O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Chineses e brasileiros lideram pedidos de “vistos gold”

26 jan, 2017 - 08:07

Desde 2012 já foram concedidos 4.202. Este tipo de instrumento visa a captação de investimento estrangeiro.
A+ / A-

Mais de quatro mil ‘vistos gold’ foram concedidos a estrangeiros, sendo os chineses e os brasileiros as principais nacionalidades a obter uma Autorização de Residência para Actividade de Investimento (ARI), segundo o SEF.

Dados enviados à agência Lusa, indicam que desde a sua criação, 8 de Outubro de 2012, até 31 de Dezembro de 2016, foram atribuídos 4.202: dois em 2012, 494 em 2013, 1.526 em 2014, 766 em 2015 e 1.414 em 2016.

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras indica também que as principais nacionalidades com este tipo de Autorização de Residência para Actividade de Investimento, conhecida por ‘vistos gold’, são a chinesa (3.050), brasileira (247), seguido dos cidadãos da Rússia (148), África do Sul (137) e Líbano (72).

Este tipo de instrumento, que visa a captação de investimento, permitiu igualmente que 6.637 estrangeiros passassem a ter uma autorização de residência ao abrigo do reagrupamento familiar.

De acordo com o SEF, o investimento resultante dos “’visto gold’ totaliza 2,5 mil milhões de euros, dos quais cerca de 251 milhões de euros foram obtidos através de transferência de capital e 2,3 mil milhões através da aquisição de bens imóveis.

Dos 4.202 vistos atribuídos, 3.964 foram por via da aquisição de imóveis, 232 através de transferência de capital e seis para a criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho.

Os ‘vistos gold’ foram criados em 2012, mas a partir de Setembro de 2015 entraram em vigor novas regras para a sua obtenção, nomeadamente o alargamento dos critérios de investimento para cidadãos fora da União Europeia a áreas como reabilitação urbana e ciência.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.