A+ / A-

Centeno. Pressão sobre a dívida pública é culpa do anterior Governo

18 jan, 2017 - 19:07

Governante esteve esta quarta-feira no Parlamento a ser ouvido na comissão de orçamento e finanças.

A+ / A-

O ministro das Finanças atribuiu a pressão existente sobre a dívida pública "em grande medida" ao facto de o anterior Governo não ter feito o devido trabalho no sistema financeiro português.

"Há uma pressão sobre a dívida portuguesa em grande medida porque o trabalho sobre o sistema financeiro estava todo por fazer", disse Mário Centeno na comissão de orçamento e finanças, na Assembleia da República, em Lisboa.

O responsável pela pasta das Finanças considera que, ao invés de Portugal, já na Irlanda e em Espanha - "países com os quais comparam as nossas taxas de crescimento e taxas de juro" - foi feito esse trabalho, o que permite à dívida pública ter preços mais altos e, logo, pagar juros mais baixos do que a dívida pública portuguesa.

"Os sistemas financeiros são uma peça importantíssima dos nossos sistemas modernos e o nosso tinha Banif, Novo Banco", afirmou Centeno, o que levou o deputado do CDS João Almeida a recordar, num aparte, que o Banif já tem mais de um ano pelo que não justifica pressões recentes sobre os títulos soberanos.

"Faça o senhor deputado o gráfico dos 'spreads' e veja quais as consequências que tiveram", respondeu o governante.

Mais à frente na comissão parlamentar, Centeno voltou a falar das taxas de financiamento do Estado português, considerando que são um "bom indicador daquilo que é a leitura desses fundamentos" da economia e considerou que o Governo tem cumprido o seu objectivo de mostrar trabalho e resultados aos mercados.

O ministro das Finanças destacou que o Governo tem cumprido "os compromissos dentro do semestre europeu" e que a política seguida tem conduzido a uma "aceleração da economia portuguesa", acrescentando que isso irá beneficiar também "o balanço dos bancos".

Mário Centeno não deu indicações, contudo, de como está o processo de emissão de até 1.000 milhões de euros de obrigações da Caixa Geral de Depósitos - que faz parte do plano de recapitalização do banco público -, nem deu indicações de como poderá correr essa operação de financiamento do banco público.

Os deputados tinham-no questionado sobre o impacto da pressão sobre a dívida soberana portuguesa nessa operação de emissão de dívida da Caixa.

A semana passada, Portugal emitiu três mil milhões de euros em dívida a 10 anos com as taxas de juro a superarem os 4%, tendo os analistas contactados pela Lusa considerado que o custo não surpreendeu, mas a pedirem cautela relação às finanças públicas.

Já esta quarta-feira Portugal colocou 1.750 milhões de euros em Bilhetes do Tesouro a seis e 12 meses a taxas de juro negativas e inferiores às dos anteriores leilões comparáveis.

Centeno e a Caixa

O ministro das Finanças destacou a importância que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) teve nos últimos anos, marcados pela grave crise económica e financeira, na manutenção da confiança dos depositantes e do financiamento à economia.

"Parece hoje ainda mais clara para todos a importância de ter um banco público. Nos últimos anos a Caixa provou o seu papel como âncora da estabilidade do sistema", afirmou Mário Centeno.

Segundo o governante, num contexto difícil a nível internacional para a generalidade do sector bancário, a CGD provou ser uma "instituição de referência e confiança, que recebe depósitos", e que desempenha um importante "papel no crédito, dando estímulo ao crescimento português".

E reforçou: "É nessa leitura daquilo que é o sistema financeiro hoje que a necessidade de haver um banco público é ainda mais clara".

Centeno sublinhou que a manutenção da CGD 100% pública está inscrita no programa do Governo, que desde que tomou posse "tratou das questões" do banco, ao nível da sua reestruturação e da aprovação do novo plano de capitalização, "sem esquecer a sua função pública e a sua função bancária".

O ministro vincou que a CGD "actua em regime de concorrência muito alargada, mesmo a nível europeu, numa área económico-financeira muito vasta e com processos de integração que estão em construção e para os quais Portugal tem que estar preparado" e que "é nesse contexto que se coloca a recapitalização" do banco estatal.

Segundo Centeno, em causa está "um processo de capitalização muito desafiante que era preciso enfrentar e tudo isto num ambiente regulatório que é mais exigente, e ainda bem".

Demissão de Domingues

O ministro das Finanças admitiu hoje que foi um "choque" o pedido de demissão da administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) liderada por António Domingues, mas garantiu que importante é que não foi posta em causa a recapitalização.

"Obviamente a substituição da administração no mês de Dezembro foi um choque do ponto de vista do processo, mas não teve nenhum impacto no processo de capitalização", disse Mário Centeno, que foi ouvido pelos deputados na comissão de orçamento, finanças e modernização administrativa.

De acordo com o governante, as fases do processo de recapitalização, num montante superior a 5.000 milhões de euros, "estão a ser cumpridas" e estão a ser acompanhadas pelo Banco Central Europeu, Comissão Europeia (através da Direcção-Geral de Concorrência) e Mecanismo Único de Supervisão.

O ministro respondia ao deputado do PSD Leitão Amaro, que acusou Mário Centeno de não responder directamente às questões colocadas, interpelando mesmo a presidente da Comissão para recordar que o governante evitou falar sobre o montante do aumento de capital, o aumento do nível de imparidades do banco público, a excepção ao estatuto do gestor público dado à administração de António Domingues (que provocou uma acesa polémica, que levou à demissão da equipa em Dezembro) e ainda o eventual uso de informação privilegiada pelos ex-administradores.

O ministro das Finanças não concordou com a avaliação feita pelo PSD e garantiu: "Respondi às questões todas, não faltou uma".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • CENTINO
    20 jan, 2017 Lx 11:58
    Este Centino é um tipo engraçado...Parece um garoto com as desculpas esfarrapadas que afirma.Mentiroso, a capa dos socialistas está a cair com estrondo.Cativações, ausência de investimento público, transportes públicos a berrar, serviços de saúde a claudicar..:Querem ver que isso é culpa do Trump? Uns tristes estes socialistas de trazer por casa....Já nem o BE e o PCP lhe dão a mão...Força kamarada Costa rumo ao resgate.estamos quase lá pois em 2017 acabaram-se os malabrismos políticos e vais ter que dar ao pedal...
  • Al
    19 jan, 2017 Porto 10:08
    Claro que é do anterior governo, É SEMPRE DOS OUTROS!
  • Carlos Gomes
    19 jan, 2017 Lisboa 09:53
    Estes nâo governam e passam a vida a dizer mal de tudo que o governo anterior fez.Há alguns Portugueses poucos que papam tudo, mas a maioria já esta farta desta música.O que querem é que o PS governem e se deixe de conversa da treta.
  • Joao
    19 jan, 2017 Braga 09:51
    A culpa é sempre dos outros. Eles estão lá, é para resolver e não culpar os outros. Já sabiam quando fizeram este tipo de governo
  • Joaquim Soares
    18 jan, 2017 Famalicão 23:30
    Sou anti-politico contudo leio algumas noticias que por vezes cheiram mal, é o qcaso do Sr. ministro das Finanças afirmar que pressão sobre divida pública é do anterior governo, acusar os outros é fácil, há quanto tempo o Sr. está no governo? e ainda anda a culpar o passado, se fosse a si diria que a culpa foi do Estado Novo (Salazar). PF. faça o seu trabalho bem feito e deixa a "culpa" que nada resolve
  • Ermenegildo
    18 jan, 2017 VFX 19:34
    Este Semtino conta cada piada, que não sei se chore se ria! Mas a verdade é que a propaganda continua em força. Nisso estes indivíduos são muito bons. Na economia, já estamos a ver o resultado nos juros da dívida. No resto logo veremos.