros agrícolas. O tema esteve este sábado em destaque no programa em Nome da Lei da Renascença.

Nas últimas semanas, foi conhecido mais um caso na zona do Alqueva, onde cerca de 90 trabalhadores agrícolas viviam em condições sub-humanas.

A exploração laboral é cada vez mais a razão do tráfico de seres humanos no Sul da Europa e em Portugal. No último ano, 87% das vítimas sinalizadas pelo SEF eram casos de exploração laboral.

“Trabalhámos 39 inquéritos do Ministério Público dos quais 17 eram de exploração laboral, ou seja 44%”, anuncia o subdirector da Direcção Central de Investigação do SEF, Paulo Baptista, no programa Em Nome da Lei.

Já o inspector-geral da Autoridade para as Condições do Trabalho, Pedro Pimenta Braz, explica que o fenómeno não se circunscreve ao Alentejo: o trabalho escravo encontra-se também na zona do Oeste, Ribatejo e Algarve.

Pedro Pimenta Braz diz que estamos perante um fenómeno muito alargado e incontrolável. As vítimas de trabalho escravo em Portugal são provenientes de várias zonas do globo: do leste europeu, sobretudo países fora da União Europeia, de África, e muitas do sudoeste asiático.

Segundo a procuradora Sofia Rocha, este é um negócio altamente lucrativo. A magistrada do Departamento de Investigação e Acção Penal que investiga este tipo de crimes há vários anos explica que em 98% dos casos correspondem a crime organizado. Por isso, é fundamental seguir a pista do dinheiro.

“Envolve lucros brutais para estas redes criminosos. Um dos meios dissuasores é confiscar os proveitos destas redes. Há uma consciência entre nós, procuradores, de integrar nas nossas investigações criminais a dimensão económico-financeira como forma de perseguir as entidades que lucram com isto”, resume.

Em 2016, a Procuradora-Geral da República abriu 17 inquéritos-crime ao trabalho escravo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bela
    28 jan, 2017 Coimbra 17:13
    Infelizmente, trabalho escravo sempre existiu inclusive dentro das famílias. Actualmente em portugal acontece porque não há quem faça inspecções frequentes às empresas que admitem sazonalmente trabalhadores. Já agora! Porque razão colocaram no título que refere o trabalho escravo, a imagem de uma mulher negra, e vestida com roupas típicas de África? Em Lisboa, há muitos locais onde as conseguir, basta ir aos locais certos.
  • Limede
    28 jan, 2017 Cantanhede 14:50
    SEGUIR A PISTA DO DINHEIRO ! ! ! Senhora Procuradora, basta se investigar as grandes fortunas que se têm arranjado nestes últimos anos, porque escravatura não é só lá nas herdades, na apanha do tomate, da azeitona, etc. , é também ou mais nas empresas onde se paga o miserável SMN e em alguns casos com a devolução de parte deste aos ladrões dos patrões. Escravatura é o que se trata na concertação social, onde o patronato com o APOIO DE UMA DITA CENTRAL SINDICAL - UGT, traidora à classe trabalhadora, apoia a escravatura em conjunto com um partido que de SOCIALISTA só tem o nome.