|
A+ / A-

​Rui Tavares: “A liberdade está sempre em causa”

14 jan, 2017 - 02:26

No programa Ensaio Geral da Renascença, o historiador diz que é preciso manter a memória vida numa época em que cresce a ameaça do populismo e do radicalismo.

A+ / A-

A liberdade não é apenas um valor que nos foi legado e deve ser defendida todos os dias, afirma o historiador Rui Tavares no programa Ensaio Geral da Renascença.

O antigo eurodeputado foi um dos convidados do programa desta semana, gravado ao vivo na Livraria Ferin, numa parceria com a Booktailors. Ao lado do humorista Ricardo Araújo Pereira, Rui Tavares considerou que, hoje em dia, a liberdade está posta em causa.

“A liberdade está sempre em causa. Acho que uma coisa que nós temos que nos reabituar é defendê-la todos os dias”, afirma o dirigente do Partido Livre.

Para Rui Tavares, a sociedade contemporânea tem que se habituar à ideia de que é preciso utilizar e defender tanto “a liberdade como outros valores civilizacionais”.

“Não são simplesmente coisas que nos legaram e de que a gente usufruiu. Temo-nos esquecido disso, porque uma boa parte do que estamos a viver hoje, uma boa parte da maneira como as pessoas exercem, às vezes inconscientemente e irresponsavelmente os seus direitos de cidadania, incluindo o voto e o direito à palavra, tem muito a ver com o facto de já não estar na memória viva o que aconteceu na última vez”, adverte o historiador.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • antonio
    16 jan, 2017 Porto 16:22
    está porque há pessoas como ele que defendem regimes socialistas/comunistas para Portugal enquanto vão falando em liberdade para enganar os incautos.